Carille leva Pedrinho e Sheik para o banco contra o Independiente

cor_0734

O técnico Fábio Carille decidiu na noite desta terça-feira levar o meia Pedrinho e o atacante Emerson Sheik para o banco de reservas da equipe do Corinthians na partida contra o Independiente, nesta quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), na Arena, pela Copa Libertadores da América. O comandante terá apenas sete suplentes à disposição, limite máximo determinado pela Conmebol para competições sul-americanas.

O armador, que ficou fora do duelo na Argentina, participará do seu segundo jogo pelo principal torneio do continente. Ele já havia sido aproveitado no duelo contra o Deportivo Lara-VEN, em Itaquera, que terminou com vitória corintiana por 2 a 0. Sheik, por sua vez, não apareceu no gramado nesta terça e suscitou dúvidas sobre sua condição física, mas estará presente entre as opções de Carille.

Os desfalques ficam por conta do zagueiro Léo Santos (tendinite no joelho direito), do lateral direito Fagner (estiramento muscular na coxa direita), dos volantes Ralf (luxação no ombro esquerdo) e Renê Júnior (lesão no menisco do joelho direito), além do atacante Clayson (dores no joelho direito).

Sem Clayson, o provável time para encarar os argentinos tem o retorno de Jadson e a manutenção de Mateus Vital, desta vez ocupando a ponta esquerda, na vaga do camisa 25. Jadson, por opção da comissão técnica, não faz mais a função pelos lados do campo, como ocorreu no ano passado. Dessa forma, o Timão que vai a campo tem Cássio; Mantuan, Balbuena, Henrique e Sidcley; Gabriel e Maycon; Romero, Jadson, Rodriguinho e Mateus Vital.

Veja os jogadores relacionados:

Goleiros: Caique e Cássio
Laterais: Mantuan e Sidcley
Zagueiros: Balbuena, Henrique e Pedro Henrique
Volantes: Gabriel, Maycon e Paulo Roberto
Meias: Jadson, Marquinhos Gabriel, Mateus Vital, Pedrinho e Rodriguinho
Atacantes: Emerson, Júnior Dutra e Romero

 

 

Da Gazeta Esportiva São Paulo, SP

 

Por primeiro lugar do grupo, Santos visita o Nacional no Uruguai

sfc-1024x681

Santos reencontra o Nacional (Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press)

O Santos tem tudo para se classificar às oitavas de final da Libertadores da América já nesta terça-feira, com uma rodada de antecedência, na partida contra o Nacional, às 21h30 (de Brasília), no Estádio Parque Central, no Uruguai. Mais do que isso, pode garantir o primeiro lugar do Grupo 6 e ter a vantagem de decidir as eliminatórias em casa.

Uma vitória deixa o Peixe com 12 pontos e a liderança confirmada. Um ponto carimba a vaga nas oitavas. E se perder, pode se classificar da mesma forma em caso de empate ou vitória do Estudiantes diante do Real Garcilaso, no Peru, também nesta terça, às 19h30.

“A expectativa é muito boa por tudo aquilo que a gente vem fazendo dentro dessa competição, que é muito difícil, exige muita disciplina e entrega. Realmente é uma competição diferente das outras. A gente sabe que mesmo com um resultado negativo, permanecemos na primeira colocação, só que um maior número de pontos faz com que a gente tenha vantagem ao longo da competição. Vamos em busca disso, a gente quer maior vantagem até o final da competição, para resolvermos da melhor maneira possível”, disse Daniel Guedes.

Para voltar ao Brasil com a vaga e o primeiro lugar, o Santos do técnico Jair Ventura precisará superar dois desfalques importantes: Lucas Veríssimo, suspenso, e Eduardo Sasha, lesionado. Luiz Felipe na defesa e Jonathan Copete no ataque são os prováveis substitutos.

O Peixe descansou no fim de semana porque a partida contra o Vasco, que seria no domingo, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro, foi adiada para o dia 16 de julho. O elenco está em boas condições físicas depois de vencer o Estudiantes por 2 a 0, na Vila Belmiro, na última terça-feira.

sfc-096

Lateral direito Fucile teve passagem pelo Santos (Reprodução)
Adversário indigesto

Com time titular, o Nacional só perdeu uma vez em 2018, justamente para o Santos – 3 a 1 no Pacaembu. No total, são 22 partidas, com 15 vitórias, cinco empates e dois tropeços. A equipe uruguaia lidera o campeonato nacional.

Um desfalque certo no Decano é Peruzzi, com lesão muscular na coxa direita. Espino, Polenta e o experiente Álvaro González são as alternativas. Fucile, ex-Santos, é o curinga. Com Espino ou Polenta, jogaria na direita. Com González, na esquerda.

Se vencer o Santos, o Nacional irá a oito pontos, permanecerá na segunda colocação e dependerá de si mesmo na última rodada, contra o Estudiantes, em La Plata, no dia 24 de maio. O Peixe encerrará sua participação contra o Real Garcilaso, na Vila Belmiro ou Pacaembu, na mesma data.

FICHA TÉCNICA
Nacional-URU x Santos

Local: Parque Central, em Montevidéu
Data: 1 de maio de 2018
Horário: 21h30 (de Brasília)
Árbitro: Wilmar Roldan (COL)
Assistentes: Alexander Guzman e Cristian de la Cruz (COL)

NACIONAL: Conde, Fucile, Corujo, Arismendi e Espino (Polenta ou Álvaro González); Zunino, Oliva, Cebolla Rodríguez e Bueno; Viudez e Bergessio.
Técnico: Alexander Medina

SANTOS: Vanderlei, Daniel Guedes, Luiz Felipe, David Braz e Dodô; Alison, Léo Cittadini e Jean Mota; Copete, Rodrygo e Gabigol
Técnico: Jair Ventura

Defesa Civil vai vistoriar prédios ocupados no centro de São Paulo

def_abr20120408_0927

Bombeiros fazem rescaldo de escombros de prédio que pegou fogo em SP/Rovena Rosa/Agência Brasil

A Defesa Civil vai vistoriar, nos próximos 45 dias, os cerca de 70 prédios ocupados no centro da cidade de São Paulo, que abrigam aproximadamente 4 mil famílias, de acordo com o prefeito Bruno Covas. A declaração foi dada em coletiva de imprensa, após o incêndio e desabamento do edifício localizado no Largo do Paissandu, na madrugada de hoje (1º), que estava ocupado por cerca de 120 famílias. O objetivo é identificar se os prédios ocupados apresentam riscos. A partir das vistorias, Covas disse que a prefeitura definirá o que fazer nesses locais.

“Em alguns casos, nós temos falta de documentação, o que não significa que há iminência de risco, portanto queremos fazer o levantamento para ver em quais a gente precisa atuar em curtíssimo prazo para que eventualidades como essa não aconteçam. A partir do levantamento é que nós vamos estabelecer um plano de ação”, disse o prefeito.

Segundo Covas, neste ano, foram feitas seis reuniões entre a secretaria municipal de Habitação e moradores do edifício que desabou, com a finalidade de negociar uma desocupação. Covas admitiu que, na avaliação da prefeitura, o prédio não estava adequado e não tinha as “condições necessárias” para moradia daquelas pessoas.

No entanto, não foi oferecida uma opção de moradia aos ocupantes, somente a possibilidade de recebimento do auxílio aluguel e inserção das pessoas na fila de programas habitacionais.

Atualmente, o deficit habitacional do município de São Paulo é de mais de 360 mil unidades habitacionais. “Isso [negociações] não é por acaso, é porque a gente sabia que aquele não era o local adequado para recebimento daquelas famílias e uma eventualidade poderia acontecer”, disse.

Hoje foram cadastradas 118 famílias, um total de 320 pessoas, que moravam no prédio incendiado. Aquelas que não tinham para onde ir, foram levadas pela prefeitura para o Núcleo de Convivência Prates e o Centro de Acolhida Pedroso. Segundo a secretaria municipal de Assistência Social, há 107 centros de acolhida na cidade que podem receber os desabrigados.

O prefeito afirmou que, em até 48 horas, a prefeitura vai disponibilizar a lista de cadastrados para o governo do estado de São Paulo comece a pagar o auxílio-aluguel.

No entorno do Largo do Paissandu, cinco prédios estão interditados devido ao desabamento. Informações sobre as ruas que permanecerão interditadas podem ser obtidas no site da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

 

Da Agência Brasil São Paulo

‘Com medo de vaia’, presidenciáveis evitam palanque no Dia do Trabalho

Manuela D’Ávila, Paulo Rabello de Castro e Aldo Rebelo foram os pré-candidatos presentes em ato em São Paulo

“Com medo de vaia”, segundo Paulinho da Força, os quase dez pré-candidatos à Presidência foram convidados, mas não apareceram no ato da Força Sindical deste 1º de Maio, Dia do Trabalho, em São Paulo, salvo por três deles, que expressaram pessimismo ao falar do país.

Manuela D’Ávila (PCdoB) pediu a revogação da reforma trabalhista, “que retira direitos dos trabalhadores, paga menos e faz com que trabalhem muito mais”.

Referindo-se ao incêndio e consequente desabamento de prédio em São Paulo, Paulo Rabello de Castro (PSC) disse que “foi a República do Brasil que desabou em cima do trabalhador e a trabalhadora brasileira”.

ccc-15247576495

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) Gabriel Cabral – 12.mar.18/Folhapress

Com 13,7 milhões de desempregados, número em ascensão, segundo o IBGE, “quem quer governar o país tem a obrigação moral de gerar emprego”, discursou Aldo Rebelo (Solidariedade).

Manuela e Aldo deixaram o evento para viajar a Curitiba, onde haverá ato unificado em homenagem à classe trabalhadora e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso na capital paranaense. Antes, no entanto, Manuela passou no evento da CUT, no centro de São Paulo.

Esperados no comício em São Paulo, o governador Márcio França (PSB) e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que também se coloca como candidato ao Planalto, não compareceram.

França atribuiu sua ausência ao desabamento. O prefeito Bruno Covas (PSDB) passou pelo ato, na praça Campos de Bagatelle, mas ficou no camarim e não subiu no palanque.

No ano passado, o então prefeito João Doria (PSDB) foi duramente criticado por sindicalistas por defender a reforma trabalhista.

“O povo não está muito contente com a política nacional, está todo mundo correndo de vaia”, afirmou o deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, presidente do Solidariedade, organizador do ato.

Em seu discurso, ele disse que “perdeu no Congresso para a elite brasileira”, que aprovou a reforma trabalhista “para acabar com o direito dos trabalhadores e destruir a estrutura sindical”.

Sem a contribuição sindical obrigatória, Paulinho disse que teve dificuldade para viabilizar o evento, que custou R$ 2 milhões, dos quais R$ 100 mil foram repassados pela Caixa Econômica Federal e R$ 400 mil pela Força.

Os patrocinadores foram Hyundai e o banco BMG, entre outros.

Segundo Plínio Sarti, sindicalista com décadas de atuação, este 1º de Maio “foi o menos grandioso em 20 anos”.

“Isso se deve ao desmantelamento da estrutura sindical pela reforma trabalhista, à implosão de todo o sistema”, disse.

Com público estimado em 400 mil pessoas, segundo os organizadores, o ato político durou cerca de uma hora para então dar lugar a shows de cantores como o funkeiro Nego do Borel e Simone, da dupla de feminejo (sertanejo feminino) Simome e Simaria.

Em breve entrevista após seu show, Nego do Borel foi indagado sobre sua namorada, sua dieta e a dieta do apresentador Faustão. Ao final, instigado a falar sobre o Dia do Trabalho, o cantor disse para os jovens da periferia não desistirem de seus sonhos.

CUT
No começo da tarde, a CUT também iniciou seu evento de 1º de Maio na Praça da República, centro de São Paulo. As principais lideranças do PT, no entanto, estavam em Curitiba e não tinham previsão de participar do ato.

Se apresentarão no local o cantor Chico César, a escola de samba Paraíso do Tuiuti e a sambista Leci Brandão, entre outros.

Antes dos shows, a presidenciável Manuela D’Ávila discursou rapidamente, com críticas à reforma trabalhista e a quem responsabilizou os moradores pelo desabamento de um prédio na capital paulista.

“Eu ouvi e li, porque a gente ouve e lê cada coisa que não dá para acreditar, que a culpa era deles [moradores]. A culpa, quando existe um trabalhador ou trabalhadora que não tem teto e ocupa um ambiente completamente desfavorável, é do estado”, afirmou.

Em camisas e em cartazes, os participantes pediam a liberdade do ex-presidente Lula e resultado nas investigações sobre a morte da vereadora carioca Marielle Franco (PSOL).

Colaborou José Marques, de São Paulo.
Thais Bilenky
Da Folha de SÃO PAULO

 

Presidenciáveis 2018Ex-ministro Guilherme Afif Domingos (PSD)

    1. Ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB)
    2. O ex-ministro Aldo Rebelo (Solidariedade)
    3. O ex-ministro Ciro Gomes (PDT)
    4. Flávio Rocha, fundador da Riachuelo, deixou comando da empresa para disputar Presidência
    5. Levy Fidelix, presidente nacional do PRTB
    6. O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL)
    7. O presidente da República, Michel Temer (MDB)
    8. O ex-ministro e governador Jaques Wagner (PT)
    9. O ex-ministro do STF Joaquim Barbosa (PSB)
    10. O líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), Guilherme Boulos
    11. A deputada estadual Manuela D'Ávila (PC do B)

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ)

Prédio desaba após incêndio na região central de São Paulo

Um prédio de mais de 20 andares desabou na madrugada de hoje (1º) na região central de São Paulo, após incêndioo. O fogo também atingiu um prédio ao lado. Segundo informações do Corpo de Bombeiros, o incêndio teria começado por volta de 1h30. Bombeiros que estão no local informam sobre a morte de uma pessoa e três desaparecidas.

incendio

Incêndio em prédio do centro de São Paulo deixa um morto e três pessoas desaparecidas
Foto: Fotos Públicas/ Corpo de Bombeiros São Paulo / Divulgação

O desabamento do prédio, localizado no Largo do Paissandu, ocorreu por volta da 3h, em consequência das chamas. As causas do incêndio ainda são ignoradas, mas as informações iniciais são de que o fogo começou no 5º andar do prédio .

Alguns prédios próximos foram evacuados e toda área está isolada. Mais de 100 homens de várias unidades do Corpo de Bombeiros estão no local. As informações da Defesa Civil são de que o prédio que desabou era ocupado por várias famílias.