Grêmio avança, e Palmeiras estreia com vitória

gggr-20180509220330_0

Créditos: Lucas Uebel/Grêmio FBPA

O Grêmio está nas quartas de final da Copa do Brasil 2018! Nesta quarta-feira (9), o time gaúcho recebeu o Goiás em Porto Alegre e voltou a vencer, dessa vez por 3 a 1. Estreando na competição, América-MG e Palmeiras disputaram o jogo de ida das oitavas de final, no Independência, e o time paulista levou e melhor: 2 a 1.

Com o time reserva em Porto Alegre, o Grêmio recebeu o Goiás e garantiu a classificação para a próxima fase com a vitória por 3 a 1. No primeiro confronto, a equipe gaúcha já havia vencido por 2 a 0. Precisando reverter o placar da ida, o Verdão partiu para o ataque e teve a primeira chegada, quando Carlos Eduardo se livrou da marcação e chutou forte de canhota para boa defesa de Paulo Victor. No rebote, Samuel finalizou mal e isolou a bola. Logo na sequência, aos 13 minutos, o Tricolor respondeu com o chute cruzado de Alisson, que entrou: 1 a 0. Depois, o time da casa passou a pressionar e teve boas chances de ampliar o placar. No entanto, o Esmeraldino foi quem balançou as redes. Aos seis minutos da etapa complementar, Maranhão recebeu de Jefferson, dominou de calcanhar e, sem deixar a bola cair, bateu de primeira para deixar tudo igual. O Grêmio voltou a ficar na frente aos 30, quando Alisson deu bom passe para Thaciano bater cruzado e ampliar. No final da partida, aos 45, Alisson passou com facilidade pela defesa do Goiás e fechou a vitória gremista.

Estreando na competição, América-MG e Palmeiras se enfrentaram no Independência. O time paulista levou a melhor: vitória por 2 a 1. Os dois times iniciaram a partida buscando o gol a todo instante. Em uma das boas chances para os palestrinos, Bruno Henrique passou para Borja, sem goleiro, que acabou chutando para fora. Depois foi a vez do Coelho desperdiçar ótima oportunidade, quando Serginho recebeu de Aderlan, dominou, girou, mas chutou para fora. Aos 37 minutos, o colombiano palmeirense se redimiu. Lucas Lima cruzou bem para Borja, que dessa vez não errou: 1 a 0. Keno marcou o segundo, aos 11 minutos da etapa complementar, ao tabelar com o colombiano e chutar por baixo das pernas de João Ricardo. O América não se intimidou e deu trabalho até os minutos finais, conseguindo descontar aos 27. Antônio Carlos perdeu a bola para Aylon, que tocou para Serginho marcar o gol dos mineiros. Com a vantagem, o Palmeiras joga pelo empate no jogo de volta, enquanto o América precisa reverter o saldo negativo de um gol. Os times voltam a jogar no dia 23, no Allianz Parque.

 

CBF

Gol de canela de Diego Souza classifica o São Paulo na Sul-Americana

O São Paulo está na segunda fase da Copa Sul-Americana. A vitória na noite dessa quarta-feira tinha tudo para acontecer sem grandes sustos, não fossem os gols inacreditáveis que os mandantes desperdiçaram nos minutos iniciais. Quis o destino que um gol de canela de Diego Souza, meio sem querer, garantisse o triunfo por 1 a 0 diante de pouco mais de 33 mil torcedores no estádio do Morumbi. O drama no fim depois das expulsões de Cueva e Petros só serviu para que a vaga fosse ainda mais festejada pelos tricolores.

Desde de antes do início, o clima era de decisão. A torcida do São Paulo entendeu a importância de apoiar o time para não ficar mais um ano apenas com o Campeonato Brasileiro em vista a sete meses do fim da temporada. A recepção, então, foi de gala, com o tradicional ‘corredor de fogo’ no portão principal da casa tricolor.

O time entendeu o recado e entrou em campo com a faca nos dentes. Embalado por um Morumbi não lotado, mas cheio e empolgado, o time de Diego Aguirre teve três chances daquelas que parece mais difícil errar do que colocar a bola na rede.

Mas não há torcedor que perdoe os gols que Diego Souza, Petros e Nenê desperdiçaram. O primeiro furou de dentro da pequena área. Na sequência, o volante, totalmente livre, conseguiu errar o alvo praticamente embaixo do travessão, já sem goleiro a sua frente. Enquanto o meia, cara a cara, parou em defesa milagrosa de Jeremias Ledesma.

gaz-gazeta-press-foto-1111891-1024x627

Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press

Tudo isso antes do cronômetro atingir os 20 minutos de jogo. Seria o início de partida perfeito para os são-paulinos ganharem de uma só vez a tranquilidade que precisam no campo e também o respaldo de seus torcedores mais impacientes.
Os erros diante da meta argentina tão difíceis de explicar, no entanto, mudaram o panorama do jogo. O Rosario Central, aliviado pelo benefício da incompetência ofensiva do São Paulo, teve a inteligência de colocar a bola no chão e esfriar o ímpeto tricolor.

Antes do intervalo, Sidão ainda fez boa defesa após finalização rasteiro de Da Campos, o que não impediu as vaias assim que soou o apito do árbitro para decretar o fim do primeiro tempo.

Depois de 15 minutos para acalmar sua insatisfação, a torcida são-paulina talvez tenha refletido e entendido o quão poderia atrapalhar seus já tensos e pressionados jogadores em campo. O que se viu, então, foi o apoio de volta assim que o esquadrão tricolor retornou dos vestiários.

Com Arboleda no lugar de Anderson Martins, que sentiu uma pancada na perna, o São Paulo demorou a engrenar na etapa final. Percebendo isso, Aguirre resolveu sacar Valdívia, que não foi bem em seu retorno à titularidade depois de quatro confrontos, para apostar em Cueva.

Na sequência, o Morumbi silenciou por alguns segundos. Marco Rubén encontrou Pereyra dentro da área. O atacante argentino bateu de primeira, a bola raspou a trave de Sidão e o coração dos tricolores voltou a bater aliviado.

Era hora de dar a resposta, até para não deixar a tolerância de sua torcida chegar ao fim cedo demais. Liziero, então, tirou o coelho da cartola e encontrou Reinaldo com espaço dentro da área. O lateral esquerdo bateu cruzado, a bola tocou na trave e foi de encontro a canela de Diego Souza, que mesmo no susto, mandou para as redes e fez explodir o Morumbi.

De criticado e quase emprestado, Diego Souza já é o artilheiro da equipe no ano, com cinco gols, e ao ser substituído por Tréllez ouviu mais que aplausos, e teve o nome gritado por parte da torcida.

Como era de se esperar, o Rosario contava com sua força defensiva para tentar especular nos contra-ataques, ou no mínimo levar a decisão aos pênaltis. Ao levar o gol, a responsabilidade mudou de lado, e aí faltou força de reação e futebol para os visitantes buscarem o empate que lhes daria a classificação. Apenas 19º no Campeonato Argentino e com técnico interino no comando, o Rosario agora acumula seis jogos sem saber o que é vitória – cinco derrotas e um empate.

O São Paulo, é verdade, não voltou a assustar. Mesmo assim, fez o que dele se esperava: venceu, se classificou e evitou a repetição do cenário de 2017, quando o time ficou apenas com o Campeonato Brasileiro em disputa antes mesmo da virada de semestre.

Como não podia deixar de acontecer, teve confusão nos minutos finais e o São Paulo acabou o jogo com menos dois atletas em campo: Cueva e Petros foram expulsos. O que só serviu para motivar os gritos de “time de guerreiros” vindo das arquibancadas.

Pela Copa Sul-Americana, o time terá de aguardar sorteio da Conmebol. Por enquanto, sabe-se apenas que a segunda fase acontecerá entre os dias 15 julho e 18 de agosto. Já no domingo, o desafio é contra o Bahia, na Fonte Nova, em Salvador, às 16 horas (de Brasília).

FICHA TÉCNICA
SÃO PAULO 1 X 0 ROSARIO CENTRAL

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 9 de maio de 2018, quarta-feira
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Eber Aquino (PAR)
Assistentes: Milciades Saldivar (PAR) e Carlos Caceres (PAR)
Público: 33.862 torcedores
Renda: R$ 755.365,00
Cartão Amarelo: Jucilei (São Paulo); Da Campo, Camacho e Leonardo Gil (Rosario Central)
Cartão Vermelho: Cueva e Petros (São Paulo)

GOL:
SÃO PAULO: Diego Souza, aos 15 minutos do segundo tempo

SÃO PAULO: Sidão; Régis, Anderson Martins (Arboleda), Bruno Alves e Reinaldo; Jucilei, Petros, Liziero e Nenê; Valdívia (Cueva) e Diego Souza (Tréllez)
Técnico: Diego Aguirre

ROSARIO CENTRAL: Ledesma; Ferrari, Mauricio Martínez, Cabezas e Parot; Ortigoza, Da Campo (Lovera), Leonardo Gil, Joaquín Pereyra (Herrera) e Camacho (Zampedri); Marco Rubén
Técnico: José Chamot

 

 

Tiago Salazar e José Victor Ligero
Gazeta Esportiva – São Paulo

 

 

Manifestantes fazem ato por moradia no Largo do Paissandu

mann-manifestacao-325

Movimentos sociais de defesa ao direito a moradia fizeram hoje (9) uma manifestação durante a tarde e início da noite na capital paulista. O ato teve início na praça da Sé e saiu em passeata até o Largo do Paissandu, onde o edifício Wilton Paes de Almeida desabou no último dia 1º.

Ao final da manifestação, foi realizado um ato ecumênico com a participação dos manifestantes e das famílias que moravam no prédio e que permanecem acampados no Largo do Paissandu, em frente à igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos.

“Esse ato mostra, em primeiro lugar, nossa indignação pela forma como as autoridades trataram aqui essa tragédia. Em segundo lugar, é a defesa dos movimentos populares que têm uma atuação séria na cidade de São Paulo”, destacou o coordenador nacional da Central de Movimentos Populares (CMP), Raimundo Bomfim.

No ato ecumênico, presidido pelo padre Júlio Lancellotti, conhecido pela atuação junto a moradores em situação de rua, velas foram acesas pelos manifestantes para “levar luz” ao local do acampamento e chamar atenção para a situação das famílias sem moradia.

“Estamos aqui para denunciar essa situação e dizer que, após nove dias de tragédia, as autoridades, o governo municipal em especial, não têm uma resposta concreta para essas famílias”, ressaltou Bomfim.

Auxílio-moradia
Em nota, a prefeitura informou que o pagamento de auxílio-moradia às vítimas do desabamento começou na última terça-feira e está sendo feito pela Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU), do Governo do Estado. As 116 famílias cadastradas pelo município foram chamadas para assinatura do termo de adesão e saque do benefício.

Segundo a administração municipal, outras 94 famílias dos imóveis interditados foram cadastradas pela Secretaria Municipal de Habitação. Segundo a prefeitura, elas deverão assinar, nos próximos dias, o termo de adesão ao auxílio para receber o benefício.

“Todas as famílias (tanto as que moravam no edifício quanto as que tiveram os imóveis interditados) receberão auxílio-moradia de R$ 1.200 no primeiro mês e de R$ 400 a partir do segundo, pago por um período de 12 meses, ou até a liberação do imóvel”, destacou a nota.

Resgate
O Corpo de Bombeiros permanece em busca por vítimas do desabamento nos escombros do edifício. Hoje, as equipes de resgate encontraram novamente fragmentos ósseos. O material foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) para análise e identificação. O tenente dos bombeiros, Guilherme Derrite, disse que, nove dias depois do desabamento, passou a ser “improvável” que vítimas sejam encontradas com vida.

“É improvável. O número de células de sobrevivência diminuiu. Quanto mais chegamos ao segundo subsolo, os escombros estão mais compactados”, disse. Segundo ele, devem ser necessários mais dez dias para que todos os escombros sejam inspecionados pelos bombeiros. Seis vítimas ainda são procuradas.

 
Da Agência Brasil Rio de Janeiro

 

Polícia Federal faz operação contra crimes praticados pela internet

Policiais federais estão hoje (10) nas ruas de seis cidades desde cedo numa operação contra crimes cometidos por meio da internet. Os investigados na Operação Bravata vão responder pelos crimes de associação criminosa, ameaça, racismo e incitação ao crime.

De acordo com a Polícia Federal (PF), os suspeitos utilizavam sites e fóruns mantidos na internet com objetivo de incentivar a prática de crimes, como estupro, assassinato de mulheres e negros e atos de terrorismo.

pf-1002806- zelotes_0886

Investigados na Operação Bravata vão responder pelos crimes de associação criminosa, ameaça, racismo e incitação ao crime (Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Segundo a PF, existem também evidências de que os investigados foram responsáveis por “ameaças de bomba encaminhadas a diversas universidades do país”.

Operação Intolerância
A ação desta quinta-feira é um desdobramento da Operação Intolerância, realizada em 2012, que investigou pessoas envolvidas nos mesmos crimes. Na ação de hoje, a polícia constatou que os indivíduos investigados aparentemente mantinham relações com os que foram presos na operação de 2012, inclusive com o uso dos mesmos sites e novas páginas na internet.

Cerca de 60 policiais federais cumprem um mandado de prisão preventiva e oito de busca e apreensão nas cidades de Curitiba, Rio de Janeiro, São Paulo, Recife, Santa Maria, no Rio Grande do Sul, e Vila Velha, no Espírito Santo.

De acordo com a PF, no nome da operação, Bravata, refere-se à maneira com que os suspeitos intimidavam suas vítimas, com “ameaças de maneira insolente, fanfarrice, comportamento de quem ostenta suas próprias qualidades, ação da pessoa presunçosa, arrogante e modo de agir de quem faz alarde de uma coragem que não possui”.

 

 
Da Agência Brasil Brasília