Palmeira vira na Vila Belmiro e se torna a melhor campanha

pal--santos-09988

O Palmeiras quebrou uma sequência de seis anos sem vencer o Santos dentro da Vila Belmiro. Na noite deste domingo (19), o time da capital virou para cima do rival pelo placar de 2 a 1, em partida realizada na Vila Belmiro pela nona rodada do Paulistão Itaipava.

O resultado levou o time palmeirense para a liderança na classificação geral, ultrapassando o Corinthians, que perdera para Ferroviária, com 21 pontos. O Santos, por sua vez, desperdiçou a chance de entrar na zona de classificação, seguindo assim na terceira posição do Grupo D, com 13, a dois pontos da Ponte Preta e a um do Mirassol.

O primeiro tempo teve os dois goleiros – Vladimir, pelo lado do Santos, e Fernando Prass, do Palmeiras – como os grandes destaques do jogos. Ambos foram os responsáveis por deixar o 0 a 0 no placar nesses 45 minutos iniciais.

Em casa, o Santos teve o domínio das ações e perdeu chances incríveis de abrir o placar. A mais clara foi aos 18 minutos. Bruno Henrique cruzou, a bola passou por Fernando Prass e parou nos pés de Vitor Bueno, que se atrapalhou e, com o gol aberto, conseguiu dar um toque para trás.

Depois do susto, foi um show de defesas bonitas de ambos os lados. Fernando Prass fez um milagre na defesa de Ricardo Oliveira, enquanto que Vladimir segurou o arremate de Borja. O palmeirense ainda pegou a tentativa de Bruno Henrique antes do apito final. Isso sem contar as duas bolas na trave de Prass.

No segundo tempo, os goleiros continuaram brilhando até que aos 29 minutos, até que Victor Ferraz cruzou para Bruno Henrique cabecear em cima de Jean. A bola ficou viva dentro da área para Ricardo Oliveira empurrar.

O gol fez Eduardo Baptista jogar o time do Palmeiras no ataque e obteve o resultado esperado. Roger Guedes deu belo passe para Jean. O lateral chutou para o fundo das redes. A virada veio na sequência. Roger Guedes avançou pelo lado direito e tocou para Willian, que deu no contrapé de Vladimir, 2 a 1.

 

Com informações da FPF

Impostômetro da Associação Comercial de SP atinge R$ 500 bilhões

dinheiro-09001

Brasileiros já pagaram de impostos este ano R$ 500 bilhões

O Impostômetro, da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), marcou hoje (20), às 6h50 da manhã, R$ 500 bilhões já pagos pelos brasileiros em impostos, taxas e contribuições somente neste ano, sem descontar a inflação. Na comparação com o ano anterior, o painel atingiu esse valor no dia 29 de março, ou seja, em 2017 os R$ 500 bilhões foram atingidos nove dias antes de 2016.

Segundo o presidente da ACSP e da Federação da Associação Comercial de São Paulo (Facesp), Alencar Burti, o aumento de arrecadação de um ano para outro é um incentivo para que o governo federal descarte elevação ou criação de impostos.

“Esse crescimento é sinal de que a recessão perde força e a economia começa a reagir. O controle de gastos e as reformas ajudarão a sanear as contas públicas nos próximos anos. Por isso, vemos como desnecessário qualquer aumento tributário porque retardaria a retomada da economia”, afirma Burti.

O painel foi implantado em 2005 pela ACSP, em sua sede na rua Boa Vista, centro da capital paulista, para conscientizar o cidadão sobre a alta carga tributária e incentivá-lo a cobrar os governos por serviços públicos melhores. Para ter mais informações sobre os valores arrecadados basta acessar o portal  www.impostometro.com.br.

 
Da Agência Brasil

Mercado reduz projeção da inflação de 4,19% para 4,15% este ano

agg-1064932-edit_04217

Mercado financeiro espera que inflação caia para 4,15% este ano, o que pode reduzir o custo de vida Tânia Rêgo/Agência Brasil

O mercado financeiro reduziu, pela segunda vez consecutiva, a projeção para a inflação este ano. A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 4,19% para 4,15%, de acordo com o boletim Focus, uma publicação elaborada todas as semanas, pelo Banco Central (BC), e divulgada às segundas-feiras.

A estimativa para a inflação este ano está abaixo do centro da meta, que é 4,5%. A meta tem ainda limite inferior de 3% e superior de 6%. Para 2018, a projeção não foi alterada – continua em 4,5%.

A estimativa de instituições financeiras para o crescimento da economia (Produto Interno Bruto – PIB – a soma de todas as riquezas produzidas pelo país) este ano foi mantida em 0,48%. Para o próximo ano, passou de 2,4% para 2,5%.

Para o mercado financeiro, a taxa Selic encerrará 2017 em 9% ao ano. Para o final de 2018, a expectativa caiu de 8,75% para 8,50% ao ano. Atualmente, a Selic está em 12,25% ao ano. A Selic é um dos instrumentos usados para influenciar a atividade econômica e a inflação.

Quando o Copom aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle sobre a inflação.

 
Da Agência Brasil

Após Chile e Coreia, China barra entrada de carne brasileira

A China suspendeu temporariamente a importação de carne brasileira nesta segunda-feira (20/03). O anúncio foi feito em meio ao escândalo provocado pela Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, que na última sexta-feira revelou um esquema de venda do produto com data de validade vencida ou mesmo estragado e de liberação de licenças para frigoríficos sem fiscalização.

carrrr-carnebrasileirartFoto: Reuters

O governo brasileiro confirmou o banimento temporário. O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, informou que a “China pediu ao governo brasileiro explicações sobre a Operação Carne Fraca”.
“O Brasil dará todos os esclarecimentos aos chineses o mais rápido possível. Até receber as informações, a China não desembarcará as carnes importadas do Brasil”, diz nota divulgada no site do ministério.

Principal parceiro comercial do Brasil, a China decidiu suspender a importação de carne do Brasil como uma “medida de precaução”, afirmou uma fonte sob anonimato à agência de notícias Reuters.

Em comunicado, o Ministério da Agricultura da Coreia do Sul também afirmou que iria endurecer a fiscalização de carne de frango importada do Brasil e temporariamente barrar a venda de produtos de frango da BRF, segundo a Reuters .

De acordo com a agência, o ministério sul-coreano afirmou que fornecedores de frango brasileiro terão que apresentar um certificado sanitário emitido pelo governo brasileiro.

O Chile também suspendeu temporariamente a importação de carne brasileira, até que as empresas que exportam carne para o país sejam verificadas corretamente, ainda segundo a Reuters.

A União Europeia (UE) também estuda medidas em meio ao escândalo, que fez as ações da BRF caírem 8%, e as da JBS, 5% nesta segunda-feira. Ambos os frigoríficos foram mencionados nas investigações da PF.

Ações da Marfrig e da Minerva, que não estão envolvidas no escândalo, também caíram por temores em relação a mais suspensões de importações.

 

Deutsche Welle