Árvores estão sendo derrubadas no centro de Cotia para abrigar prédios com 400 apartamentos

Na última quarta-feira (22) quem passava pela Rua Guido Fecchio, atrás da Câmara Municipal, passou a ouvir barulho de uma motosserra e árvores caindo em um terreno todo arborizado, que fica atrás do ponto de ônibus.

Um leitor entrou em contato com o Jornal Cotia Agora e fomos até o local, onde ouvimos o barulho e um guardador de carro confirmou que ela estava sendo usada desde cedo para o corte das árvores. Tentamos localizar a pessoa que estava cortando as árvores, mas o terreno é íngreme e de difícil acesso. Fizemos contato com a Guarda Civil, que disse que aquela área e o corte das árvores estão autorizados pela prefeitura. Consultamos fontes de dentro da prefeitura e a informação foi confirmada. Ali, todas as árvores serão derrubadas para dar lugar a um condomínio de prédios, com aproximadamente 400 apartamentos e está tudo legalizado há pelo menos dois anos.

Ou seja, mais um empreendimento aprovado na administração passada que vem para derrubar árvores e aumentar a população e o trânsito do centro e consequentemente, das vias do entorno e da Raposo Tavares.

Nossa reportagem também apurou que o condomínio terá entrada e saída pela Rua Guido Fecchio, que já tem trânsito intenso 24 horas pelo fato de ser rota de ônibus, caminhões e veículos.

Se o trânsito no centro de Cotia já é ruim, ficará pior quando o novo empreendimento ficar pronto.

CLIQUE AQUI E VEJA O VÍDEO

cotia-condominio-0004

 

Com informações do Cotia Agora

Meio Ambiente de Itapecerica da Serra realiza Projeto Escola Verde

Da Redação

Itapecerica da Serra, por meio da Prefeitura e Secretaria de Planejamento e Meio Ambiente, promoveu atividades do Projeto Escola Verde nos dias 23 e 24 de agosto, no Colégio Mão Amiga. Cerca de 193 crianças, nas idades entre 10 e 15 anos, conheceram mais sobre a reciclagem e a cooperativa do município. A apresentação foi fundamentada na vivência e experiência dos cooperados.

Como a escola demonstrou interesse sobre a maneira correta do descarte dos resíduos, foi realizada a conscientização sobre a importância da reciclagem, mostrando o quanto o hábito de separar e destinar corretamente o lixo é benéfico para o Meio Ambiente e valoriza o trabalho do cooperado. Quanto mais resíduos forem para a Cooperativa, aumenta-se o número de trabalhadores.

Houve também uma explicação sobre a compostagem e sua importância, tanto para natureza, quanto os benefícios para todos.

Projeto Escola Verde - 1 Projeto Escola Verde - 2

Osasco acaba de concluir a quarta etapa do projeto AMA

Da Redação

osasco

Osasco, por meio da Secretaria de Meio Ambiente de acaba de concluir a quarta etapa do projeto Agita Meio Ambiente (AMA) por meio de uma parceria com a Escola Estadual José Geraldo Vieira. O projeto contemplou alunos do ensino médio e teve como tema central “Superando limites e plantando a vida”. Foram realizadas ações como visitas técnicas e aulas práticas de horticultura e jardinagem no Parque Chico Mendes, workshop “Descarte adequado dos resíduos tecnológicos de acordo com a PNRS” etc.

Ao todo, participaram 40 alunos. Todas as ações foram realizadas no período de 28 de abril à 18 de junho de 2016.O projeto AMA busca conscientizar estudantes sobre a importância da preservação ambiental, dentro e fora do ambiente escolar.

Para melhor compreensão sobre resíduos sólidos, os alunos participaram de uma demonstração do trabalho do Centro de Recuperação, Reciclagem e Recondicionamento de Computadores de Osasco (C3RCO).

Também houve a palestra sobre o Programa Biodiesel e a escola se tornou um novo ponto de coleta do óleo de cozinha usado. As palestras foram ministradas em 15 salas com 45 alunos cada.

Um grande piquenique no parque do Jardim das Flores marcou o encerramento das atividades. Houve apresentação do grupo de dança Lendas da Dança, formado pelos estudantes. “O mais importante é que no final deu para perceber que boa parte deles compreenderam a importância do projeto e, as boas práticas ambientais para a sociedade e para a natureza”, disse Paulla Abreu, coordenadora do projeto.

Uma horta orgânica também foi feita na escola, com a finalidade de melhorar o aspecto do local e transformá-lo, além de um belo jardim, em um espaço de estudo sobre cultivo orgânico para utilização dos alunos e professores.

Música e a dança foram inseridas nas atividades de educação ambiental do projeto para despertar o interesse do público jovem em pensar sobre temas como água, biodiversidade e preservação.

“A educação ambiental feita em escolas, é uma excelente ferramenta, que impulsiona os alunos a construírem uma visão de sociedade ambientalmente correta”, concluiu Paulla Abreu.

 

Rosi Cheque
Agência SECOM de Notícias

 

Projeto quer garantir circulação de animais nas estradas e evitar atropelamentos

O Projeto de Lei 466/2015 quer garantir a segurança de pessoas e animais silvestres com a adoção de medidas que asseguram a livre circulação dessas espécies no território nacional, com a redução de acidentes em rodovias e ferrovias brasileiras. A proposta tramita em regime de urgência na Câmara dos Deputados e aguarda votação no plenário desde o dia 22 de março.

Segundo levantamento do Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas (CBEE) da Universidade Federal de Lavras, 475 milhões de animais selvagens são atropelados no Brasil a cada ano. Segundo o coordenador do centro, o professor e pesquisador Alex Bager , 90% deles são pequenos vertebrados, como sapos, cobras e aves.

“Eles representam mais de 400 milhões e são igualmente importantes, então também merecem ser mais bem estudados. O fato de nós não perceberemos [esses pequenos animais]não implica que isso também não tenha uma tremenda importância para a conservação da biodiversidade no Brasil”, disse. Os vertebrados de grande porte, como antas, capivaras, lobos-guarás e onças, somam 5 milhões de animais atropelados.

onccc-onca-pintada
Os vertebrados de grande porte, como onças, lobos-guarás e capivaras, somam 5 milhões de animais atropelados em estradasICMBIO/Divulgação

Para o pesquisador, a aprovação do projeto de lei seria uma das maiores contribuições para a conservação da biodiversidade do Brasil. “É uma legislação que estaria atuando em todo território nacional e que geraria algumas obrigações que, se bem monitoradas e implementadas, vão favorecer tanto a proteção da biodiversidade quanto a proteção das pessoas. Imagina esses 5 milhões de animais de grande porte que são atropelados todos os anos? Eles geram um custo tanto de perda material quanto de perda de vida que ainda não está quantificado no Brasil.”

Segundo Bager, em outros países, são gastos bilhões de dólares todos os anos com acidentes envolvendo animais selvagens. “Então estamos discutindo um aspecto que tem importância ambiental, social e econômico. É fundamental que esse projeto seja aprovado”, disse.

Livre circulação

Entre as medidas previstas no projeto de lei estão a instalação de redutores de velocidade e refletores e a adoção de medidas de mitigação, como construção de passagens de fauna aéreas ou subterrâneas, pontes e cercas.

Segundo o coordenador do CBEE, 19 planos de ação para conservação da fauna desenvolvidos pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), que contemplam em torno de 35 espécies ameaçadas no Brasil, afirmam a necessidade de trabalhos e estudos para reduzir a mortalidade por atropelamento. “Isso em virtude de já se entender que essas espécies são impactadas sim pela presença de rodovias e ferrovias.”

De acordo com Bager, os felinos de modo geral são fatalmente impactados. “Eles caminham muito e precisam de uma grande área para conseguir a comida de que eles necessitam para viver. Como existem muitas rodovias e ferrovias, isso obriga que eles fiquem cruzando as pistas. Assim como os felinos, animais que caminham muito como lobo-guará e anta estão altamente sujeitos a atropelamento”, disse.

Outros impactos

Os atropelamentos são o impacto mais visível nas rodovias, mas, segundo o pesquisador, existem os chamados efeitos marginais que podem chegar a vários quilômetros do eixo da rodovia. “Por exemplo, o som. O som do motor, o som da buzina, o som do carro simplesmente passando pela pista gera interferência na capacidade de animais que tem uma necessidade auditiva para localizar parceiros, comida, para se identificar na região que está”, explicou.

Segundo Bager, entre os 475 milhões de animais mortos, estão os afetados por esses efeitos. “Aquela espécie que chega na borda da mata, olha para a rodovia e não tem coragem de atravessar. Ela não é atropelada, mas imagina se a comida dela se encontra do outro lado da pista? Ela não consegue chegar lá. Existem muitas espécies que têm esse receio de cruzar a pista, ela é igualmente impactada, talvez de uma forma mais lenta, ela não morre imediatamente, mas acaba sendo impactada a longo prazo”, ressaltou.

Trechos críticos

Entre os trechos de rodovias mais críticos para os animais, o coordenador do CBEE destaca quatro:

BR-471, no Rio Grande do Sul, no ponto que cruza a Estação Ecológica do Taim: “A mortalidade de animais lá é assustadora e faz décadas que isso acontece. Temos uma área de banhado no entorno, de grandes plantações de arroz e a mortalidade de animais lá é impressionante.”

BR-101, no norte do Espírito Santo, no trecho que cruza a Reserva Biológica de Sooretama: “Ela cruza no Brasil inteiro uma infinidade de áreas extremamente importantes na região costeira, uma delas é essa no Espírito Santo.”

BR-262, em Mato Grosso do Sul, no trecho que divide o Cerrado e o Pantanal: “Todo o trecho dela que começa em Três Lagoas (MS) é uma carnificina. Lá já foram implantados alguns redutores de velocidade, algumas medidas, mas ainda é extremamente importante que se faça alguma coisa. A região é um importante polo turístico, de Campo Grande para Bonito, e aquelas cenas de animais mortos na beirada da pista são um ponto extremamente negativo.”

BR-163, no trecho que cruza Mato Grosso e Mato Grosso do Sul: “A rodovia foi repassada para concessionárias há aproximadamente um ano e, nos próximos quatro anos, ela tem que se duplicada, depois disso vai ser um problema muito grande que merece um estudo bem detalhado. Este é um momento extremamente oportuno de implantar essas medidas de mitigação, porque os custos vão ser muito menores. Isto que as concessionárias e o governo precisam perceber, que se as medidas são implantadas antes, durante o planejamento, ele se torna muito mais barato.”

Sistema Urubu

O CBEE desenvolveu o Sistema Urubu, lançado em 2014 e que já conta com mais de 17 mil parceiros responsáveis por registrar e enviar informações sobre atropelamentos de animais silvestres em todo o país. As fotos e coordenadas recolhidas por meio de um aplicativo para celular são validadas por especialistas e direcionadas a um banco de dados.

O aplicativo está disponível para os sistemas Android e iOS.

 
Da Agência Brasil

Cetesb lança método de pesquisa sobre enquadramento dos corpos de água

Os mapas digitais foram desenvolvidos durante os últimos oito meses e visa facilitar a consulta

O enquadramento dos corpos de água em classes é considerado por especialistas como um dos mais importantes instrumentos de planejamento e gestão ambiental e de recursos hídricos.

Pensando nos profissionais que trabalham com licenciamento ambiental, gestores de recursos hídricos, técnicos e especialistas dos Comitês de Bacias, concessionárias de saneamento básico, representantes de universidades e outros interessados em geral, a Cetesb (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental), acaba de criar um produto digital inovador, através de mapas, que tem por objetivo facilitar e agilizar a busca de informações sobre o enquadramento dos corpos de água doce de todo o Estado de São Paulo em classes, segundo a qualidade requerida para os seus usos preponderantes.

O novo produto, ao qual se dedicaram funcionários do Setor de Programas e Projetos de Qualidade Ambiental (EQPP), da Diretoria de Engenharia e Qualidade Ambiental da Cetesb, em parceria com a Coordenadoria de Planejamento Ambiental (CPLA) da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (SMA) e a Coordenadoria de Recursos Hídricos da Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos, foi desenvolvido durante os últimos oito meses.

Na criação deste método, os especialistas aplicaram sobre uma base digital de informações geográficas os dados de enquadramento dos corpos hídricos, segundo os regramentos estabelecidos no Decreto Estadual nº 10.755/77 e suas alterações. Esse material apresenta informações dos corpos de água do Estado de São Paulo numa escala de 1:50.000, com suas respectivas classes de qualidade e uso preponderante, realizada a partir da consolidação de várias fontes de informações que foram consistidas e verificadas pela Cetesb. São cerca de 560 mil trechos de rios suas nascentes e afluentes (correspondentes a aproximadamente 300 mil quilômetros), que podem ser facilmente identificados, através de diferentes formas de representação, inclusive por meio de cores vinculadas à sua classe (classe 1, 2, 3 ou 4).

Devido à distância temporal entre a publicação do Decreto n° 10.755/77 e os dias atuais, diversas referências, principalmente de localização, sofreram alterações ao longo dos anos. Em razão disso, foi necessário, em inúmeros casos, um trabalho de pesquisa minucioso para se descobrir alguns desses marcos, como por exemplo, limites de municípios que sofreram alterações com emancipações de seus distritos.

Por outro lado, o material foi estruturado de maneira flexível o suficiente para registrar e acompanhar possíveis e eventuais mudanças futuras que ocorrerem, em termos de enquadramento dos rios.

A importância do enquadramento por classes
O objetivo de enquadrar os corpos de água em classes é estabelecer condição de qualidade da água a ser obrigatoriamente alcançada ou mantida, ao longo do tempo, de maneira a atender a todos os usos atuais ou pretendidos. As classes previstas na legislação são “1″, “2″, “3″ e “4″, sendo esta última a destinada aos usos menos nobres, podendo até receber o lançamento de esgotos domésticos (após tratamento). Entre os usos previstos na legislação, estão desde a proteção das comunidades aquáticas e recreação de contato primário, passando por aquicultura e abastecimento para consumo humano, irrigação, dessedentação de animais, até a navegação e harmonia paisagística.
Para obter informações mais detalhadas a respeito dessa base de dados, o Setor de Programas e Projetos de Qualidade Ambiental da Cetesb colocou à disposição o e-mail da área: eqpp_cetesb@sp.gov.br.

 
Com informações do Portal do Governo do Estado de SP

Meio Ambiente e Gente Contente contemplou o bairro da Capelinha – Cotia

Da Redação: Com atividades e oficinas para incentivar a consciência ambiental

No último sábado (30/4), o projeto “Meio Ambiente e Gente Contente – Ação Integrada” levou diversas atividades à Escola Municipal José Manoel de Oliveira, no bairro da Capelinha, distrito de Caucaia do Alto.

Por meio de atividades lúdicas, as oficinas despertam e incentivam a consciência ambiental, a fim de preservar e cuidar do meio ambiente. A cada edição, os organizadores notam que os moradores respondem positivamente ao evento por meio da participação e interesse por mais informações.

A iniciativa da Secretaria de Meio Ambiente e Agropecuária, que integra as secretarias municipais de Cultura, Turismo, Desenvolvimento Social, Educação, Trabalho e Esportes, levou várias atividades à Capelinha.

Com as campanhas de combate e prevenção à Dengue, Zika e Chikungunya, a equipe da Vigilância Epidemiológica da Saúde acompanha o evento e orienta as crianças sobre como evitar a proliferação do mosquito transmissor Aedes Aegypti com o jogo interativo no formato de um tapete ilustrado.

A gincana esportiva conduzida pelos colaboradores do esporte integrou os participantes com música, movimento e espírito de equipe.

A cada estande uma nova experiência. Adultos e crianças puderam aprender e/ou apurar técnicas de como reutilizar produtos e criar novas peças com muita criatividade e consciência ambiental. Entre uma atividade e outra foi servido mini cachorro quente que agradou em cheio o paladar das crianças.

Elenice Pires é vice-diretora da E.M. Godinho da Silva, no bairro da Água Espraiada, e fez questão de prestigiar o evento com a filha Laura Moraes do Carmo. “A equipe responsável pela organização está de parabéns. Pude acompanhar de perto e gostei muito a didática e as variadas oficinas onde as crianças participam e demonstram muita interatividade. Notei o quanto minha filha Laura gostou e compreendeu a importância de respeitar e integrar-se com o meio ambiente. Agora, estou na expectativa para receber o projeto na escola em que trabalho com os alunos do bairro da Água Espraiada”.

Os moradores também aprovaram. “A inciativa é muito positiva. Se as mudas forem cultivadas e as orientações de conscientização ambiental se multiplicarem, podemos ter um futuro melhor pela frente. Cabe a cada um de nós fazer a sua parte, o primeiro passo já foi dado”, declarou Nelson Souza.

Para que eventos como o Meio Ambiente e Gente Contente tenham êxito, a secretaria conta com o apoio dos colaboradores da escolas municipais que previamente apresentam a programação aos alunos e os convidam e estimulam a participar. Todos os colaboradores da E.M José Manoel de Oliveira contribuíram efetivamente para o sucesso do evento.

A Secretária de Meio Ambiente e Agropecuária, Luciane Alegre, prestigiou o evento, conversou com os moradores sobre as atividades e visitou os estandes.

Saiba mais

Doação de Mudas – Foram distribuídas 200 mudas de árvores do Viveiro Municipal Curupira.  Os participantes escolheram livremente as plantas e receberam informações sobre as espécies disponíveis e as mais adequadas para o plantio, de acordo com as especificações da propriedade os interessados.

Estande de Livros –  Com a participação da Secretaria de Cultura, os munícipes puderam apreciar a bancada de livros com uma variedade grande de títulos que atraíram o público infantil e adulto.

Exposição da História de Cotia – Uma exposição com fotos e dados históricos que conduzem as pessoas a uma viagem pelas particularidades e características do município.

Oficina de Flores – A partir de itens geralmente descartados de forma irregular e que comprometem o meio ambiente, é possível reutilizar com habilidade e criar inúmeras flores nas mais variadas cores e formatos.

Oficina de Vasos Ecológicos – Com garrafas pet e fitas adesivas coloridas os potes são confeccionados manualmente com a participação dos alunos e utilizados para o plantio de mudas de hortaliças.

Plantio de Hortaliças – As hortaliças são muito importantes na alimentação das crianças. Estimular a plantar uma muda e ser responsável pelo cultivo é uma forma de apresentar opções saudáveis e saborosos para enriquecer o cardápio.

Oficina de latinhas sustentáveis – Seguindo o conceito da sustentabilidade e do reuso de produtos descartáveis, a oficina oferece aos participantes a possibilidade de criar uma latinha personalizada, com diversas finalidades. Cola, tesoura, novelo de lã e um toque de personalidade são os itens utilizados para transformar o que seria descartado num novo adereço.

capelinha meio ambiente e gente contente integrada  (18) capelinha-cotia (1) capelinha-cotia (2) capelinha-cotia (3)

Guarda Ambiental de Cotia embarga aterro ilegal no bairro do Gramado

Da Redação

Na tarde desta sexta-feira, a Guarda Municipal Ambiental embargou e apreendeu maquinário de terraplanagem em um terreno no Gramado, próximo ao Rodoanel Mario Covas, em Cotia, que funcionava como aterro ilegal. A equipe de patrulha chegou ao local por meio de denúncias de moradores das redondezas, que estranharam a movimentação de caminhões com entulho e lixo.

De acordo com a Secretaria de Meio Ambiente, o terreno era usado como aterro ilegal já há algum tempo e o proprietário já havia assinado um TAC, Termo de Ajuste de Conduta, com a Prefeitura para remoção dos materiais, o que não foi cumprido. O espaço também não possuía licença para nenhuma das atividades praticadas no local.

Além do embargo e da apreensão, a Guarda Municipal Ambiental encaminhou as pessoas que estavam no terreno à Delegacia.

Denuncie

Recentemente, a Guarda Municipal Ambiental coibiu a ação de diversos aterros ilegais na cidade. Isso porque os moradores têm denunciado cada vez mais essa atividade, que tanto danifica o meio ambiente. Desta forma, é muito importante que a população se manifeste diante a qualquer prática que pareça suspeita ou irregular. O telefone para denúncias é 4703-5894.

ATERRO_GRAMADO_0001 ATERRO_GRAMADO_0013

Cotia: Meio Ambiente e Gente Contente na Capelinha neste final de semana

Da Redação

Mais uma edição da ação itinerante Meio Ambiente e Gente Contente vem aí. Desta vez, os moradores da Capelinha, em Caucaia do Alto, receberão as atividades voltadas à reciclagem, sustentabilidade e educação ambiental promovidas pelas secretarias municipais. O evento acontecerá no sábado, das 12h as 16h, na E.M. José Manoel de Oliveira.

Saiba mais sobre “Meio Ambiente e Gente Contente”

Em vigor desde 2015, o projeto itinerante já reuniu mais de 2,5 mil pessoas e passou pelos bairros Caucaia do Alto, Caputera, Jardim do Engenho, Parque São George, Jardim Japão e Centro. A cada edição, os participantes têm à disposição doação de mudas de plantas nativas, doação de livros, confecção de vasos com garrafas pet, gincana esportiva e informações sobre o combate à dengue.

Para que eventos como o Meio Ambiente e Gente Contente tenham êxito, a secretaria conta sempre com o apoio dos colaboradores da escolas municipais que previamente apresentam a programação aos alunos e os convidam e estimulam a participar.

 Meio Ambiente e Gente Contente na Capelinha

Data: 30 de abril

Horário: 12h as 16

Local: E. M. José Manoel de Oliveira, Estrada da Capelinha, s/n, Caucaia do Alto

muda

Polícia Ambiental detém baloeiros na Capital

Ameaças de incêndios, balões podem causar grandes estragos; denúncias podem ser feitas pelo 190

Foto: Secretaria do Meio Ambiente / Divulgação SMA

baloeiros

Polícia Militar Ambiental interceptou no domingo (10) um grupo de pessoas com balões

A Polícia Militar Ambiental interceptou no domingo (10) um grupo de pessoas com balões na Capital. Três homens foram detidos e um balão de oito metros foi apreendido. Os envolvidos receberam multa de R$ 5 mil cada e vão responder em liberdade (leia mais).

Em épocas de seca, com a proximidade do inverno e com a chegada das festas juninas, os balões se tornam ameaças de incêndios. Eles podem causar grandes estragos, principalmente em matas, florestas e nas indústrias que manipulam material inflamável.

Vale lembrar que soltar balões é crime ambiental, conforme o artigo 42 da Lei de Crimes Ambientais, que deixa claro que “fabricar, vender, transportar ou soltar balões que possam provocar incêndios nas florestas e demais formas de vegetação, em áreas urbanas ou qualquer tipo de assentamento humano”, é crime. A pena prevista é a detenção de um ano a três anos, multa ou ambas cumulativamente.

Temporada de seca: denuncie queimadas ilegais, balões ou relate focos de incêndio
Denúncias podem ser feitas pelo 190 e também pelo disque-ambiente, no 0800-11-3560.
Com informações do Portal do Governo do Estado de SP

Programa Nascentes atinge marca de um milhão de mudas plantadas

Presença de cobertura vegetal em bacias hidrográficas traz a regularização dos rios; objetivo é restaurar 20 mil hectares de matas ciliares

Foto: Secretaria do Meio Ambiente / Divulgação SMAmei-d70933

Programa Nascentes alcançou a marca de um milhão de mudas plantadas

 

A presença de cobertura vegetal em bacias hidrográficas traz a regularização dos rios e a melhora na qualidade da água. Desta preocupação surgiu o Programa Nascentes, desenvolvido pelo Governo do Estado de São Paulo, que tem por objetivo restaurar 20 mil hectares de matas ciliares.

E esta semana foi alcançada a marca de um milhão de mudas plantadas e a área em processo de restauração já soma mais de 630 hectares.

“Nosso primeiro milhão de mudas reflete o esforço não apenas do Sistema Ambiental Paulista, mas de todo o estado, e nos inspira a seguir em frente, rumo a números tão superlativos quanto o Programa Nascentes”, disse a coordenadora do projeto, Caroline Jorge Santos.

Coordenado pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente, o principal foco do Nascentes é reunir e otimizar a interação entre empresas, restauradores e proprietários. O programa oferece, além de uma série de ferramentas para restauração, um cenário que apresenta diversas vantagens.

As empresas encontram facilidades para cumprir seus TCRAs, os restauradores têm a oportunidade de concretizarem e divulgarem seus projetos e os proprietários, ao se inscreverem no CAR, podem demonstrar o interesse em ter suas áreas recuperadas por terceiros, integrando assim um Banco de Áreas disponíveis para restauração.

“O Nascentes é uma prioridade dentro da pasta. Ficamos contentes com o número atingido e estamos trabalhando para atingir nossas metas. Todo hectare restaurado é um ganho e cada muda plantada é um investimento num futuro mais sustentavél”, destacou a secretária do Meio Ambiente, Patrícia Iglecias.

Mais informações podem ser encontradas no site da Secretaria do Meio Ambiente.
Com informações do  Portal do Governo do Estado do SP