Independente do 21 sagra-se campeão da 1ª divisão do Campeonato de Futebol de Cotia

Da Redação

O Campeonato Municipal de Futebol 2018 encerrou com três grandes jogos finais no último domingo (5/08), no Estádio Euclides de Almeida

Nem a chuva fina e nem o frio de domingo (5/08) espantaram os torcedores que foram conferir as últimas finais do Campeonato Municipal de Futebol de Cotia 2018, no Estádio Euclides de Almeida. A competição chegou ao fim com as últimas finais disputadas pelas categorias 1ª Divisão, 2ª Divisão e Veteraníssimos.

Pela 1ª divisão, a equipe do Independente do 21 sagrou-se campeã ao derrotar o Leão do Morro (campeão pela categoria em 2017) pelo placar de 2 a 1. Os dois gols foram marcação de pênaltis, batidos pelo jogador Douglas Aparecido, conhecido como Dodô. O árbitro Raphael Claus (Fifa) apitou a partida com o apoio dos auxiliares Felipe Vasconcelos e Rogério Pinheiro.

Ailton Mathias, diretor e técnico do Independente desde de a sua fundação, em 1984, contou que essa foi a quinta final que o time participa e que o campeonato vem melhorando a cada edição. “Não vemos campeonato desse nível e gratuito em outros lugares. É legal ver o envolvimento do secretário [de Esportes, Cultura e Lazer] Cabo Givaldo, pois ele como um desportista entende bem do assunto e do que é necessário para que o campeonato dê certo. Estamos muito felizes”, disse.

No mesmo dia, jogaram os times E.C Cara no Prato e Camisa 13, pela 2ª divisão. O jogo terminou empatado em 1 a 1, no tempo regulamentar e, por isso, a decisão foi para os pênaltis. O Cara no Prato levou a melhor e cravou 4 a 2, conquistou o título e a vaga na 1ª divisão. O jogo foi apitado pelo árbitro da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Leandro Bizzio Marinho, ao lado dos auxiliares Felipe Vasconcelos e Rogério Pinheiro.

Torcedores lotaram o estádio. Alexandre Maia levou a família para acompanhar os jogos. “Gosto muito de futebol, esse ano acompanhei vários jogos pelo campeonato municipal e fiquei muito impressionado com a organização. Cotia precisava disso, valorizar nossos jogadores e apreciadores de futebol”, avaliou o torcedor.

Pela categoria Veteraníssimos de enfrentaram os times Amizade e Leão do Morro. O Amizade levantou a taça depois de cravar 4 a 2 no Leão do Morro levando a torcida ao delírio.

O secretário Cabo Givaldo disse que o campeonato de Cotia já está se tornando referência. “Procuramos fazer um trabalho cada dia melhor para o esporte e cultura de Cotia. Contamos com o total apoio do nosso Prefeito Rogério Franco, que nos dá liberdade e confia em nosso trabalho para melhorarmos a qualidade de vida da população. Parabéns aos campeões e a todos os times que entraram nesta competição e demostraram talento e espírito esportivo”, disse Givaldo.

Prestigiaram as finais o secretário Sérgio Folha (Habitação), o presidente do Legislativo, vereador Paulinho Lenha, além dos vereadores Edson Silva, Sandrinho e Eduardo Nascimento.

 

Fotos: Vagner Santoscotia-MG_1732 copiar (1)cotia-MG_1732 copiar (2)cotia-MG_1732 copiar (3)

Prefeitura de Embu das Artes garante continuidade do Movimento de Alfabetização de Jovens e Adultos

Da Redação

embu-movacapa

O Movimento de Alfabetização de Jovens e Adultos – MOVA é um programa educacional que visa combater o analfabetismo de pessoas que não tiveram a oportunidade de aprender a ler e escrever. Em Embu das Artes, o projeto surgiu em 1981, através de atividades de missionários católicos e que posteriormente foi assumido como projeto de governo, contribuindo com a diminuição da taxa de analfabetismo do município.

A partir de 2007, o Governo Federal assumiu o projeto em todo o País pelo Programa Brasil Alfabetizado, custeando o pagamento de uma bolsa auxílio aos educadores sociais.

Em maio de 2017, a Prefeitura de Embu das Artes recebeu uma notificação de que o Governo Federal não iria mais financiar o projeto em diversos municípios do Brasil. No mesmo ano, a administração municipal, sob a gestão do prefeito Ney Santos, junto com o secretário de Educação, Pedro Angelo, assumiu o compromisso de dar continuidade ao atendimento a todos os estudantes que já estavam sendo alfabetizados nos 14 núcleos do MOVA, garantindo o direito deles ao ensino e valorizando o trabalho dos educadores.

Agora em 2018, mesmo com as dificuldades econômicas vigentes no País, a Prefeitura manteve o compromisso de continuar com o MOVA ao longo deste ano, e ainda ampliou a quantidade de núcleos no município e aumentou em 12% a bolsa auxílio paga aos atuais 18 educadores sociais distribuídos em 16 núcleos, atendendo mais de 400 munícipes de Embu das Artes nos seguintes bairros: Vista Alegre, Servidão, Parque Jane, Jardim Dom José, Jardim Taima, Jardim da Luz, Jardim Pinheirinho, Jardim Silvia, Jardim Santa Luzia, Jardim Tomé, Jardim Embuarama, Parque Pirajuçara, Jardim do Colégio, Jardim dos Moraes, Jardim São Marcos, Jardim Magali, Jardim Valo Verde, Jardim Casa Branca, Jardim Vazame, Jardim São Vicente, Jardim Santa Tereza, Jardim Santa Rosa, Jardim Independência, Jardim Julia, Santa Clara e Ressaca.

Com isso, o Governo Municipal, além de garantir o direito à educação para os munícipes, atua na construção de um sistema de ensino municipal de qualidade.

Corinthians visita o Colo Colo e tenta mostrar que chegou a hora do bi

cori-DkCGwOMW4AAvs-43267

Corinthians inicia o mata-mata contra o Colo Colo, no Chile (Foto: Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians)

O Corinthians desembarcou em Santiago na última segunda-feira com o goleiro Cássio dizendo que o amadurecimento da equipe “tem que acontecer agora”, a tempo de conquistar o sonhado bicampeonato da Copa Libertadores da América. Um dos poucos remanescentes daquela conquista, o arqueiro e seus companheiros terão a oportunidade de iniciar essa caminhada no mata-mata nesta quarta, às 21h45 (de Brasíli), diante do Colo Colo, no estádio Monumental, pelas oitavas de final do torneio.

Depois de ser campeão em 2012, findando uma longa espera, o Timão conseguiu montar times badalados, com atletas que tornaram-se até base da Seleção Brasileira (Gil, Paulinho, Elias, Renato Augusto), e parecia destinado a reinar no continente. Com uma série de insucessos, passando por arbitragens controversas (Boca, 2013) e certa soberba (Guaraní-PAR, 2015), o clube nem sequer passou das oitavas desde então.

“Tem que ser agora (o amadurecimento), o quanto antes melhor. Sabemos que a nossa equipe é jovem e que está se reformulando, mas a gente vem bem. Todos os que chegaram já entenderam a nossa filosofia, que não muda independentemente de técnico ou elenco”, avaliou o arqueiro, que só terá a companhia de Emerson Sheik entre os campeões de 2012 no Chile. Ralf, sem a condição física ideal, e Danilo, por opção, ficaram no Brasil.

O duelo ganhou tamanha importância para os alvinegros que o técnico Osmar Loss, mesmo desejando uma “escalada” no Campeonato Brasileiro, poupou alguns titulares no final de semana, contra o Atlético-PR, para chegar com um time em boas condições físicas na casa do adversário.

Dessa forma, Fagner, Danilo Avelar e Gabriel, que não encararam o Furacão, voltam ao time frente ao Colo Colo. Clayson, que retoma sua melhor condição após perder dias de treinamento pelo falecimento da sua sogra, foi bancado pelo treinador e segue na ponta esquerda, com Mateus Vital indo para o banco de reservas.

Do outro lado, também em meio a um trabalho de reconstrução do elenco e da comissão técnica, o rival corintiano aposta em alguns conhecidos do futebol brasileiro. Maldonado, ex-volante, é auxiliar do técnico Héctor Tapia. No meio, Valdivia fica a cargo da armação para o atacante Lucas Barrios, ambos ex-Palmeiras. Esteban Paredes, um dos maiores ídolos do time chileno forma dupla com o paraguaio na frente.

FICHA TÉCNICA
COLO COLO X CORINTHIANS

Local: Estádio Monumental, em Santiago (Chile)
Data: 8 de agosto de 2018, quarta-feira
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Wilmar Roldan (Colômbia)
Assistentes: Alexander Guzman e John Alexander Leon (ambos da Colômbia)

COLO COLO: Orión; Opazo, Zaldivia, Insaurralde e Pérez; Carmona, Valdés, Baeza e Valdivia; Barrios e Paredes
Técnico: Hector Tapia

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Pedro Henrique, Henrique e Danilo Avelar; Gabriel e Douglas; Pedrinho, Romero, Jadson e Clayson
Técnico: Osmar Loss

 

Tomás Rosolino
Da Gazeta Esportiva – São Paulo, SP

Flamengo e Cruzeiro revivem decisão da Copa do Brasil na Libertadores

Menos de um ano depois de terem decidido o título da Copa do Brasil nos pênaltis, Flamengo e Cruzeiro voltam a protagonizar confrontos decisivos. Os dois times duelam, nesta quarta-feira, às 21h45(de Brasília), no Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ), pelo choque de ida das oitavas de final da Copa Libertadores. A Raposa levou a melhor na final de 2017 e chega empolgada pela primeira posição do Grupo 5. O Rubro-Negro ficou na segunda posição de uma chave vencida pelo River Plate.

Daquela final para cá as coisas mudaram muito, mas as duas equipes continuam com boas credenciais. O Cruzeiro ganhou ainda o título do Campeonato Mineiro, está nas quartas de final da Copa do Brasil, assim como o Flamengo, e sonha com o caneco continental. O Rubro-Negro sequer foi finalista em seu estadual, que teve o Botafogo como campeão, porém, briga pela liderança do Campeonato Brasileiro, onde o Cruzeiro é apenas o oitavo colocado

“São duas equipes muito quialificadas e serão dois jogos de grande nível, pois os investimentos foram pesados dos dois lados para que eles conquistem títulos relevantes como é a Copa Libertadores”, disse Mauricio Barbieri, comandante do Flamengo.

A influência da final da Copa do Brasil do ano passado no Flamengo foi minimizada pelo técnico do Cruzeiro, Mano Menezes. “Mesmo que a decisão do ano passado não tivesse acontecido e que os dois times não tivessem decidido o título, mesmo assim, poderíamos esperar dois grandes jogos, cercados de rivalidade, pelo que ambos representam para a Copa Libertadores e para o futebol brasileiro”, declarou.

FBL-LIBERTADORES-FLAMENGO-SANTAFEFlamengo perdeu a liderança do Brasileirão no último final de semana (Foto: Mauro Pimentel/AFP)

Barbieri seguiu na mesma linha do colega do time mineiro. “Não existe clima de revanche contra o Cruzeiro, mas é um clássico do futebol brasileiro. Um adversário muito forte e qualificado”, afirmou. “Temos um grupo muito maduro e acostumado a grandes decisões. Encaramos como mais uma grande decisão, assim como a que enfrentamos na Copa do Brasil, no Brasileiro. Não estamos hierarquizando os jogos. Estamos muito motivados. É uma decisão de 180 minutos”.

Os cruzeirenses preparam uma forte marcação para neutralizar o ímpeto flamenguista. “O Cruzeiro joga de maneira compactada, tentando encurtar os espaços do adversário e isso vai nos auxiliar muito no Maracanã, onde o Flamengo com certeza vai tentar pressionar. A gente tem a nossa característica de jogo, de dificultar o ataque adversário”, disse o zagueiro Léo, deixando claro que o Cruzeiro pretende repetir a estratégia no triunfo de 1 a 0 sobre o Santos, fora de casa, pelo confronto de ida das quartas de final da Copa do Brasil.

Em termos de escalação, o grande desfalque do Flamengo será o meia Lucas Paquetá, suspenso pelo segundo amarelo na primeira fase da Libertadores. Para seu lugar, Barbieri tem várias opções, como o jovem Jean Lucas, Rômulo, William Arão, e o mais novo reforço da equipe, o volante paraguaio Piris. Jean foi o substituto de Paquetá na última ausência deste na equipe, diante do Paraná Clube, na 11ª rodada do Campeonato Brasileiro. Já Arão, que esteve envolvido em uma frustrada transferência para a Grécia, não tem atuado muito, mas tem a maior experiência a seu favor. Rômulo e Piris aparecem como opções para um esquema de jogo mais cauteloso.

“Paquetá tem características únicas, que são dele, e nosso papel é encontrar alguém que possa cumprir a função e agregar outras coisas. O Paquetá tem muitas qualidades individuais e quem entrar terá outras que devemos explorar. O Jean é uma possibilidade, assim como o Piris”, despistou Barbiéri.

O treinador também não vai contar com o atacante Paolo Guerrero, que está em fim de contrato, mas alega dores musculares para não ir a campo. O colombiano Fernando Uribe deve ser mantido no time titular, com Lincoln ficando como opção no banco de reservas. No meio-de-campo uma disputa de ordem tática, com Vitinho disputando posição com o colombiano Marlos Moreno pela vaga que antes da Copa era de Vinicius Júnior, hoje no Real Madrid.

cru-28894489367_02b26e17f4_h
Mano Menezes poupou seus titularesa no jogo do final de semana (Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro)

No Cruzeiro, o técnico Mano Menezes adotou o mistério nos dois últimos trabalhos. Nos treinamentos dessa segunda-feira, nem o aquecimento dos jogadores a imprensa não pode acompanhar. Já nas atividades desta terça, os jornalistas puderam ver alguns pequenos momentos, mas os trabalhos são a portas fechadas.

O volante argentino Lucas Romero, suspenso por acúmulo de cartões amarelos, está fora do jogo, e Lucas Silva herda a sua vaga. Além disso, o atacante Rafael Sóbis levou uma pancada no tornozelo esquerdo, no duelo contra o Vitória, e também não vai para a partida contra o Rubro-Negro. No meio-de-campo, Thiago Neves e Rafinha disputam posição.

A grande dúvida de Mano Menezes está no ataque. Isso porque Barcos ainda trabalha para ficar em sua melhor forma, em contrapartida, Raniel vem pedindo passagem, com gols importantes. Para o meia Arrascaeta, são dois jogadores importantes.

“São dois jogadores de referência na área. Dois caras que fazem gol e ajudam muito o time. Para nós (do meio-campo) não muda quem vai jogar. O Barcos tem uma experiência muito grande, com carreira aqui no Brasil e fora. E o Raniel tem tudo para ser um grande jogador em nível europeu. (…) Ele é decisivo quando chega na área. É novo, mas já ganhou muita experiência para esse tipo de jogo”, destacou.

O confronto de volta entre Cruzeiro e Flamengo acontecerá no dia 29 de agosto, às 21h45 (de Brasília), no Mineirão, em Belo Horizonte (MG). O classificado deste duelo vai cruzar nas quartas de final com quem avançar do choque entre o argentino Boca Juniors e o paraguaio Libertad. Ambos também fazem o duelo de ida nesta quarta-feira, só que às 19h30(de Brasília), em La Bombonera, na Argentina.

FICHA TÉCNICA
FLAMENGO-BRA X CRUZEIRO-BRA

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 8 de agosto de 2018 (Quarta-feira)
Horário: 21h45(de Brasília)
Árbitro: Nestor Pitana (Argentina)
Assistentes: Hernan Maidana (Argentina) e Gustavo Rossi (Argentina)

FLAMENGO: Diego Alves, Rodinei, Léo Duarte, Réver e Renê; Gustavo Cuéllar, Jean Lucas (William Arão), Diego, Everton Ribeiro e Vitinho (Marlos Moreno); Fernando Uribe
Técnico: Mauricio Barbieri

CRUZEIRO: Fábio, Edilson, Dedé, Leo e Egídio; Henrique, Lucas Silva, Robinho, Thiago Neves (Rafinha) e De Arrascaeta; Hernán Barcos (Raniel)
Técnico: Mano Menezes

 

 

Gazeta Press e correspondente Marcellus Madureira – Rio de Janeiro, RJ

Universalização do saneamento no país economizaria R$ 1,4 bi por ano

A universalização do saneamento básico no Brasil geraria uma economia anual de R$ 1,4 bilhão em recursos gastos na área de saúde para tratar doenças provenientes da falta de coleta de esgoto e do fornecimento de água sem qualidade à população. O dado faz parte do panorama do setor de saneamento, apresentado nessa terça-feira (7) no 7º Encontro Nacional das Águas, na capital paulista.

De acordo com o levantamento, dos 5.570 municípios brasileiros, apenas cerca de 1,6 mil têm ao menos uma estação de tratamento de esgoto. São aproximadamente 100 milhões de pessoas sem acesso à coleta de esgoto e mais de 35 milhões sem receber água potável.

sane-saneamento_basico-6543
Saneamento básico (Marcello Casal Jr/Arquivo da Agência Brasil

Segundo os dados, o setor teria de investir uma média anual de R$ 15,2 bilhões em abastecimento de água e tratamento de esgoto nos próximos 20 anos para atingir a meta de universalização do saneamento básico em 2033, prazo estabelecido no Plano Nacional de Saneamento Básico (PNSB).

“Desde 2013, os investimentos em água e esgoto no Brasil não atingem o montante previsto no plano para alcançar a meta. De 2014 a 2016, o investimento no setor diminuiu em média 9% ao ano. Se a situação continuar a mesma, não há perspectivas para garantir a inclusão dos brasileiros que ainda não têm acesso aos serviços de água e esgoto”, disse o presidente do Sindicato Nacional das Concessionárias Privadas de Serviços Públicos de Água e Esgoto (Sindcon), Alexandre Lopes.

Novo marco legal

Publicada no Diário Oficial da União no início de julho, a Medida Provisória (MP) nº 844, que atualiza o marco legal do saneamento básico, continuou gerando debate entre os representantes de empresas privadas de saneamento, do governo e de entidades ligadas às empresas públicas do setor.

Um dos temores das empresas públicas é que, com o novo marco regulatório, as empresas privadas fiquem apenas com as cidades mais rentáveis e não se interessem pelos municípios mais pobres, afastados dos grandes centros.

O presidente da Associação das Empresas de Saneamento Básico Estaduais (Aesbe), Roberto Tavares, destacou que não é contra o aumento da participação privada, mas que isso deve ser feito de forma organizada e em parceria com as empresas públicas.

“Se alguém está saindo com a impressão de que as empresas estaduais são contrárias ao setor privado, mudem esse conceito. Muito pelo contrário. Somos extremamente favoráveis à entrada do setor privado, mas com economia de escala, e de preferência em parceria com as empresas estaduais. Nós temos habilidades que o setor privado vai levar mais tempo [para adquirir], por exemplo. Temos habilidade de negociar com prefeitos e câmaras de vereadores”.

Realidade

Chefe da Assessoria Especial da Casa Civil e uma das responsáveis pela elaboração do texto da medida provisória, Martha Seillier sustentou que a MP não tem por objetivo privatizar o setor de saneamento, nem retirar a competência das prefeituras, mas ampliar a concorrência entre as empresas públicas e privadas, mantendo uma regulação forte por parte da Agência Nacional de Águas (ANA).

“[A MP demonstra] o reconhecimento de que a realidade de universalização no Brasil sem o apoio, sem um incremento de esforços advindos da iniciativa privada, dificulta e muito a tarefa como um todo. Tem espaço de sobra para que a iniciativa privada entre no Brasil, principalmente nessa área do saneamento, e contribua com a universalização na prestação de serviços”, disse.

“Não é a questão de dizer que um é melhor que o outro, é que existe um limite orçamentário, existe um limite de capacidade de investimento por parte de todos os setores públicas. Nós sozinhos, governo, união, empresas estatais, empresas municipais não podemos nos orgulhar dos serviços que hoje são entregues à população brasileira”, acrescentou.

 

 

Da Agência Brasil