IBGE: PIB cai 0,8 % no terceiro trimestre e tem a sétima queda seguida

pib-agricultura_campo

A agricultura foi o setor que teve maior retração no trimestreArquivo/Agência Brasil

O Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, fechou o terceiro trimestre do ano com queda de 0,8% em relação ao trimestre anterior. Com isso, o país registra o sétimo trimestre seguido de retração da economia. Já no resultado acumulado do ano até setembro, o PIB apresentou recuo de 4% em relação a igual período de 2015, maior queda para este período desde o início da série em 1996.

Em valores correntes, o PIB alcançou R$ 1,580 trilhão. Os dados das Contas Nacionais Trimestrais foram divulgados hoje (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na análise dos subsetores da economia, a agricultura teve retração de 1,4% no período, a indústria caiu 1,3% e o setor de serviços registrou queda de 0,6%.

Os dados do IBGE mostram ainda que o consumo das famílias caiu 0,6% e o do governo, 0,3%. Já a Formação Bruta de Capital Fixo, que são os investimentos, recuou 3,1%.

No setor externo, as exportações de bens e serviços caíram 2,8% e as importações recuaram 3,1%.

*Atualizada às 10h16 para acréscimo de informação

 
Da Agência Brasil

Hoje no Timão, Vilson chora perda de amigos e promete: ‘Jogarei por eles’

Zagueiro defendeu a Chapecoense no ano passado e se correspondia frequentemente com jogadores que morreram em acidente na Colômbia. Emocionado, corintiano faz desabafo

Titular do Corinthians na reta final do Campeonato Brasileiro, o zagueiro Vilson havia se comprometido há alguns dias com a assessoria de imprensa do clube que concederia uma entrevista coletiva nesta semana. A ideia era falar da rara sequência como titular, da preparação para a partida contra o Cruzeiro e da luta por uma vaga na Copa Libertadores de 2017. O papo com a imprensa ocorreu nesta quarta-feira, mas esses assuntos passaram longe. O atual camisa 16 do Timão defendeu a Chapecoense no ano passado e perdeu muitos amigos no acidente que vitimou 71 pessoas na Colômbia. Apesar da dor, ele preferiu manter a decisão de ir à sala de imprensa do CT Joaquim Grava e chorou.

- Cara, difícil até falar. Ontem e hoje o pensamento é só neles, nos familiares. Por ser uma cidade pequena a gente estava sempre unido, o presidente Sandro Pallaoro fazia confraternizações, queria grupo e família unidos. É uma dor muito grande, sonhos interrompidos de um grupo muito alegre e feliz. Era o que eu via ano passado, a alegria de vencer continuou forte esse ano e eles mostraram nos jogos, na Sul-americana. Formei irmãos ali, porque era uma luta pelos mesmos ideais. A gente fica muito triste pelo acontecido – diz o zagueiro.

Vilson atuou pela Chapecoense em 2015, se reapresentou para o início da atual temporada, mas logo foi contratado pelo Corinthians, clube pelo qual realizou 20 partidas até o momento. Ele se correspondia frequentemente com jogadores como Gil, Ananias e Bruno Rangel, que morreram na tragédia, e tem forte amizade com Neto, que está vivo. E por quem Vilson torce e reza pela recuperação.

- Nessas horas é que paramos para repensar nossa vida. A primeira coisa que fiz foi dar um abraço no meu filho. Depois que a gente é pai pensa duas vezes nas coisas que fazemos. Por isso abracei meu filho, minha esposa, minha mãe, e temos que dar valor às pessoas próximas. Estamos em oração pelo Neto, esperamos que ele saia dessa bem, com saúde, vivo. Temos um grupo no Whatsapp e nos falamos domingo, estávamos rindo, brincando, e hoje muitos deles não estão mais aqui. Temos que dar valor a quem está do nosso lado. Sei que vocês perderam companheiros de imprensa, então é para todos – desabafou.

Vilson apareceu na sala de imprensa do CT Joaquim Grava com uma camisa da Chapecoense e se emocionou olhando para o uniforme logo no início da entrevista coletiva. Após o fim da curta entrevista, exibiu a camisa aos fotógrafos e desabou, emocionado. Da lembrança dos ex-companheiros é que ele tentará tirar força para se recuperar.

- Foi uma tragédia muito grande, sabemos da dor. Mas temos que pegar isso como força. Há mais de 30 milhões de torcedores querendo uma vaga na Libertadores aqui no Corinthians. Hoje estou aqui pelos meus companheiros da Chapecoense, eles me ajudaram e me projetaram a vir para o Corinthians. Então tenho que jogar por eles, pegar essa alegria que eles tinham de exemplo e colocar em campo – disse.

CONFIRA OUTRAS DECLARAÇÕES DO ZAGUEIRO DO CORINTHIANS:

COMO SOUBE DO ACIDENTE?

“Foi um baque para todos. Eu estava dormindo e umas 6h o celular começou a apitar, muitos amigos fora do futebol mandando mensagem, minha mãe também. Eu vim para o treino no automático, não sabia o que fazer, para quem ligar. Meu irmão estava em casa e veio comigo para o treino. Ai cheguei aqui e vi o Lucca muito triste, que é amigo do Cléber Santana. Tudo muito triste, ninguém tinha cabeça para treinar, sem condições. O Oswaldo nos reuniu, passou conforto e nos decidiu para ir embora”.

MEDIDAS SOLIDÁRIAS À CHAPECOENSE

“Estamos vendo a movimentação dos clubes, mas entre nós jogadores ainda não conversamos. Vamos esperar e ver as decisões a serem tomadas em prol da Chapecoense”.
MEDO DE AVIÃO

“Eu nunca tive pânico, mas sempre tive medo de avião, na hora de pousar e decolar. Sem dúvida é uma coisa muito próxima da gente. Ficamos apreensivos e com certeza depois disso não tem como não pensar nos meus companheiros”.

corr-583edaabc8f51

Vilson se emocionou durante entrevista coletiva Foto: LANCE!Press / LANCE!

Gabriel Carneiro

LANCE!

Câmara aprova texto-base de projeto com medidas de combate à corrupção

A Câmara dos Deputados aprovou por 450 votos a favor, um contra e três abstenções na madrugada de hoje (30) o texto-base do Projeto de Lei (PL) 4.850/16, que trata das medidas de combate a corrupção. No total, foram apresentadas 12 emendas ao projetos, que foram rejeitadas pelo relator, deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), e 16 destaques a pontos do texto. Todas os destaques foram aprovados pelos deputados e a matéria segue agora ao Senado.

cmee-a1056437-ebc_29.11.2016-1305

Plenário da Câmara aprovou o texto base do projeto de lei que cria medidas contra a corrupção Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O deputado Zé Geraldo (PT-PA) foi o único a se posicionar contra o projeto. O texto prevê, entre outros pontos, a transformação de corrupção que envolve valores superiores a 10 mil salários mínimos em crime hediondo e a criminalização do enriquecimento ilícito de funcionários públicos.

A votação do projeto ocorreu em meio a um dia tumultuado em Brasília. Na tarde dessa terça-feira, uma manifestação contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55/16 que limita o teto de gastos da União por 20 anos foi dispersada pela Polícia Militar (PM) com bombas de gás de efeito moral, lacrimogêneo e spray de pimenta, houve confronto entre a PM e manifestantes e vandalismo e depredação de bens públicos e privados.

Entre os principais pontos do projeto está o que criminaliza a prática de utilização de recursos não contabilizados formalmente, o chamado caixa dois. Pela proposta, o candidato, o administrador financeiro que incorrer na prática poderá sofrer uma pena de dois a cinco anos de prisão, e multa. As penas serão aumentadas de um terço se os recursos forem provenientes de fontes vedadas pela legislação eleitoral ou partidária.

A possível anistia ao caixa dois foi um dos temas que mais gerou polêmicas no projeto. Mais cedo, chegou a circular um rumor de que seria apresentada uma emenda ao projeto para promover a anistia.

Crime de responsabilidade a juízes e a promotores

Outro tema que também gerou divergências é o que previa a inclusão no texto da previsão de crime de responsabilidade a juízes e a promotores, o que hoje não é previsto. O PDT chegou a apresentar uma emenda ao projeto com esse conteúdo, mas o texto precisa ser votado. A proposta chegou a constar no relatório de Lorenzoni, mas foi retirada após o deputado se reunir com integrantes da força-tarefa da Operação Lava Jato.

cameee-1056434-ebc_29.11.2016-1272

\Apenas um deputado votou contra o texto do relator Onyx Lorenzoni Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Durante a apresentação do relatório no plenário, Lorenzoni excluiu a emenda com o argumento de que, apesar de haver a previsão constitucional para crimes de responsabilidade, o texto não cabia no mérito do projeto. Diante do rumor, integrantes da força-tarefa da Lava Jato soltaram uma nota em que manifestaram repúdio contra a previsão de crime de responsabilidade para juízes e promotores.

Na nota, os integrantes da Lava Jato classificaram a proposta como uma tentativa de “aterrorizar procuradores, promotores e juízes em seu legítimo exercício da atividade de investigação, processamento e julgamento de crimes, especialmente daqueles praticados nas mais altas esferas de poder.”

Segundo a nota, a afirmação de que essas classes são uma “casta privilegiada” ou “intocável” são “falsas e objetivam manipular a opinião pública”. “A pretensão de sujeitar membros do Ministério Público e do Poder Judiciário a crimes de responsabilidade é totalmente descabida. Nem mesmo os próprios deputados e senadores estão sujeitos a esses crimes. Além disso, a proposta tornada pública atenta contra a independência do exercício da atividade ministerial e judicial”, diz o texto.

Proposta aprovada

Apesar da manifestação, a aprovação da emenda foi defendida por vários deputados, com o argumento de que juízes e membros do Ministério Público se comportam como agentes políticos. Ao final da votação, a proposta, primeiro destaque a ser votado, foi aprovada por 313 votos a favor, 132 contra e cinco abstenções. “A primeira medida deste pacote deveria ser o fim dos privilégios e abusos de poder da categoria deles. Não pode haver castas”, disse o líder do PDT, Weverton Rocha (MA).

Já o deputado Nelson Marchezan Junior (PSDB-RS) argumentou que a emenda colocaria juízes e promotores em “pé de igualdade” com os demais cidadãos. “Temos a oportunidade de tornar juízes e promotores brasileiros como os outros. Porque hoje, se alguém faz uma nota contra juízes e promotores, é processado, mas quando eles recebem mais de R$ 100 mil, nada acontece”, disse.

cammm-1056430-ebc_29.11.2016-1255

Primeiro destaque a ser votado prevê crime de responsabilidade a juízes e a promotores no texto do projeto Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Pelo texto aprovado, juízes poderão responder por crime de responsabilidade, nos seguintes casos: alterar decisão ou voto já proferido (exceto se por recurso); julgar quando estiver impedido ou suspeito; exercer atividade político-partidária; proceder de modo incompatível com a honra dignidade e decoro de suas funções; exercer outra função ou atividade empresarial; receber custas ou participação em processo; manifestar, por qualquer meio de comunicação, opinião sobre processo pendente de julgamento.

Já os promotores podem crimes de responsabilidade nos casos de emitir parecer quando estiver impedido ou suspeito; se recursar a agir; proceder de modo incompatível com a dignidade e o decoro do cargo; receber honorários, percentagens ou custas processuais; exercer a advocacia; participar de sociedade empresarial; exercer qualquer outra função pública, com exceção do magistério e exercer atividade político-partidária.

Lorenzoni defendeu a rejeição da emenda. Segundo o deputado, a aprovação seria vista como uma espécie de ‘cala a boca’ a promotores e juízes. “Aqui está uma emenda que, se for aprovada, será conhecida no Brasil como uma emenda anti-investigação, uma emenda do mal. Vamos aguardar para discutir isso em outro projeto”, defendeu.

O deputado Glauber Braga (PSOL-RJ) também foi contra a emenda por considerar que algumas tipificações são genéricas. “Defendemos que tem que haver limites claros ao abuso de poder, de todos os poderes, mas não achamos que essa emenda seja a solução para resolver os problemas ques estão sendo colocados pelos deputados. Não parecer ser a melhor saída”, disse. “O magistrado progressista que tenha uma visão crítica de operações que utilizam a prisão preventiva por regra, por exemplo, vai estar sendo criminoso se ele manifestar sua opinião sobre o tema?”, questionou Braga. “Na nossa opinião, não”.

Mais destaques

O plenário da Câmara dos Deputados também aprovou, por 326 a 14, destaque do PSB e retirou do projeto de lei de medidas contra a corrupção a possibilidade de os órgãos públicos fazerem teste de integridade com servidores públicos.

A aprovação da emenda que cria a previsão de crime de responsabilidade para juízes e promotores abriu espaço para que os deputados promovessem diversas alterações no projeto aprovado, por unanimidade, na comissão especial que analisava as dez medidas. Com isso, na sequência, o plenário aprovou um destaque do PSB que suprimiu toda a parte do projeto relativa ao Programa de Proteção e Incentivo a Relatos de Informações de Interesse Público, o chamado reportante do bem. Pela proposta, qualquer cidadão que relatar atos ilícitos perante a administração contaria com proteção contra atentados a sua integridade física, além da possibilidade de receber um percentual de recursos que viessem a ser recuperados pelo Estado.

A medida foi apelidada por deputados contrário de “incentivo a dedo duro”. “Essa matéria não veio das dez medidas. Essa medida veio do relator e nós temos que retirar do texto isso do ‘dedo duro’, com isso nós estaremos mantendo a iniciativa das dez medidas, em vez de oferecer incentivo financeiro para os reportantes fazer as delações”, disse o líder do DEM, partido de Lorenzoni, Pauderney Avelino (AM).

came-1055353-23112016-pzzb9124

O parecer do deputado Onyx Lorenzoni sofreu várias derrotas na votação dos destaquesFabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
O líder do PPS, Rubens Bueno (PR) criticou o que chamou de esfacelamento do projeto. “Se retiram mais de 30 itens do relatório aprovado por unanimidade na comissão especial. É muito estranho”, disse.

Por 317 a 97, também foi retirado do texto a parte que trata da extinção de domínio de bens e propriedades do réu quando provenientes de atividade ilícita ou usados para tal. Esse trecho do texto original facilitaria o confisco de bens provenientes de corrupção. A exclusão foi criticada pelo deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA). “O relatório e essa medida foi aprovada por unanimidade por membros de vários partidos que tinham integrantes na comissão. O que estamos vendo agora é uma insurreição contra as matéria que foram subscritas pelos integrantes da comissão”, disse.

Outro destaque aprovado, este de autoria do PT, retirou do projeto uma regra que condicionava a conversão de pena restritiva de direitos com a reparação do dano causado ou do valorizado. O texto do projeto condicionava, nos crimes contra a administração pública, que a progressão da pena privativa de liberdade por uma mais branda ficaria condicionada à reparação do dano que causou, ou à devolução do produto do ilícito praticado, com os acréscimos legais.

As alterações propostas nas regras de prescrição de crimes também foram retiradas do texto. Entre elas estavam a que previa que a contagem do prazo para prescrição começaria a partir do oferecimento da denúncia e não do seu recebimento. Também foi aprovado outro destaque, apresentado pelo PP-PTB-PSC, que retira do texto a tipificação do crime de enriquecimento ilícito e a decretação de perda estendida de bens de origem ilícita, a favor da União, se assim considerados por consequência da condenação transitada em julgado por vários crimes.

O Plenário aprovou, por 220 votos a 151, destaque do PSOL que retirou do projeto de lei todo o trecho sobre o acordo penal, que poderia ser formalizado após o recebimento da denúncia e até a promulgação da sentença, implicando a confissão do crime e a reparação do dano. Também foi aprovado, por 280 votos a 76, o destaque do bloco PP-PTB-PSC que retirou do projeto de lei texto no qual é suprimida a defesa prévia nas ações de atos de improbidade, permanecendo a regra atual prevista na legislação.

Também foi retirou do projeto de lei todos os artigos sobre reformulação das regras relativas aos acordos de leniência, após a aprovação do destaque do PT por 207 votos a 143. O Plenário também aprovou, por 285 votos a 72, destaque do PMDB ao projeto de lei para incluir no texto emenda do deputado Carlos Marun (PMDB-MS) caracterizando como crime, por parte de juiz, promotor ou delegado, a violação da prerrogativa do advogado, com detenção de um a dois anos e multa. A emenda também especifica que, se a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) não concordar com o arquivamento de inquérito policial sobre esse crime ou o de exercício ilegal da advocacia, poderá assumir a titularidade da ação penal.

Os deputados aprovaram, na última votação da madrugada, destaque do PR ao projeto de lei que mantém na legislação dispositivo que prevê a responsabilização pessoal civil e criminal dos dirigentes partidários somente se houver irregularidade grave e insanável com enriquecimento ilícito decorrente da desaprovação das contas partidárias.

A sessão foi encerrada às 4h20 desta quarta-feira, após aprovar todos os destaques ao projeto de lei de medidas contra a corrupção (PL 4850/16).

 

Matéria atualizada às 3h58 para acréscimo de informações

 

Da Agência Brasil

CBF decreta luto de sete dias e remarca todas as partidas

fooo-foto_policia_antioquia

Policiais fazem o resgate das vítimas do avião da Chapecoense que caiu no trajeto da Bolívia para a ColômbiaDivulgação/ Polícia de Antioquia

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) decretou luto oficial de sete dias pelo acidente aeronáutico na Colômbia que vitimou a delegação da Chapecoense, jornalistas e convidados. Com o luto, todas as partidas que seriam realizadas nesse período foram remarcadas.

A final da Copa do Brasil, entre Grêmio e Atlético Mineiro, que seria disputada amanhã (30), foi remarcada para 7 de dezembro, às 21h45. Já a rodada final da Série A do Campeonato Brasileiro será realizada no dia 11 daquele mês, domingo, às 17h.

A final da Copa do Brasil sub-20, entre Bahia e São Paulo, foi remarcada para 8 de dezembro, às 21h15.

O avião seguia da Bolívia para a Colômbia quando caiu na região da Antióquia, nas proximidades da cidade de Medellín. Pelo menos 75 pessoas morreram na queda do avião na Colômbia.

 
Da Agência Brasil

Atlético Nacional propõe que título da Copa Sul-Americana fique com Chapecoense

asss-aviao_da_chapecoense_0543

Time colombiano, que enfrentaria a Chapecoense na final, diz que título o seria homenagem póstuma às vítimas do acidente Marcio Cunha/Agência Lusa

O time colombiano Atlético Nacional, que jogaria amanhã (30) contra o Chapecoense, em Medelín, na Colômbia, pediu hoje (29) à Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), que organiza a Copa Sul-Americana, que entregue o título de campeão ao Chapecoense, time da cidade catarinense de Chapecó.

Em seu site, o Atlético Nacional diz que recebeu consternação a notícia do acidente com o avião que levava os atletas chapecoenses à Colômbia. “A dor atinge profundamente nossos corações e invade de luto nosso pensamento”, afirma a equipe colombiana. “O acidente de nossos irmãos do futebol da Chapecoense nos marcará por toda a vida e já deixa uma marca inapagável no futebol latino-americano e mundial.”

No comunicado, o Atlético Nacional propõe à Conmebol que a Associação Chapecoense de Futebol fique com o título da Copa Sul-Americana como homenagem póstuma às vítimas do acidente. “Da nossa parte, e para sempre, Chapecoense, Campeão da Copa Sul-Americana 2016.”

 
Da Agência Brasil

Polícia confirma 76 mortos em avião da Chapecoense

asss-aviao_da_chapecoense_06

O avião que levava o time da Chapecoense sofreu um acidente na madrugada desta terça-feira (29), na Colômbia, com 81 pessoas a bordo, sendo 72 passageiros e nove tripulantes.

Entre as pessoas que estavam na aeronave, havia jogadores, dirigentes esportivos e jornalistas. O avião era um British Aerospace 146, gerenciado pela companhia boliviana Lamia.

Ele teria desaparecido do radar e feito um pouso forçado, devido a uma falha elétrica, em Cerro Gordo, nas proximidades da cidade de La Unión. Fontes locais dizem que a aeronave estava a apenas cinco minutos de voo do aeroporto mais próximo, mas o piloto decidiu arriscar o pouso antes.

Ele teria, inclusive, esvaziado os tanques de combustível para evitar uma explosão. O avião, que havia decolado de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, tinha como destino final o município colombiano de Medellín, onde a Chapecoense disputaria as finais da Copa Sul-Americana, contra o Atlético Nacional, na quarta-feira (30) à noite.

 

 

Da: Agência Brasil 

Palmeiras bate Chapecoense e fatura em casa o Brasileirão

Depois de meses cantando ‘seremos campeões’, o palmeirense agora pode soltar o grito guardado

Depois de uma semana que pareceu demorar 22 anos para passar, o palmeirense enfim trocou o grito de “seremos campeões” por “é campeão”. Dominante durante toda a campanha, o Verdão assegurou o título brasileiro neste domingo, com uma rodada de antecedência, ao vencer a Chapecoense por 1 a 0 para quase 41 mil pessoas – recorde absoluto de público no Palestra Itália. É a 12ª conquista nacional do clube, o maior do Brasil neste quesito.

pal-8321'

Ao lado do presidente alviverde Paulo Nobre, Dudu levanta o troféu de campeão do Brasileirão no Allianz Parque Foto: Miguel Schincariol/Gazetapress

O campeonato desde o inicio teve a cara alviverde. Mas o palmeirense, sempre desconfiado, não quis atrapalhar a corrente que fez com o elenco pela conquista que não vinha desde 1994. Foi cauteloso, sofreu e não cantou vitória antes do tempo, mesmo com o forte time de Cuca vencendo críticas, jogos e dando mínimas chances aos rivais. Se antes falavam de 2009, esqueça! Fantasma exorcizado. Ainda assim, o grito de campeão veio sair apenas aos 36 minutos do segundo tempo.

pal-763Fabiano comemora com Edu Dracena o gol que deu a vitória ao Palmeiras Foto: Marcelo Zambrana/Agif/Gazetapress

No jogo da taça, o Verdão foi aguerrido como sempre, correu poucos riscos como sempre e abriu o caminho para vencer em uma jogada bem ensaiada por Cuca, que contou também com uma pitada de sorte de Fabiano. O lateral foi fazer seu 1º gol no clube logo no domingo! Antes contestado, virou herói.

pal-863
Gabriel Jesus fez sua despedida no Allianz Parque; atacante já está vendido para o Manchester City
Foto: Marcelo Zambrana/Agif/Gazetapress

Com o gol cedo do Flamengo, o torcedor pôde curtir mais calmamente o jogo, embora a “calma” não combine com o palmeirense. Ainda assim, pôde ver Cuca, o técnico que é a cara do clube, cumprir a promessa de título e gritar seu nome; pôde ver a despedida no Allianz Parque do meteoro Gabriel Jesus, que tentou muito o gol, mas passou em branco.

Pôde homenagear o ídolo Fernando Prass, que entrou nos últimos minutos do jogo após quase quatro meses fora. Depois de tudo que passou nos últimos anos, esta era uma tarde em que as lágrimas do palmeirense eram até necessárias para, permita aqui o clichê, lavar a alma. Um domingo inesquecível.

pal-052

Torcedores exibem no Allianz Parque cartaz com “não deu nem pro cheiro” em resposta à brincadeira da torcida do Flamengo, que rodadas antes dizia que “sentia cheirinho do hepta”
Foto: Sergio Barzaghi/Gazetapress

O título coroa: Jailson, a “revelação“ de 35 anos; os campeões Dracena, Egídio e Jean; o guerreiro Zé Roberto, que venceu o 1 Brasileiro aos 42 anos; os garotos Mina, Vítor Hugo Tchê Tchê e Róger Guedes; os coadjuvantes Fabiano, Thiago Santos e Cleiton Xavier, e os decisivos Jesus, Moisés e Dudu. O país, de novo, é verde e branco. A torcida canta: “vai sacudir essa cidade, meu Palestra campeão”. Pois o Verdão fez mais: sacudiu o Brasil!

Palmeiras fatura o título do Brasileirão
Fabiano comemora com Edu Dracena o gol que abriu o placar no Allianz Parque Gabriel Jesus fez sua despedida no Allianz Parque; atacante já está vendido para o Manchester City Dudu, capitão e um dos destaques da campanha vitoriosa do Palmeira, domina uma bola durante jogo contra a Chapecoense A tradicional foto posada de elenco e comissão técnica do Palmeiras antes da partida decisiva contra a Chapecoense Torcedores também exibiram faixas com pedido para Cuca permanecer no Palmeiras em 2017pla-261

Fabiano comemora com Edu Dracena o gol que abriu o placar no Allianz Parque
Foto: Marcelo Zambrana/Agif/Gazetapress

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 1 X 0 CHAPECOENSE

Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data-Hora: 26 de novembro de 2016 (domingo), às 17h (de Brasília)
Árbitro: Anderson Daronco – RS (FIFA)
Assistentes: Rafael da Silva Alves – RS (ASP-FIFA) e Alexandre A Pruinelli Kleiniche (RS)- RS (CBF-1)
Cartões amarelos: Fabiano (PAL), Bruno Rangel e Marcelo (CHA)
Público/Renda: 40.986 / R$ 4.171.317,26
Gol: Fabiano 25′ 1ºT (1-0)

PALMEIRAS: Jailson (Fernando Prass 45′ 2ºT); Fabiano (Gabriel 30′ 2ºT), Edu Dracena, Vitor Hugo e Zé Roberto; Tchê Tchê (Thiago Santos 35′ 2ºT), Jean e Moisés; Dudu, Gabriel Jesus e Róger Gudes. Técnico: Cuca

CHAPECOENSE: Danilo; Gimenez, Marcelo, Filipe Machado e Alan Ruschel; Matheus Biteco, Sérgio Manoel e Cleber Santana (Gil – intervalo); Tiaguinho (Ailton Canela 28′ 2ºT), Bruno Rangel (Kempes 31′ 2ºT) e Lucas Gomes. Técnico: Caio Júnior

 
Thiago Ferri
Lancepress!

Passageiros são ignorados por motoristas em SP

Principal reclamação na SPTrans: motoristas que não param no ponto para embarque ou desembarque

Se não bastasse o sofrimento de ter de andar em ônibus velhos e lotados, os passageiros da capital paulista também têm o pedido de parada ignorado pelos motoristas para embarcar ou desembarcar no local desejado.

A situação se tornou rotineira para alguns usuários e desde o ano passado ocupa o primeiro lugar nas reclamações feitas pelos passageiros à SPTrans, empresa responsável por administrar o transporte público em São Paulo.

Em 2015, foram registradas 11.880 reclamações sobre motoristas que não atenderam ao pedido de embarque ou desembarque. No entanto, o número de condutores punidos é pelo menos 10 vezes menor. De acordo com a SPTrans, no ano passado foram geradas 376 multas por essa infração.

Ou seja, a cada 31 reclamações feitas ao sistema um motorista, de algum coletivo pela capital, é multado. Nesta conta, estão de fora passageiros que nunca se reportaram à SPTrans por não saber o caminho para fazer a queixa, ou por achar trabalhoso.

Este ano, o problema continua sendo o campeão no ranking de reclamações no sistema de transporte municipal. De janeiro a setembro de 2016, foram registradas 8.662 queixas. Sobre as multas geradas este ano aos motoristas infratores, a SPTrans não soube informar.

Fora dos números, os prejudicados não aguentam mais a situação repetida diariamente. A operadora de telemarketing Juliana Vieira, de 20 anos, por exemplo, perdeu as contas das vezes em que precisou andar um pouco a mais para chegar em sua casa.

Sem qualquer justificativa, o motorista, segundo a jovem, não parou no ponto em que ela tinha dado o sinal. “Fiquei com medo porque era bem tarde da noite e estava ali sozinha.”

onnii-onibus-passa

Foto: Nelson Coelho/DiárioSP

Ela contou que a situação acontece geralmente durante o dia, mas, principalmente, nos horários de pico. “Isso quando o botão que avisa o motorista que alguém vai descer não funciona”, lembrou.

Mais reclamações/ Além dessa principal queixa, os passageiros também reclamaram à SPTrans do longo intervalo entre um ônibus e outro.

Para os usuários dos coletivos, as duas principais queixas estão ligadas, já que se o ônibus não para, o passageiro precisa esperar por mais tempo até conseguir embarcar em outro.

Em geral, as outras queixas registradas pela SPTrans estão, em sua maioria, relacionadas à conduta dos motoristas, como conduzir o coletivo de forma que comprometa a segurança, ou tratar com falta de respeito os usuários.

Além disso, tem as clássicas queixas sobre o Bilhete Único e até de cobrança indevida.

Passageiros criticam atitude de condutores
No total, a SPTrans recebeu no ano passado e em 2016 mais de 150 mil reclamações dos passageiros. O número pode até ser considerado alto, mas não representa a realidade.

Todos os usuários entrevistados pela reportagem ao longo da última semana vivenciaram alguma situação das 10 principais queixas, porém nenhum deles chegou a oficializar a reclamação na SPTrans.

“Acho que não adianta reclamar. Afinal, a SPTrans fez alguma coisa com essas reclamações do ano passado?”, questionou a auxiliar de enfermagem Maria Bispo, de 35 anos. Ela contou que semanalmente sofre com motoristas passando reto, mesmo quando dá o sinal.

Com o segurança Dylan Lopes, 31, os coletivos só param se for de dia. “Não acontece só comigo, mas acho que eles ficam com medo quando é um homem dando sinal para parar.”

Já com Camila Nascimento, 20, o problema é na hora de desembarcar. Quase toda semana ela acaba andando mais para chegar ao trabalho porque o condutor simplesmente acelera exatamente em sua parada. “O motorista já brigou comigo. Acho ridículo, porque não tenho culpa. Ele é que não tem atenção e não cumpre com sua função”, reclamou.

Os usuários também relataram à empresa de regulação do serviço que outro problema na hora de desembarcar é quando o botão, que avisa o motorista sobre a parada, simplesmente não funciona. “Começa aquela gritaria para parar, porque ninguém sabe que não está funcionando e o motorista não avisa ou vai mais devagar”, relatou a operadora de supermercado Maria de Fátima Alves, 54.

Ela também teve problemas na hora de desembarcar e contou que a justificativa é a mesma sempre: “Não ouvi o sinal”. Maria mora em Guaianases e trabalha em Engenheiro Goulart, ambos na Zona Leste. Ela fica plantada no ponto pelo menos uma vez na semana.

EXCESSO DE TRABALHO/ Apesar das reclamações, há passageiros que não se sentem incomodados com a falta de atenção dos motoristas e ainda justificam que o problema está no excesso de trabalho.

“Acho que a gente precisa ver os dois lados. Muitos motoristas não têm cobrador e acabam trabalhando em dobro. Fica difícil manter atenção e não perceber que alguém quer embarcar ou desembarcar”, defendeu o fotógrafo Mark Saglia, 31.

Avançar no sinal vermelho é principal infração cometida

ão são apenas os dados da SPTrans que apontam problemas na conduta dos motoristas. Números da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) mostram a quantidade de infrações cometidas pelos condutores e como o cenário tem piorado.

De acordo com dados da companhia, em 2015 e 2016, “avançar no sinal vermelho” foi a infração campeã cometida pelos motoristas que têm sob sua responsabilidade dezenas de vidas na capital paulista. Este ano, de janeiro a agosto, foram aplicadas 3.092 multas. Em 2015, o número total desta infração foi de 5,2 mil.

Outro dado preocupante é sobre condutores de coletivos que usam o celular ao dirigir. Somando a quantidade de multas aplicadas para esse tipo de infração este ano e em 2015, o resultado supera quatro mil notificações.

O uso de cinto de segurança, item indispensável para a segurança, foi esquecido por alguns condutores, o que gerou mais de 1.680 multas. No total, até agosto deste ano foram registradas mais de 10 mil infrações, entre elas estão as já citadas e também parar na área de cruzamento, estacionar em local ou horário proibido e parar sobre faixa de pedestre.

Motoristas têm apoio individual, diz sindicato

Questionado sobre reclamações feitas contra os motoristas, o SPUrbanuss, sindicato das empresas de ônibus, disse, em nota, que todos os condutores participam de cursos para melhorar a direção e saber procedimentos permitidos ou não. Para motoristas que têm algum tipo de ocorrência, há atendimento individual.

Para o sindicato patronal, as reclamações dos passageiros mostram a exigência do desenvolvimento de novos projetos para melhorar a qualificação da mão-de-obra, no entanto, destaca que esse é um trabalho conjunto, entre o sindicato da categoria, as empresas e o governo.

Além disso, o sindicato comemorou a diminuição de 1% nas reclamações de janeiro a julho deste ano, em relação ao mesmo período em 2015. E diz que o número de passageiros aumentou, mas as queixas estão diminuindo de “maneira considerável”. A reportagem tentou contato com a Ocesp, sindicato das permissionárias, mas não teve retorno.

Resposta da SPTrans

Fiscalização é feita 24h

Em nota, a SPTrans afirmou que fiscaliza os coletivos 24 horas por dia e quando constata alguma irregularidade, pune as empresas, e não os motoristas, segundo as normas do Resam (Regulamento de Sanções e Multas). “Diariamente equipes de fiscalização são deslocadas aos pontos iniciais e finais das linhas para registro e verificação das partidas realizadas”, explicou. Segundo a empresa, o número de reclamações teve uma queda de 25,10% no primeiro semestre deste ano. Quando as queixas são recorrentes para determinada linha, a fiscalização é redobrada. Em relação aos botões de pedido de parada, a SPTrans afirmou ser preciso informar o número do veículo para que a fiscalização seja feita adequadamente. A empresa disse ainda que todos os passageiros podem auxiliar nesse trâmite pelo 156 ou no site www.sptrans.com.br/SAC.

 

Por: Ana Paula Bimbati
diario SP

Corinthians terá Cristian no meio e Romero no ataque contra o Furacão

Em: Campeonato Brasileiro Série A, Corinthians, Futebol

corii-A3225F109326-1024x683Cristian ganhou a vaga no meio e pode ser decisivo na busca por uma vaga na Libertadores (Foto: Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians)

O Corinthians treinou na tarde desta sexta-feira de olho na partida de sábado, às 21h (de Brasília), contra o Atlético-PR, um duelo decisivo na briga por uma vaga na Copa Libertadores da América do ano que vem. No último apronto para o embate contra os paranaenses, o técnico Oswaldo de Oliveira confirmou a escalação ensaiada na véspera e trabalhou incessantemente as bolas paradas ofensivas com titulares e reservas.

No time que vai a campo frente ao Furacão, o treinador optou pela manutenção da dupla Cristian e Camacho no meio, agora reforçadas pelo retorno de Rodriguinho. Uendel, que ocupou o setor contra o Inter, volta para a lateral esquerda e manda Guilherme Arana para o banco de reservas. Giovanni Augusto, titular absoluto durante toda a campanha, perde lugar e também ficará entre os suplentes.

Outro que vinha jogando bastante e terá de esperar mesmo recuperado de lesão é o meia Guilherme. Após perder duas partidas por conta de um desconforto muscular na coxa direita, ele treinou normalmente durante toda a semana e está à disposição, mas quem fará o papel de “falso 9” será o paraguaio Ángel Romero, atleta que completará 100 jogos com a camisa do clube diante dos atleticanos. Marlone, destaque na segunda-feira, também está confirmado.

Sendo assim, o Timão irá a campo com Walter; Fagner, Vilson, Balbuena e Uendel; Cristian, Marquinhos Gabriel, Camacho, Cristian e Marlone; Romero. Na atividade de bola parada ofensiva, testando jogadas tanto em escanteios quanto faltas laterais, por sinal, Romero foi o maior destaque. O camisa 11, anotou diversos gols de cabeça, principalmente quando antecipava a marcação.

Os reservas formaram uma equipe com Cássio; Léo Príncipe, Pedro Henrique, Léo Santos e Guilherme Arana; Jean, Léo Jabá, Giovanni Augusto, Marciel e Lucca; Guilherme. Walter, titular absoluto do gol, participou do trabalho de finalização dos atletas que provavelmente não serão relacionados, como Ameixa, Bruno Paulo, Rodrigo Figueiredo e Isaac, grupo que se movimenta diariamente com o centroavante Jô.

Para encerrar a atividade, os jogadores ainda se deslocaram para o campo em frente ao hotel do CT Joaquim Grava e cobraram algumas faltas. Cristian foi o que teve melhor aproveitamento, para delírio das crianças que acompanhavam a atividade em uma das tendas do local.

Com 54 pontos conquistados até o momento, o Timão é o atual sétimo colocado da competição, um ponto atrás do próprio Furacão e do Botafogo. Dessa forma, se ganhar dos paranaenses no final de semana e do Cruzeiro, na última rodada, está garantido na Libertadores do ano que vem.

 

Tomás Rosolino
Gazeta Esportiva- São Paulo, SP

Osasco realiza II Seminário de Direitos Humanos

Da Redação

osasco-DA505AC1A6201795A

Foto: Divulgação

Osasco,por meio da Secretaria de Assistência Social está convidando moradores da cidade para participarem do evento do Centro de Referência em Direitos Humanos – CRDH. A palestra ocorrerá no dia 30 de novembro, das 14h às 18h, na sala Osasco.

Este ano o tema será “Genocídio da Juventude Negra”, e contará com a participação de diversas lideranças comunitárias, membros da sociedade civil organizada, ONG’s de diversas áreas de Direitos Humanos, autoridades policiais e civis, gestores públicos e outros, debatendo com a população para que juntos apontem soluções e caminhos.

Serviço:

II Seminário de Direitos Humanos

Local: Sala Osasco

Endereço: Rua Dimitri Sensaud de Lavaud

Horário: das 14h às 18h