Justiça determina suspensão de direitos políticos do deputado Paulinho da Força

pau-1062072-17.01.2016_df_vac-6323

O deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força Sindical (SD-SP), teve os direitos políticos suspensos pela Justiça, por improbidade na utilização dos recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

De acordo com denúncia do Ministério Público Federal (MPF), quando era presidente da Força Sindical, Paulinho contratou a Fundação João Donini sem licitação para dar cursos profissionalizantes a desempregados e pessoas de baixa renda utilizando recursos do FAT.

“Além da suspensão dos direitos políticos pelo prazo mínimo de cinco anos, Paulinho da Força Sindical e outros réus, incluindo o responsável pela fundação, João Francisco Donini, foram condenados ao pagamento de multa, calculada com base no valor contratado com dispensa de licitação, proibição de contratar com o poder público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, pelo prazo de cinco anos”, diz a Procuradoria Regional da República na 3ª Região (TRF3).

Segundo o MPF, a Justiça apontou a inidoneidade da Fundação João Donini e registrou inconsistências repetidas nos cadastros de alunos, com duplicidade de CPFs. Segundo o MPF, as provas revelam o prejuízo causado à efetiva e eficaz prestação de serviço público com dinheiro público por instituição “absolutamente desqualificada” para tanto.

De acordo com a denúncia do MPF, entre 1999 e 2000, a Força Sindical firmou três convênios com o Ministério do Trabalho para qualificação e requalificação profissional de trabalhadores desempregados ou sob risco de desemprego e também para micro e pequenos empreendedores e autônomos. Em uma das parcerias, a Força Sindical teria contratado a Fundação Domini por R$ 215 milhões para ministrar esses cursos.

“Os réus tinham pleno conhecimento da incapacidade técnica e da precariedade das instalações para a realização dos cursos profissionalizantes pela fundação contratada e agiram, no mínimo, com culpa grave, porquanto não atuaram com a diligência esperada na contratação do convênio em questão”, disse o colegiado do TRF3.

A Agência Brasil tentou contato com o parlamentar, mas não obteve resposta até a publicação do texto.

 

 
Da Agência Brasil

Seleção enfrenta a Austrália com novo capitão; TV Brasil transmite jogo

O meia Philippe Coutinho será o capitão da Seleção Brasileira no jogo contra a Austrália amanhã (13). Caberá ao camisa 11 assumir a braçadeira, que foi do zagueiro Thiago Silva no jogo da última sexta-feira (9) contra a Argentina. Coutinho ficou sabendo da novidade hoje (12), quando completa 25 anos de idade.

bras-banner_brasil

TV Brasil transmite jogo amistoso da Seleção contra a Austrália Divulgação TV Brasil

“Coutinho é uma liderança técnica, comportamental. É uma liderança que entra e compete de forma leal. É por isso que ele será o capitão. Eu não dou a braçadeira, ele mereceu”, disse o técnico Tite em entrevista coletiva realizada hoje, na Austrália.

A troca constante de capitães na seleção é uma característica do técnico Tite. Coutinho é o nono a assumir a faixa de capitão. Antes, Miranda, Renato Augusto, Daniel Alves, Filipe Luís, Fernandinho, Neymar, Robinho e Thiago Silva, no último jogo, já tinham sido escolhidos.

Brasil volta a campo após derrota

Para o jogo contra a Argentina, a seleção já não contava com Neymar, que não foi convocado. E agora Gabriel Jesus, cortado do time após sofrer uma fratura no rosto em um choque com o zagueiro argentino Otamendi, está fora da partida contra a Austrália.

Para vencer, o Brasil dependerá ainda mais do talento de Coutinho, Renato Augusto e Douglas Costa. Além disso, caprichar mais na pontaria. A falta dela foi uma das responsáveis pela derrota para os “hermanos” por 1 a 0.

Brasil e Austrália se enfrentam amanhã (13), no Estádio Melbourne Cricket Ground, em Melbourne. A partida terá início às 7h05, no horário de Brasília. A TV Brasil transmite a partida com narração de Nivaldo Prieto e comentários dos ex-jogadores Denílson e Pelé.

 

 
Da Agência Brasil

Emprego deve aumentar este ano, diz Meirelles em rede social

emp_20170523_edt_05072
O ministro Henrique Meirelles postou as declarações após participar, pela manhã, de teleconferência com investidores organizada pelo Bank of America Merril LynchRovena Rosa/Agência Brasil

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse hoje (12) que há previsão de aumento do emprego este ano. “Previsões econômicas são de aumento do emprego durante o ano, retomada dos investimentos e manutenção dos gastos sociais”, afirmou o ministro em sua conta no Twitter.

Meirelles postou as declarações após participar, pela manhã, de teleconferência com investidores organizada pelo Bank of America Merril Lynch.

“Fiz uma análise da situação atual das perspectivas da economia brasileira. Mostramos [aos investidores]que medidas adotadas no último ano garantiram fim da recessão, queda da inflação e juros – o que preserva a renda dos brasileiros”, escreveu o ministro na rede social.

Segundo ele, “agora é hora de garantir as condições para o investimento, que trará emprego e oportunidade para todos”. Meirelles disse estar “comprometido” com esse objetivo.

O ministro da Fazenda criou um perfil no Twitter no último dia 7 de junho. Desde então, tem feito posts comentando a situação econômica do país.

 

 
Da Agência Brasil

Demanda de energia pode crescer até 2,5% este ano, estima ministério

8297luz-energia

A demanda por energia pode crescer entre 1,5% e 2,5% neste ano no país. De acordo com o Boletim Mensal de Energia, divulgado nesta segunda-feira (12) pelo Ministério de Minas e Energia, até março a oferta interna de energia cresceu 1,5%.

“Os indicadores de março de 2017, da produção industrial e de usos da energia, sinalizam pequena recuperação da economia”, diz o documento. Ainda segundo o boletim, a tarifa média nacional de eletricidade residencial recuou 6,1% até março. A tarifa comercial recuou 6,5% e a industrial caiu 7,2%.

A energia eólica deve responder por 6,6% da matriz de oferta elétrica de 2017. No ano passado, a força gerada por ventos representou 5,4% da matriz. A oferta de energia hidráulica acumulou alta de 7,6% até março, mas recuou 4,1% sobre fevereiro.

A produção de petróleo acumula alta de 14,4% até março, se comparado ao mesmo período de 2016. A produção de aço também acumula alta de 12,1%. Já a produção de biodiesel cresceu 3,5% em março.

 

 

Da Agência Brasil