Quatro jogos abrem a Série B 2018 nesta sexta

sb-20171125201757_0

Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

Vai começar a temporada 2018 do Campeonato Brasileiro Série B! A briga pelo acesso à Série A se inicia nesta sexta-feira (13). São quatro vagas e 20 times na disputa. A taça é uma só e vai coroar a melhor campanha rumo à elite do futebol brasileiro. Durante as 38 rodadas, há também quem lute para permanecer na divisão.

A Série B é disputada no formato de pontos corridos desde 2006, e vem se aperfeiçoando com o passar dos anos. As novidades para a atual edição, definidas durante o Conselho Técnico, ficam a cargo do regulamento. A janela de transferências será aberta na data de 20 de junho, fechando no mesmo dia do mês seguinte. Enquanto o prazo limite para inscrição de jogadores no campeonato será 10 de setembro. Assim como em 2017, serão 40 atletas por clube. Outra decisão mantida durante o encontro foi a proibição de mandar jogos fora do estado de origem.

Os campeões na era dos pontos corridos: Atlético-MG, Coritiba (x2), Corinthians, Vasco da Gama, Portuguesa, Goiás, Palmeiras, Joinville, Botafogo, Atlético-GO e América-MG.

Série B 2017
Na temporada passada, o equilíbrio que marca a competição foi visto mais uma vez e a decisão do título ficou para a última rodada. No fim, com 73 pontos conquistados, o América-MG sagrou-se campeão. Além do time mineiro, Internacional, Ceará e Paraná garantiram uma vaga na Série A. Por outro lado, Luverdense, Santa Cruz, ABC e Náutico sofreram o rebaixamento para a Série C.

Quem subiu da Série C 2017
CSA: na Série D em 2016, o time alagoano vem aparecendo cada vez mais no cenário do futebol brasileiro. Ano passado, além de conquistar mais um acesso, dessa vez para a Série B 2018, o Azulão chegou ao seu primeiro título nacional ao vencer a Série C.

Fortaleza: desde 2010 jogando a Série C, a equipe cearense enfim garantiu o acesso à Série B na temporada passada com um vice-campeonato.

Sampaio Corrêa: depois de uma passagem rápida pela Série C, o Bolívia Querida retoma o seu lugar no Campeonato Brasileiro Série B. A última participação do clube na competição foi em 2016.

São Bento: Após 35 anos, o time paulista está de volta à Série B para sua terceira participação na competição.

Quem desceu da Série A 2017​
Avaí: com a 18ª colocação na Série A do ano passado, o clube catarinense volta a disputar a Série B. Assim como fez em 2016, o Leão vai em busca de um novo acesso.

Atlético-GO: campeão da Série B em 2016, o Dragão vai disputar a competição mais uma vez, depois de terminar na lanterna da Série A de 2017.

Ponte Preta: jogando a Série A desde 2015, a equipe paulista terminou a edição do ano passado na 19ª posição e agora está de volta à Série B.

Coritiba: desde 2011 na elite do futebol brasileiro, o Coxa foi campeão da Série B em 2010 e 2007 e vai disputar a competição mais uma vez na atual temporada após terminar a Série A de 2017 no 17º lugar.

Confira os jogos que abrem a primeira rodada do Brasileiro Série B:

sb-20180412221033_0

 

 

 Com informações da CBF

Acidente entre caminhão e van escolar deixa feridos na Grande SP

Choque ocorreu em Carapicuíba; 16 viaturas dos bombeiros foram ao local

Uma batida entre um caminhão e uma van escolar deixou ao menos 15 pessoas feridas no final da manhã desta sexta-feira (13), em Carapicuíba (Grande São Paulo). Doze vítimas foram atendidas pelo Corpo de Bombeiros e outras três socorridas por moradores da região que passavam pelo local. A maior parte dos atingidos ficou presa às ferragens.

aci-15236473585

Van, que foi atingida por caminhão, em Carapicuíba; ao menos nove crianças dos 17 ocupantes do veículo ficaram feridas no acidente Adriano Vizoni/Folhapress

Segundo o major da PM Sérgio Cardim, 17 pessoas estavam na van, entre elas 15 crianças, o motorista e um ajudante. O veículo levava elas para a escola, a Fieb (Fundação Instituto de Educação de Barueri), em Alphaville. Nove ficaram feridas.

Um menino de 13 anos teve politraumatismo e foi levado de helicóptero para o Hospital das Clínicas. No final da tarde, a unidade informou que ele estava internado em estado grave, mas não deu mais detalhes.

Outra vítima teve parada cardiorrespiratória, passou por massagem cardíaca no local e foi levada para o hospital geral de Carapicuíba, que recebeu oito vítimas. Uma delas, que precisava de atendimento especializado neurológico, foi transferida para o hospital regional de Osasco.

Responsável pelos dois hospitais, a Secretaria Estadual de Saúde, do governador Márcio França (PSB), candidato à reeleição, afirmou que não vai informar o estado das vítimas atendidas nas unidades.

De acordo com a atualização mais recente dos bombeiros, por volta das 16h, cinco crianças tiveram traumatismo ou alguma contusão no crânio, além de outras fraturas. Ao todo, 16 equipes da corporação participaram da operação de socorro.

A técnica de radiologia, Edna Leal, 41, foi avisada do acidente com a sua filha, Ana Clara, 13. A menina teve uma fratura na tíbia e na fíbula, passou por operação e está na UTI.

“Ela está bem agora, está estável”, diz a mãe. Ao chegar no local, Edna conta que “pensou no pior”. “Vi muito sangue, e a minha filha estava na prancha, mas graças a Deus com ela foi um mal menor.” Ela reclama das condições de segurança da região do acidente. “Aquele percurso tem muito declive e não tem sinalização, é muito perigoso”.

Testemunhas relataram que o caminhão desceu uma via íngreme com problemas no freio e, em seguida, chocou-se com a van escolar, que rodou no próprio eixo. O caminhão atingiu ainda o muro de uma casa e destruiu um poste. De acordo a Prefeitura de Carapicuíba, a van era particular, estava regularizada e havia passado por vistoria há 15 dias. O motorista e seu ajudante também ficaram feridos.

Poucos segundos antes do acidente, Clara, 11, aguardava a van para ir à escola. “O tio buzinou, deu ré e abriu a porta para eu entrar.” Da porta do prédio, ela viu o caminhão atingir a van e foi puxada para dentro por uma vizinha.

“Ela viu tudo, ficou em estado de choque, bem nervosa. Estamos evitando de falar com ela sobre o que aconteceu”, diz a mãe, a gerente de loja Juliana Teodoro, 35. A vizinha telefonou para Juliana e a avisou do acidente. A mãe, preocupada, perguntava por notícias dos colegas de Clara. “São amiguinhos da van dela”.

TESTEMUNHA
O carro do eletricista José de Carlos de Vasconcelos, 56, foi atingido pelo caminhão antes do choque com a van. Ele descia a rua e, ao virar para a esquerda, na base da ladeira, sentiu o caminhão bateu na traseira do seu carro. “Acho que amorteceu um pouco, antes de atingir a van”, diz ele, que mora no bairro. José não ficou ferido e conseguiu parar o carro para tentar ajudar no socorro.

Segundo ele, o motorista teria dito que estava sem freio. “Ele disse que gritou, mas ninguém escutou. Um mês atrás um caminhão bateu em uma casa ali perto”, conta José. Ele afirma que os bombeiros demoraram cerca de vinte minutos para chegar. “Tinha criança para fora, ensanguentada. Algumas estavam desmaiadas, outras gritavam e choravam”.

O delegado Pedro Buk, do 1º DP de Carapicuíba, onde o caso será investigado, disse que os veículos foram apreendidos e a perícia técnica e mecânica, para averiguar qualquer problema no freio do caminhão, será realizada na segunda-feira (16).

“Ou o motorista perdeu o freio ou estava dirigindo com excesso de velocidade, mas até agora trabalhamos com lesão corporal culposa [sem intenção]”. O motorista pode ser acusado de negligência ou imprudência ao volante.

A proprietária do caminhão, Andressa, 25, que não quis informar o sobrenome, disse que o veículo passou por manutenção há 15 dias e não tinha problemas técnicos. “Presto serviço para uma empresa de transporte, eu que contratei o motorista.”

CASA ATINGIDA
Além de atingir a van, o caminhão também bateu contra o muro de uma casa, destruindo o portão, parte do teto e uma viga. O dono do imóvel, o eletricista Eduardo Soares, 45, estava chegando ao local quando houve o acidente.

Seu filho, Daniel, 14, estava em casa e chamou os bombeiros. “Eu estava almoçando para ir para a escola, quando ouvi o barulho. Saí pela casa da vizinha porque fiquei com medo de a minha desabar”, conta ele. O menino disse que ficou assustado e chamou os bombeiros.

Seu vizinho, o vigilante Vagner, de 41 anos, ajudou a resgatar as crianças da van. Ele não quis dar o seu sobrenome. “Tentamos acalmar as crianças, que estavam desesperadas, e colocamos deitadinhas no chão”, afirma.

 

 Marina Estarque
Dhiego Maia
Da Folha de São Paulo

Postos de saúde de São Paulo vacinam contra febre amarela no fim de semana

sau-1112113-

A campanha contra a febre amarela começou em setembro do ano passado na zona norte da capitalTomaz Silva/Agência Brasil

Com a meta de imunizar 95% da população contra a febre amarela ainda neste semestre, mais de 80 postos de saúde da capital paulista estarão abertos no sábado (14). A maior parte das unidades vai funcionar de 8h às 17h ou das 7h às 14h. Há postos com horários diferenciados. A lista com as unidades de plantão estão publicadas no site da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo.

O Parque Mário Covas, na Avenida Paulista, vai receber no domingo (15) uma tenda para aplicação da vacina. A ação faz parte do encerramento da quarta edição da Virada da Saúde, promovida pela Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo, e funcionará das 11h às 14h. Para participar, é preciso levar documento de identificação e, se possível, carteira de vacinação e cartão SUS.

A campanha contra a febre amarela começou em setembro do ano passado na zona norte da capital e foi ampliada gradativamente, priorizando as áreas de maior vulnerabilidade. Desde março deste ano, a medida foi estendida para todos os 96 distritos do município.

A secretaria pediu que os moradores que ainda não receberam a dose procurem uma unidade para se proteger da doença. Até quarta-feira (11), 6.340.952 pessoas foram vacinadas na capital, o que representa 54,2% do público-alvo. A meta é imunizar 95% dos moradores de São Paulo até 30 de maio, data prevista para o término da campanha.

“As filas desnecessárias do início do ano desapareceram. Porém é muito importante que as pessoas procurem as unidades para se imunizarem contra a doença. Todos os postos de saúde da capital estão aplicando a dose”, disse o secretário de saúde, Wilson Pollara.

Para localizar a Unidade Básica de Saúde mais próxima do endereço, basta acessar a ferramenta  Busca Saúde.

A vacina contra a febre amarela não é indicada para crianças menores de 9 meses de idade, gestantes, mulheres amamentando crianças com até 6 meses e pacientes com imunodepressão de qualquer natureza, com câncer, com HIV, em tratamento com drogas imunossupressoras (corticosteroides, quimioterapia, radioterapia, imunomoduladores) e submetidos a transplante de órgãos. Em caso de dúvida, é importante consultar o médico antes de se vacinar.

 
Da Agência Brasil

Governo propõe salário mínimo de R$ 1.002 para o próximo ano

min-1116260

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, falou à imprensa após reunião do presidente Michel Temer com a nova equipe ministerial, no Palácio do PlanaltoAntonio Cruz/Agência Brasil

Pela primeira vez, o valor do salário mínimo ultrapassará R$ 1 mil. O governo propôs salário mínimo de R$ 1.002 para o próximo ano, o que representa alta de 5% em relação ao atual (R$ 954). O valor consta do projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2018, apresentado hoje (12) pelos ministros do Planejamento, Esteves Colnago, e da Fazenda, Eduardo Guardia.

Em 2019, a fórmula atual de reajuste será aplicada pela última vez. Pela regra, o mínimo deve ser corrigido pela inflação do ano anterior medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) mais a variação do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e dos serviços produzidos no país) de dois anos anteriores.

Em 2017, o PIB cresceu 1%. Para a estimativa de inflação, o governo considerou a previsão de 4% para o índice de inflação que consta do Boletim Focus, pesquisa com mais de 100 instituições financeiras divulgada toda semana pelo Banco Central.

A LDO define os parâmetros e as metas fiscais para a elaboração do Orçamento do ano seguinte. Pela legislação, o governo deve enviar o projeto até 15 de abril de cada ano. Caso o Congresso não consiga aprovar a LDO até o fim do semestre, o projeto passa a trancar a pauta.

 

 

Da Agência Brasil