Convenção Secovi 2014 debate o futuro do mercado imobiliário e do País

 

De 27 a 30 de agosto, especialistas, economistas e empresários do Brasil e do exterior compartilham conhecimento e experiência no maior evento do setor. Em pauta, as perspectivas para este e os próximos anos 

convencao_281_242_1 (1)

As projeções pouco animadoras para a economia brasileira, as eleições que se avizinham e a aprovação de novos Planos Diretores Estratégicos em várias cidades exigem que o setor imobiliário se prepare para os cenários deste e dos anos seguintes.

O tema central da 11ª Convenção Secovi, que ocorre de 27 a 30 de agosto, na sede do Sindicato, vai ao encontro dessa premissa. Sob o mote “Indústria imobiliária e os desafios de continuar crescendo”, esta edição focaliza como o mercado, em seus diversos segmentos, deve planejar suas atividades em face de condições reversas.

Dia 27/8 – A abertura oficial do evento, às 10 horas, tem como tema “O Brasil em 2015: o que esperar e o que enfrentar”. A solenidade conta com a participação da empresária Luiza Helena Trajano, presidente da rede Magazine Luiza; do cientista político Heni Ozi Cukier, e do diretor de Negócios do Google Brasil, Alessandro Leal, que apresentam suas perspectivas para o País. Como debatedores, integram o painel o presidente do Secovi-SP, Claudio Bernardes, e o presidente da CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), José Carlos Martins.

Na ocasião, o Sindicato divulga suas propostas aos candidatos à Presidência da República. “Em cada segmento da atividade imobiliária, identificamos obstáculos que dependem de medidas do governo federal para serem superados”, diz Claudio Bernardes. “Mas não nos limitamos a levantar problemas. Apontamos soluções. Portanto, o próximo presidente terá em mãos um verdadeiro roteiro para incentivar as áreas de loteamento, incorporação, habitação econômica, turismo e hotelaria, comercialização, locação, administração de condomínios, tecnologia etc.”, emenda.

Na sequência da abertura, ocorrem o painel “Política Nacional de Habitação” e o Fórum Urbanístico Internacional, com o tema “Adensamento e Verticalização das Cidades”.

28/8 – O painel “Panorama do Mercado”, com uma análise aprofundada do economista Delfim Netto, abre a programação do dia.

Em seguida, a jornalista Rosana Jatobá, mestre em Gestão e Tecnologias Ambientais pela Universidade de São Paulo (USP), ancora painel sobre Sustentabilidade, no qual aborda o desempenho do mercado imobiliário em práticas sustentáveis.

Paralelamente, profissionais estrangeiros e brasileiros se encontram no Real Estate Show Case, que oferece oportunidade para fazer negócios em parceria.

À tarde, os destaques ficam por conta dos painéis Comercialização (Marco regulatório da corretagem imobiliária); Comunidades Planejadas (Urbanização de comunidades planejadas: utopia ou realidade?); e Locação (O mercado de condomínios logísticos no Brasil e tendências de desenvolvimento); Jurídico (Grandes temas em direito urbanístico, em face do novo Plano Diretor e da nova Lei de Zoneamento); e Hotelaria (O mercado hoteleiro após a Copa do Mundo).

29/8 – O painel de Incorporação, “Oportunidades dos Fundos de Investimentos Imobiliários”, apresenta o funcionamento dos FII. Simultaneamente, o de Desenvolvimento Urbano debate as formas de financiamento para produção e comercialização de lotes.

Na sequência, as peculiaridades e as oportunidades do mercado imobiliário do interior paulista serão apresentadas pelos diretores regionais do Secovi-SP de diversas cidades do Estado. Em paralelo, o “Momento Imobiliário Internacional” recebe delegações de empresários de dez países. Pela primeira vez um grupo de Dubai, Emirados Árabes, participa do evento. Executivos dos Estados Unidos, Canadá, Austrália, Panamá, Índia, Cazaquistão, Síria, Paquistão e Nigéria também marcam presença. O objetivo é estabelecer parcerias para a realização de negócios.

30/8 – Das 9h30 às 13 horas, o painel Administração de Condomínios discorre sobre como condomínios podem adotar ações sustentáveis sem abrir mão do bem-estar e dos moradores. Das 11h30 às 13h, os advogados Carlos Alexandre Cabral e João Paulo Rossi Paschoal elencam as principais dúvidas jurídicas civis e trabalhistas dos síndicos. A sessão é gratuita para síndicos e administradoras.

Ainda no sábado, visita técnica a empreendimentos diferenciados de São Paulo.

Atrações – Além de programação especial para acompanhantes, o coquetel de boas-vindas da Convenção Secovi apresenta o espetáculo “Palavra de mulher”. Lucinha Lins, Tania Alves e Virgínia Rosa interpretam canções de Chico Buarque. No dia 28/8, a happy hour fica por conta da Zarabanda (empresários do setor imobiliário revelam seus dotes artísticos).

Gentilezas Urbanas – Por sugestão do Secovi-SP, o vereador Nabil Bonduki apresentou projeto de lei, aprovado pela Câmara Municipal de São Paulo, que institui o “Dia da Gentileza Urbana”, a ser comemorado anualmente em 17 de setembro. Durante a Convenção, haverá um showroom com projetos e diferentes intervenções. “A proposta é que as pessoas conheçam exemplos que podem ser replicados, adaptados ou ampliados. Será uma fonte de conceitos e ideias inspiradoras para tornar a cidade cada vez mais agradável”, afirma Claudio Bernardes.

Serviço
Convenção Secovi 2014
Data: 
27, 28, 29 e 30 de agosto
Onde: Sede do Secovi-SP (Rua Dr. Bacelar, 1.043, Vila Mariana – São Paulo, SP)
Informações e inscrições: (11) 5591-1306 ou www.convencaosecovi.com.br  

Fonte  Secovi

Operação da Polícia Civil prende 58 pessoas na Grande São Paulo

Da Redação

00020907
A Polícia Civil apreendeu lotes de cigarros contrabandeados(foto:Polícia Civil)

Após um mês de investigação, a Polícia Civil realizou uma operação de combate ao crime organizado para prender 58 pessoas, sendo 12 adolescentes, na região de Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo.

“O objeto da operação foi conter a incidência criminal, tirar os criminosos da rua e trazer tranquilidade à sociedade”, explicou o delegado Marcos Batalha, seccional de Mogi das Cruzes.

Além disso, foram apreendidos 2.149 pinos de cocaína e crack, oito veículos, um revólver calibre .38, além de materiais falsificados e cigarros contrabandeados. No total, foram apreendidos 3.678 objetos.

A ação, que durou 24 horas, foi finalizada às 16 horas desta terça-feira (12). Ao todo, 44 viaturas e 112 policiais de 18 delegacias foram mobilizados para ação.

Foram cumpridos 13 mandados de prisão por tráfico, roubo e homicídio. Além dos mandados de prisão, foram cumpridos mais cinco de busca e apreensão.

Com informações da Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo

Eleições 2014: Délbio Teruel e Celso Giglio são impugnados pelo TRE

Da Redação

banner_eleicoes (1)

Impugnado em votação unanime, Délbio Camargo Teruel perdeu o direito de conquistar uma vaga nas eleições 2014. Candidato ao Congresso Nacional, Teruel não convenceu a Justiça Eleitoral que suas contas em 2002 –durante mandato de vereador- estavam corretas.

Na prática Débio ainda poderá receber os votos nas urnas, embora não serão contabilizados pelo TRE. Tecnicamente, cada voto que recebido será sumariamente apagado, apenas registrado nas urnas.

O mesmo destino do candidato do PSD recaiu sobre Celso Giglio, ex-prefeito de Osasco e candidato do PSDB, que perdeu as eleições de 2012 após sua candidatura sofrer processo semelhante na justiça. Cerca de 100 mil habitantes de Osasco perderam seus votos ao apoiarem um candidato que antecipadamente já estava impugnado.

Celso Giglio e Délbio Teruel sempre nutriram proximidade política, sendo compositores de um mesmo governo entre 1996 e 2000. Entre 2000 e 2004 as contas de ambos os políticos não foram aprovadas, sendo rejeitadas diversas vezes pela Câmara Municipal e, agora, pela Justiça Eleitoral.

O destino de Celso Giglio nessas eleições ainda é incerto, correndo processo de improbidade administrativa em 2012 e possivelmente uma releitura em 2014. Teruel não poderá recorrer em instâncias da justiça eleitoral, sendo que uma eventual vitória judicial convencional apenas postergue a sua anulação como candidato ao Congresso.

A reviravolta é semelhante ao caso de Celso Giglio (PSDB), cujo nome foi rejeitado, mas foi mantido nas urnas até o último momento. Eleitores que optaram pelo candidato perderam seus votos (cerca de 100 mil pessoas de Osasco).
Estratégia;

Seguindo a mesma estratégia de Celso Giglio, Teruel poderá manter sua disputa perante a população como se absolutamente nada tivesse ocorrido, sendo que a anulação definitiva aconteceria apenas após as eleições 2014. Portanto, a atenção sobre nomes impugnados ou com chances de ação da Justiça Eleitoral poderá evitar que muitos habitantes de nossa região não registrem efetivamente seus votos.

Fonte: Planeta Osasco

TRE-DF nega registro das candidaturas de Arruda e de Jaqueline Roriz

arruda_vale_esta

José Roberto Arruda (PR) poderá seguir em campanha até que o TSE decida a questão em última instância.Arquivo/Agência Brasil

O Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE-DF) aprovou hoje (12) a impugnação e negou o registro da candidatura de José Roberto Arruda (PR) ao governo do Distrito Federal com base na Lei da Ficha Limpa. Na mesma sessão, o TRE-DF também impugnou o registro de Jaqueline Roriz (PMN) ao cargo de deputada federal.

O tribunal acatou o pedido feito pelo Ministério Público Eleitoral (MPE), que entendeu que o ex-governador e Jacqueline Roriz não poderiam concorrer ao pleito por terem sido condenados em segunda instância por crime de improbidade administrativa.

A maioria dos desembargadores seguiu o voto do relator, desembargador Cruz Macedo. O desembargador argumentou que a legislação determina o impedimento de candidaturas de pessoas condenadas pela Justiça em segunda instância.

No dia 9 de julho, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDFT) condenou Arruda e a deputada federal Jaqueline Roriz em segunda instância por improbidade administrativa. A ação é referente à Operação Caixa de Pandora, que investigou o esquema de corrupção que ficou conhecido como Mensalão do DEM.

A defesa de Arruda e de Jaqueline pleiteou o deferimento da candidatura com base na Lei nº 9.504/97, que estabelece as normas para as eleições e coloca a data da formalização do pedido de candidatura como marco legal para verificação das condições de elegibilidade. O advogado dos réus, Francisco Emerenciano, argumentou que a condenação ocorreu após o prazo para o pedido de registro de candidatura na Justiça Eleitoral e que, portanto, não poderia ser enquadrado pela Lei da Ficha Limpa e, consequentemente, ser considerado inelegível.

Apesar das argumentações de Emerenciano, os desembargadores mantiveram o entendimento de que prevalece o que determina a Lei da Ficha Limpa, que considera inelegível o candidato que for condenado em sentença transitada em julgado ou em decisão proferida por órgão colegiado. Para os desembargadores, o deferimento da candidatura iria ferir os princípios da moralidade e probidade administrativa.

Mesmo com a decisão, Arruda poderá seguir em campanha até que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decida a questão em última instância. O mesmo ocorre com Jacqueline Roriz.

Da Agência Brasil

Brasileiro ganha mais importante prêmio de matemática do mundo

artur_avila

Aos 19 anos, Arthur Avila já trabalhava em sua tese de doutorado(Divulgação/ perfil pessoal do Facebook)

O matemático Artur Avila, 35, é o primeiro brasileiro a ganhar a Medalha Fields. Trata-se do prêmio mais importante da área. O anúncio foi feito pela União Internacional de Matemática (IMU, na sigla em inglês), que concede a condecoração. A premiação será feita no Congresso Internacional de Matemáticos, maior evento da matemática mundial, que começa nesta quarta-feira (13), em Seul, Coreia do Sul. Devido a diferença de fuso-horário, no Brasil, o congresso começa na noite de hoje.

A Medalha Fields foi concedida pela primeira vez em 1936 e, a cada edição, é entregue a, no máximo, quatro matemáticos com idade inferior a 40 anos, que tenham feitos notáveis. Ao todo, 52 matemáticos já receberam o prêmio. É um reconhecimento equivalente ao Prêmio Nobel da matemática.

A carreira de Avila começou cedo. Segundo informações disponíveis no portal da Academia Brasileira de Ciências, Artur Avila ganhou a medalha de ouro na Olimpíada Internacional de Matemática no Canadá, aos 16 anos, vencendo 411 oponentes de 72 países. Desde então, ainda cursando o ensino básico, o carioca passou a frequentar as disciplinas da pós-graduação do Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (Impa), onde concluiu seu mestrado junto com o ensino médio. Assim, Avila não cursou graduação e foi direto para o doutorado no Impa, sob a orientação do acadêmico Welington de Melo.

Com 19 anos, Avila trabalhava em sua tese de doutorado na teoria de sistemas dinâmicos, concluída em 2001, quando partiu para um pós-doutorado na França. De 2003 a 2008, teve uma posição permanente no Centro Nacional de Pesquisa Científica, em Paris, e em 2008, tornou-se o mais jovem matemático promovido a diretor de pesquisa daquela instituição. Ele ocupa a posição até hoje, dividindo o ano entre a instituição em Paris e o Impa, no Rio de Janeiro.

Os principais trabalhos científicos de Avila estão relacionados à teoria de renormalização, que desempenhou um papel fundamental na física de partículas e deu a Richard Feynman o Nobel de Física de 1965, e em física estatística, área em que Kenneth Wilson foi contemplado com o Nobel de 1982.

Além de Avila, os outros medalhistas de 2014 são o canadense-americano Manjul Bhargava, da Universidade Princeton; o austríaco Martin Hairer, da Universidade de Warwick; e a iraniana Maryam Mirzakhani, da Universidade Stanford.

O Brasil terá outros destaques no Congresso Internacional de Matemáticos. Esta será a primeira vez em que quatro matemáticos do Impa, incluindo Avila, participarão como palestrantes, dentre os cerca de 4,5 mil pesquisadores de centenas de países que apresentarão as novidades produzidas nos últimos anos na área.

Por meio de sua conta pessoal no Twitter, a presidenta Dilma Rousseff parabenizou o pesquisador pelo prêmio. Segundo ela, esse “reconhecimento mundial enche de orgulho a ciência brasileira e todo o Brasil”. “Avila foi escolhido, entre outros motivos, por seu trabalho com a área de sistemas dinâmicos, mais conhecida como a teoria do caos, que busca descrever e prever como evoluem todos os sistemas que mudam com o tempo”, escreveu Dilma.

Da Agência Brasil

Em campanha em Goiás, Dilma defende ferrovias para reduzir custo no país

banner_eleicoes (1)

A presidenta Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, defendeu hoje (12) o transporte ferroviário como forma de reduzir custos de logística e aumentar a competitividade dos produtos nacionais. Ao visitar trecho da Ferrovia Norte-Sul, em Anápolis (GO), Dilma disse que a ferrovia irá funcionar como um “espinha de peixe”, integrando vários modais de transporte em uma região central para o tráfego de mercadorias.

“O transporte sob trilhos tem várias vantagens, uma delas é ambiental, a segunda é o custo. Por isso, fizemos novos modelos de ferrovias para criar competitividade e permitir o transporte por preços mais baratos que o frete rodoviário. Vai ser importante porque vamos conseguir um Custo Brasil menor e, com isso, melhores empregos, maior produtividade e portanto que a infraestrutura seja uma alavanca do crescimento”, disse. A candidata lembrou que a Ferrovia Norte-Sul teve início há 27 anos, quando a primeira licença foi liberada. Segundo ela, foi a partir do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que as obras da ferrovia começaram a avançar.

Dilma também comentou as recomendações que a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) fez à Valec Engenharia para que seja iniciada a fase de testes no trecho entre Porto Nacional e Gurupi, ambos no Tocantins, como a substituição de dormentes de madeira e reposição de peças roubadas. Matéria publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo aponta que a ANTT detectou a necessidade dos reparos.

“Você fica comissionando para ver onde vai dar problemas, porque algum vai dar antes de começar a operação. A ANTT emitiu licença em 25 de julho e nesse dia determinou que a Valec tem de cumprir uma série de medidas para que esteja em condição de fazer os testes finais”, acrescentando que será preciso também restaurar trechos danificados por vandalismo ou que tiveram peças roubadas.

Perguntada por jornalistas sobre a situação das Centrais Elétricas de Goiás (Gelg), que busca ajuda do governo federal para sanear uma dívida, Dilma respondeu que a “solução não tardará”. “Deixaram a Celg, no passado, com um patrimônio líquido negativo. O governo federal está vendo o processo de saneamento dela. Para tanto, não é só tratar do problema, é fazer com que um banco público assuma o processo de financiamento com que garantias, e aí implica em um processo negocial”. A visita à obra faz parte de uma agenda mista de Dilma, que inclui compromissos oficiais e de campanha.

Da Agência Brasil

Saúde é tema mais importante para 52% dos paulistas, mostra pesquisa

sus_vale_esta

Levantamento feito no estado de São Paulo mostra que 52% da população acreditam que a saúde é o tema mais importante entre as políticas públicas de responsabilidade do governo federal. A pesquisa foi feita pelo Instituto Datafolha, encomendada pela Associação Paulista de Medicina e pelo Conselho Federal de Medicina.

Entre os outros temas, 19% dos entrevistados disseram que educação é o assunto que mais preocupa, 11% responderam que o combate à corrupção é o mais importante, 5% citaram segurança, 5% responderam moradia, 5% preocupam-se com o desemprego, 2% citaram o combate à inflação, 1% disse que meio ambiente é o tema mais importante e 0,3% citou o transporte.

A pesquisa pediu aos entrevistados que avaliassem o atendimento em saúde e no Sistema Único de Saúde (SUS). A maioria, 63%, atribuiu notas entre 0 e 4 à saúde de modo geral, em uma escala de 0 a 10. Deu nota 0 o equivalente a 29% dos entrevistados. Um percentual menor, 30%, atribuiu notas de 5 a 7. Apenas 7% deram notas de 8 a 10.

Levando em conta somente o atendimento do SUS, 39% o avaliaram como insatisfatório (notas de 0 a 4). O mesmo percentual, 39%, atribuiu notas de 5 a 7. A parcela de entrevistados que deram notas de 8 a 10 foi 21%.

Sobre a facilidade de acesso ao SUS, a distribuição gratuita de remédios foi considerada um pouco mais fácil que outros serviços. Por outro lado, a consulta com médicos, o atendimento de emergência e as cirurgias foram citados como os serviços mais difíceis de se conseguir. “A dificuldade de acesso ao pronto-socorro é preocupante, o que traz risco de vida. Isso é inaceitável, é um problema de gestão ineficiente”, disse Florisval Meinão, presidente da Associação Paulista de Medicina.

A maioria da população, 55%, disse que a porta de entrada para os serviços do SUS foi o atendimento emergencial. “É preciso que os pacientes procurem e tenham facilidade de acesso aos postos de saúde. Isso não abarrotaria os serviços emergenciais e as pessoas que têm condições realmente graves não teriam dificuldade de serem atendidas”, declarou Florisval.

A espera no SUS para a marcação de consulta, exame, cirurgia ou procedimento é até um mês em 21% dos casos, varia de um a seis meses em 50% dos casos, fica entre seis meses e um ano em 14% e supera um ano em 14% dos casos. “É inaceitável imaginar que uma pessoa doente tenha que aguardar mais de 30 dias. É uma situação que coloca em risco as condições clínicas dos pacientes”. De acordo com Florisval, a Agência Nacional de Saúde estabeleceu prazos máximos de espera, em casos eletivos, de 21 dias. Para os demais casos, ficou estabelecido o prazo de 15 dias.

O levantamento ouviu, durante o mês de junho, 812 moradores do estado de São Paulo com mais de 16 anos. A margem de erro da pesquisa varia em 3 pontos para mais ou para menos.

 

Da Agência Brasil

Haddad viabiliza invasão da Copa do Povo para movimento dos sem-teto

O prefeito Fernando Haddad (PT) sancionou uma lei que viabiliza a utilização da área conhecida como Copa do Povo pelo movimento sem-teto que a invadiu há pouco mais de três meses.

O terreno de 150 mil metros quadrados –equivalente a 15 campos de futebol– foi invadido por mais de mil pessoas ligadas ao MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto) um mês antes da Copa.

Localizado a 3,5 km do estádio do Itaquerão, na zona leste, ele se tornou uma das bandeiras dos sem-teto –que acamparam em frente à Câmara para conquistar a área.

Ocupação do MTST em Itaquera

Zanone Fraissat – 18.jul.2014/Folhapress

copa-do-povo

Vista geral da ocupação Copa do Povo, na região de Itaquera, zona leste de São Paulo

O MTST chegou a obter um compromisso da presidente Dilma Roussef (PT) para viabilizar a transformação dessa invasão em um projeto de habitação social. Por outro lado, viraram alvo de investigação do Ministério Público –que questionava a possibilidade de eles furarem a fila de cadastrados por moradia.

Ao sancionar a lei, Haddad vetou dois artigos que, na prática, poderiam dificultar a utilização pelo MTST.
A lei sancionada pelo prefeito permite que a invasão receba edifícios de até 28 metros de altura –e uma construção equivalente a quatro vezes a área do terreno.

Até então, por ser uma zona industrial, só seria possível construir uma vez a metragem do terreno –algo que impediria a criação de 2.000 moradias planejadas na área.

FILA DA HABITAÇÃO

O projeto sobre a Copa do Povo aprovado na Câmara previa que a criação de moradias no terreno ficava vinculada à “demanda cadastrada” pela Secretaria de Habitação em bairros próximos. Ou seja, a um tipo de fila.

Editoria de Arte/Folhapress

mapa

Se houvesse a construção de casas com benefícios de programas como Minha Casa Minha Vida (federal) ou Casa Paulista (parceria entre Estado e prefeitura), deveria ser aprovado pelo Conselho Municipal de Habitação.

Os dois dispositivos foram vetados por Haddad.

A gestão petista nega, porém, ter como objetivo “alterar as regras para atendimento da demanda por habitação social”.
Afirma não haver “brecha para ‘furar a fila’” sob a justificativa de que os programas de habitação das diversas esferas de governo já têm suas próprias regras que levam isso em conta.

“Os artigos que acabaram vetados eram uma maneira de mostrar que invadir e destruir não são a melhor forma para conquistar habitação”, disse Police Neto (PSD), autor do projeto, segundo quem a proposta aprovada na Câmara havia sido resultado de consenso com a base de Haddad.

“Essa fila [oficial]é mistificada e usada com fins políticos por vereadores”, diz Guilherme Boulos, coordenador do MTST.

VANESSA CORREA
FOLHA DE SÃO PAULO

 

 

Plano Diretor de SP prevê desativar Minhocão, mas não estabelece prazo

Considerado por muitos especialistas como fracasso urbanístico mais simbólico da cidade de São Paulo, o Minhocão deve ser progressivamente desativado, até que seja viável sua demolição ou transformação em um parque.

A diretriz está prevista no Plano Diretor em vigor desde 31 de julho. Aprovado na Câmara e sancionado pelo prefeito Fernando Haddad (PT), ele traça os rumos do crescimento da capital por 16 anos.

O projeto não determina em quanto tempo o elevado de 2,8 km deveria deixar de ser usado pelos carros. Diz, porém, que um projeto de lei específico deve fazer isso.

Atualmente, já existe um projeto tramitando na Câmara desde janeiro, independente do Plano Diretor, que prevê prazos para uma desativação do Minhocão.

Minhocão

Eduardo Anizelli/Folhapress                                                                

427446-400x600-1

Minhocão deve ser progressivamente desativado
Se ele for aprovado pelos vereadores, 90 dias depois da sanção do prefeito o elevado seria fechado aos sábados –hoje ele já é vetado à circulação de carros aos domingos e feriados. E, em quatro anos, seria totalmente desativado.

Um dos vereadores responsáveis pelo projeto, Nabil Bonduki (PT), porém, acha esse prazo “irrealístico”.

Para o vereador José Police Neto (PSD), autor do mesmo projeto, a implantação da linha 6-laranja do Metrô (Brasilândia-São Joaquim) oferecerá uma alternativa para quem usa hoje o Minhocão.

Como sua conclusão está prevista para até 2020, seria possível desativar o elevado em até seis anos, afirma.

PARQUE

Mas há outra discussão além do prazo: demolir a gigante estrutura de concreto ou transformá-la em parque?

Para Bonduki, seria possível até uma solução mista: demolir o trecho que passa sobre a av. São João e manter o que cobre a avenida Amaral Gurgel, ambas no centro.

A urbanista Regina Meyer, da FAU-USP, é a favor da demolição, mas considerando que a população já usa ativamente o elevado para lazer e esportes à noite e aos finais de semana, quando ele é vetado aos carros.

“A demolição precisa de um projeto, ela não é um gesto banal. Será preciso dar em troca algum espaço público para a população que se apropriou dele”, afirma Regina.

Para Renato Cymbalista, também da FAU-USP, é preciso levar em conta o custo ambiental da demolição. “Esse é um elemento a favor de transformá-lo em parque.”

A transformação do elevado Costa e Silva em área de lazer é, no entanto, o sonho de integrantes da associação Parque Minhocão.

“Nós participamos de todas as audiências, todas a oficinas do Plano Diretor, o que mostra a importância das mobilizações para influenciar o desenho da cidade”, diz Wilson Levi, ligado à entidade.
DA FOLHA DE SÃO PAULO

Nuepo realiza workshop com chef Lionel Verstraelen

Da Redação

Aula - de -panificacao-Chefe Lionel 013

O Núcleo de Enfrentamento da Pobreza (Nuepo) promoveu um workshop para alunos do curso de Panificação Artesanal, ministrado pelo chef Lionel Verstraelen.

Conceituado no setor alimentício e com anos de experiência na área, Lionel é chefe de cozinha na Padaria Le Bon Pain, localizada na Granja Viana.

Com objetivo de produzir receitas com baixo custo, Lionel Verstraelen ministrou uma aula sobre a concepção de pães semi-integrais.

A visita do chef atraiu não apenas a atenção dos alunos, mas também contou com a participação de voluntários e funcionários da instituição.

O Núcleo de Enfrentamento da Pobreza está localizado na estrada Velha de Cotia,1.210, Moinho Velho, Cotia.

Para mais informações sobre os cursos oferecidos pela instituição, ligue para 4777-0433.