Confira os resultados dos jogos pelo Brasileiro de 2017

Da Redação

Sábado, 27 de Maio de 2017

Brasileiro Série A
3º Rodada
16:00-VASCO DA GAMA – RJ 3 X 2 FLUMINENSE – RJ-São Januário – Rio de Janeiro – RJ
19:00-SÃO PAULO – SP 2 X 0 PALMEIRAS – SP-Morumbi – Sao Paulo – SP
21:00-VITÓRIA – BA 0 X 1 CORITIBA – PR-Arena Fonte Nova – Salvador – BA

Domingo, 28 de Maio de 2017

11:00-ATLÉTICO – MG 2 X 2 PONTE PRETA – SP-Independência – Belo Horizonte – MG
16:00-SANTOS – SP 0 X 1 CRUZEIRO – MG-Vila Belmiro – Santos – SP
16:00-ATLÉTICO – GO 0 X 1 CORINTHIANS – SP-Serra Dourada – Goiania – GO
16:00-ATLÉTICO – PR 1 X 1 FLAMENGO – RJ-Arena da Baixada – Curitiba – PR
18:00-SPORT – PE X GRÊMIO – RS-Ilha do Retiro – Recife – PE
19:00-BOTAFOGO – RJ X BAHIA – BA-Nilton Santos – Rio de Janeiro – RJ

Segunda, 29 de Maio de 2017

20:00-CHAPECOENSE – SC X AVAÍ – SC-Arena Condá – Chapeco – SC

Justiça impede prefeitura de SP de remover à força dependentes químicos

jus-sp1078076-rvrs_20170525_1206

São Paulo – Usuários de drogas se concentram na Praça Princesa Isabel, após ações de desocupação da Cracolândia (Rovena Rosa/Agência Brasil)Rovena Rosa/Agência Brasil

A Justiça derrubou hoje (28), a pedido do Ministério Público de São Paulo e da Defensoria Pública do estado, a decisão que autorizava a prefeitura de São Paulo a conduzir compulsoriamente – contra a vontade da pessoa – usuários de drogas da região da Cracolândia para avaliação médica.

A prefeitura pretendia remover à força os usuários para que um médico avaliasse a necessidade de internação compulsória. Caso o médico recomendasse a internação, seria necessária autorização judicia, procedimento já adotado atualmente.

Na decisão de hoje, o desembargador Reinaldo Miluzzi considerou relevantes os fundamentos do Ministério Público e da Defensoria Pública para derrubar a medida da prefeitura paulistana. “Como bem asseverado em ambos os recursos, o pedido [da prefeitura]é impreciso, vago e amplo e, portanto, contrasta com os princípios basilares do Estado Democrático de Direito, porquanto concede à municipalidade carta branca para eleger quem é a ‘pessoa em estado de drogadição vagando pelas ruas da cidade de São Paulo’”, declarou o juiz.

O desembargador também retirou o segredo de Justiça do processo.

 

 

Da Agência Brasil

Brasil reduz mortalidade materna, mas continua longe do ideal, diz especialista

graa-gravidas_no_ambulatorio

Hipertensão e hemorragia estão entre as principais causas da mortalidade materna no Brasil e no mundo, e ocorrem principalmente pela má qualidade da assistência no pré-natal e no parto. Hoje (28), no Dia Nacional de Redução da Mortalidade Materna, os dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) revelam que cerca de 830 mulheres morrem de complicações com a gravidez ou relacionadas com o parto todos os dias.

O vice-reitor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e professor associado livre-docente do Departamento de Obstetrícia da Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp), Nelson Sass, disse que o Brasil fez muitos progressos nos último anos na redução da mortalidade materna, mas ainda está longe do ideal.

Segundo o Ministério da Saúde, a mortalidade materna no Brasil caiu 58% entre 1990 e 2015, de 143 para 60 óbitos maternos por 100 mil nascidos vivos. Levando em consideração os dados de 2010 e 2015, sendo o último ano ainda com dados preliminares, a proporção da mortalidade materna diminuiu de 12%, saindo de 67,9 para 60 óbitos por 100 mil nascidos.

Sass explica, entretanto, que a proporção, no Japão, por exemplo, é de 6 óbitos de mulheres por 100 mil nascidos vivos. No Brasil, segundo ele, os números são bastante heterogêneos e podem variar conforme a região do país, de 44 até 110 óbitos por 100 mil nascidos vivos.

“Ainda que tenhamos uma rede de atendimento, não adianta só quantidade. A qualidade da assistência precisa ser revista. As mulheres parecem ter dificuldade no segmento de atendimento, com consultas muito distantes ou não se adota prevenção”, disse o professor. “Quando você tem um alto número de mulheres que morrem de pré-eclâmpsia, por exemplo, o gestor tem que entender o porquê, e qualificar essa assistência”, afirmou. “ Maternidades sobrecarregadas, com cuidado limitado, facilitam o risco de hemorragia, por exemplo, e, às vezes falta agilidade para a mulhere receber suprimentos de sangue.”

Segundo Sass, o setor de saúde registra hoje crises importantes em todos os locais por causa do subfinanciamento e uma rede não muito bem articulada. “Não existe uma política de saúde que se dê sequencia com a troca de gestores”, argumentou.

Por que as gestantes morrem?

A morte materna ocorre durante a gestação ou 42 dias após o parto, quando as mulheres são acometidas por doenças obstétricas, em razão da gestação, ou por complicações de doenças pré-existentes. Entretanto, para o professor da Unifesp, é muito difícil encontrar algo que contraindique a gravidez. O que acontece, segundo ele, são condições de risco que merecem um pré-natal mais cuidadoso.

As principais causas de morte são pressão alta durante a gravidez, hemorragia após o parto, infecções e aborto. Sass explica que a morte materna se associa à qualidade de vida e de assistência, por isso os indicadores são piores em países em desenvolvimento e em locais com poucos recursos.

Quanto mais precária a assistência, a hemorragia acaba sendo a primeira causa de morte materna. Já no grandes centros, a hipertensão acaba se destacando, por causa de uma qualidade de pré-natal não adequado.

A hipertensão é a elevação da pressão arterial que leva a um comprometimento da saúde da mulher, e aí a pré-eclâmpsia é um fator fundamental, segundo Sass. No estado de São Paulo, é a causa mais comum para a morte materna. Já as hemorragias acontecem, principalmente, por partos mal acompanhados, por ruptura uterina e problemas com a placenta. O parto cesariano eleva o risco da placenta ficar aderida, por exemplo, e a mulher ter hemorragias.

“E por último, as infecções puerperais e as infecção relacionadas ao aborto. Existem mulheres, que infelizmente morrem por causa disso, que foram buscar a interrupção da gravidez e morrem por infecção e hemorragias”, explicou Sass. “Isso é comum no mundo todo, as causas se repetem”.

As sequelas de problemas gestacionais também são um problema grave. Para cada morte materna, de oito a dez mulheres ficam com sequelas definitivas, segundo Sass. No caso da pré-eclâmpsia, ela ainda gera a prematuridade do bebê. “Imagine uma família com a expectativa de ter o primeiro filho e de repente não tem mais a mãe e com um bebê que precisa de cuidados especiais. É uma tragédia familiar”, disse.

Pré-eclâmpsia

No último dia 22 de maio, algumas entidades internacionais promoveram o Dia Mundial da Pré-eclâmpsia, entre elas a Sociedade Internacional de Estudos sobre Hipertensão na Gravidez (ISSHP), da qual o professor Nelson Sass é membro. Todos os anos, quase 76 mil mães e 500 mil bebês no mundo morrem por causa da pré-eclâmpsia. A doença afeta de 8% a 10% das gestações no mundo e responde por 20% de todas as hospitalizações para tratamento intensivo neonatal.

Segundo o professor, a pré-eclâmpsia é uma doença grave relacionada ao aumento da pressão arterial, mas é pouco entendida e com evolução rápida e imprevisível. Aparece depois das 20 semanas de gestação com sintomas que se sobrepõem e que podem ser considerados normais na gestação, como inchaço, dor de cabeça, ganho excessivo de peso e dificuldade de respirar.

“Sabemos o que precisa acontecer para se ter hemorragia, mas a maioria das mulheres nunca ouviram falar em pré-eclâmpsia. Por isso, essas entidades querem sensibilizar as mulheres a saber que a doenças existe”, disse Sass.

 

 

Da Agência Brasil

Corinthians vence Atlético-GO e segue invicto no Brasileiro

Com gol de Rodriguinho, Corinthians vence o Atlético-GO por 1 a 0, no Serra Dourada, e chega a sete pontos no Campeonato Brasileiro

Contra um adversário bem mais fraco tecnicamente, o Corinthians controlou a partida deste domingo da forma que gosta: sem sofrer sustos e perigoso nas triangulações pelos lados. Foi assim que o Timão venceu o Atlético-GO, por 1 a 0, no Serra Dourada, pela terceira rodada do Brasileirão.

cori-592b38926051f

Corinthians é eficiente mais uma vez e bate o Atlético-GO fora de casa por 1 a 0 (Foto: Celio Messias)
Foto: LANCE!

Apesar do placar magro, o Corinthians não teve grandes dificuldades para conseguir a vitória. Muito também por conta do Atlético-GO, que mostrou novamente que lutará mesmo para fugir da zona do rebaixamento. Em casa, a equipe goiana quase não levou perigo e segue sem somar pontos no Brasileirão.

O Corinthians, por sua vez, dá sinais que brigará no mínimo por uma vaga na próxima Libertadores. É verdade que os três adversários até agora – Chapecoense, Vitória e Atlético-GO – não são muito parâmetros, mas o Timão mantém sua identidade em campo e agora já soma duas vitórias fora de casa, além de um empate como mandante.

Neste domingo, por exemplo, Cássio quase não foi exigido. O Atlético-GO sofria para passar da intermediária ofensiva, e só Walter fazia um pouco de diferença na criação dos lances. As principais oportunidades vieram com jogadores que já estavam em impedimento. Muito pouco para uma equipe de Série A.

O Corinthians, como de costume e como gosta, principalmente fora de casa, controlava as ações e ia chegando aos poucos com perigo. Primeiro Guilherme Arana tabelou com Romero e cruzou para Jô perder uma chance incrível. Logo em seguida, praticamente a mesma jogada foi criada: o lateral-esquerdo trocou passes com o atacante paraguaio e deixou o companheiro na cara do gol. Deste vez quem apareceu na área foi Rodriguinho, que não desperdiçou e chegou a nove gols, se igualando a Jô como o artilheiro do Timão.

Se antes o Corinthians já controlava com o jogo como queria, depois do 1 a 0 ficou ainda melhor. Por incrível que pareça, em alguns momentos a equipe chegou até ser mais ofensiva, com subidas dos volantes Gabriel e Maycon.

No segundo tempo, o técnico Marcelo Cabo até fez duas substituições logo no intervalo, mas sua equipe seguia com as mesmas dificuldades. O jogo caiu de ritmo e ficou morno – sim, do jeito que o Corinthians gosta. Fábio Carille até promoveu a estreia do atacante Clayson, que perdeu grande oportunidade na cara do goleiro Felipe. Mas não fez falta, e o Timão venceu por 1 a 0 pela décima vez na temporada.

Na próxima rodada, o Corinthians recebe o Santos no sábado, às 19h, na Arena de Itaquera. Já o Atlético-GO visita o Bahia na segunda-feira, às 20h, na Arena Fonte Nova.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-GO 0 X 1 CORINTHIANS
Local: Serra Dourada, Goiânia (GO)
Data-Hora: 28/5/2017 – 16h
Árbitro: Paulo Henrique Schleich Vollkopf (MS)
Auxiliares: Eduardo Gonçalves da Cruz (MS) e Leandro dos Santos Ruberdo (MS)
Público/renda: 13.712 pagantes/R$ 608.820,00
Cartões amarelos: Igor e Eduardo (AGO)
Cartões vermelhos: -
Gols: Rodriguinho (26′/1ºT) (0-1)

ATLÉTICO-GO: Felipe; Eduardo (André Castro, aos 30′/2ºT), Ricardo Silva, Roger Carvalho e Bruno Pacheco; Marcão, Luiz Fernando (Andrigo, no intervalo), Igor e Jorginho; Everaldo (Junior Viçosa, no intervalo) e Walter. Técnico: Marcelo Cabo.

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Pedro Henrique, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel e Maycon; Jadson (Clayson, aos 26′/2ºT), Rodriguinho e Romero (Clayton, aos 40′/2ºT); Jô (Kazim, aos 39′/2ºT). Técnico: Fábio Carille.

 

Guilherme Amaro
LANCE!

Cruzeiro vence o Santos na Vila e chega à vice-liderança

Peixe chegou à quarta derrota em casa na temporada

Filme que se repete. Santos cria, mas não aproveita as chances. Adversário recuado, que cresce no segundo tempo e vence. Foi assim que o Cruzeiro, com méritos, venceu o Peixe neste domingo, por 1 a 0, na Vila Belmiro.

sfc-592b2ccab276f

Foto: Ricardo Moreira/ Agência Lancepress! / LANCE!

Acostumados a cobrar o técnico Dorival Júnior, os santistas que ficam atrás do banco de reservas tiveram que se dirigir ao auxiliar Lucas Silvestre, – já que o treinador estava suspenso – que pouco pôde fazer, já que o problema do Peixe não foi criação, mesmo sem Lucas Lima, machucado.

Com Bruno Henrique, os donos da casa até conseguiram chegar à área, mas pararam em Fábio. O problema era que o Santos priorizava o lado direito, mais lento com Bueno e Ferraz se comparado a Bruno Henrique e a Copete, no segundo tempo, que entrou na vaga do lesionado Zeca.

Nos primeiros minutos, o ainda invicto Cruzeiro era a retranca com três volantes. Depois, evoluiu para um time mais agressivo, com controle de bola, mas que não chegou a incomodar Vanderlei diretamente até abrir o placar.

Sem sucesso pelos lados, o Santos resolveu explorar o meio, mas não com Vladimir Hernández, o substituto do camisa 10, e sim com Ricardo Oliveira. Irritado por não receber como gostaria, o capitão saiu da área para buscar o jogo. Até conseguiu, mas Fábio impediu que ele pudesse resolver tudo sozinho. Quando, com mais espaço, fora da área, Ricardo Oliveira achou espaço para chutar, exagerou na força e mandou a bola para a arquibancada.

No fim, o toque de bola do Alvinegro deixou de ser o suficiente até para dominar o jogo e a velocidade do Cruzeiro diante de um Santos exposto era o que predominava. Em contra-ataque, Ariel viu Ábila na área. O atacante superou o carrinho de Lucas Veríssimo para tocar em Thiago Neves, que só tocou para o gol sem Vanderlei.

Cruzeiro vence o Santos na Vila Belmiro e chega à vice-liderança
Santos x Cruzeiro Santos x Cruzeiro Santos x Cruzeiro Santos x Cruzeiro Santos x Cruzeiro
sfc-592b2d02b6802

Foto: Ricardo Moreira/ Agência Lancepress! / LANCE!

O Peixe, que vinha de quatro vitórias seguidas na Vila Belmiro, já tem sua primeira derrota em casa no Brasileirão e apenas três pontos na tabela. A última derrota em casa havia sido para o Palmeiras, no dia 19 de março.

Com a vitória, o Cruzeiro chega a sete pontos e chega à segunda colocação pelo menos temporariamente.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 0 X 1 CRUZEIRO

Loca: Vila Belmiro, Santos (SP)
Data-hora: 28/5/17 – 16h
Árbitro: Eduardo Thomaz de Aquino Valadão (GO)
Auxiliares: Fabrício Vilarinho da Silva e Cristhian Passos Sorence (GO)
Público/renda: 7.025 / R$ 198.775,00
Cartões amarelos: Copete (SAN); Henrique, Léo (CRU)
Cartões vermelhos:
Gols: Thiago Neves (38′/2ºT – 0×1)

SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Zeca (Copete, aos 2′/2ºT); Renato (Kayke, aos 39′/2ºT), Thiago Maia e Vladimir Hernández (Jean Mota, aos 28′/2T); Vitor Bueno, Bruno Henrique e Ricardo Oliveira. Técnico: Lucas Silvestre (Dorival Júnior suspenso)

CRUZEIRO: Fábio; Lucas Romero, Dedé (Caicedo, intervalo), Léo e Diogo Barbosa; Henrique, Hudson (Ábila, aos 28′/2ºT), Ariel, Arrascaeta (Thiago Neves, aos 13′/2ºT) e Alisson; Rafael Marques. Técnico: Mano Menezes

 

LANCE!