Eletrobras faz leilão para tentar vender 71 participações societárias

O preço mínimo estipulado é de R$ 3,1 bilhões para o total de ativos

Em leilão na B3, a Bolsa de Valores de São Paulo, a Eletrobras tentará vender hoje (27) um total de 71 participações da estatal em Sociedades de Propósito Específico (SPE). O leilão ocorrerá de manhã e o preço mínimo estipulado é de R$ 3,1 bilhões para a totalidade dos ativos.

As participações foram agrupadas em 18 lotes, que incluem ativos de geração eólica e linhas de transmissão. O leilão foi anunciado em agosto.

Ibiraci (MG) – O ministro Moreira Franco participa da inauguração da linha de transmissão de energia que liga a Hidrelétrica de Belo Monte ao Sudeste do País. A construção do linhão é parte do Agora, é Avançar Parcerias (Beth Santos

elet-1102699-belom9_1

Llinha de transmissão de energia – Beth Santos/Arquivo/Secretaria-Geral da PR

O preço mínimo mais elevado é o da Santa Vitória do Palmar Holding, lote A, no valor de R$ 635,6 milhões. A Eletrobras tem 78% desse empreendimento, dedicado à geração eólica. De acordo com a estatal, os preços estão referenciados à data-base de 31 de dezembro de 2017 e incluem os custos de transação.

A SPE é uma sociedade empresarial, com as mesmas características do consórcio, que é formada para a execução de um determinado empreendimento, podendo inclusive ter seu prazo de existência determinado. Normalmente é utilizada para isolar o risco financeiro de uma atividade.

O capital social da SPE pode ser constituído pelos sócios com dinheiro, bens móveis e imóveis e ainda com direitos, desde que esses tenham valor econômico. Uma vez formado o capital, as contribuições dos sócios passam a compor o patrimônio da sociedade.

 

Da Agência Brasil Brasília

Corinthians supera favoritismo do Flamengo e vai à final da Copa do Brasil

O Corinthians superou suas próprias limitações técnicas, se fortaleceu no apoio incondicional de sua torcida e na categoria de seu camisa 10 para superar o afortunado Flamengo dentro da Arena de Itaquera nessa quarta-feira. Com o drama que lhe é característico, com direito a bola na trave de Cássio no último lance, o Timão fez 2 a 1 nos rubro-negros e garantiu vaga na final da Copa do Brasil. Dias 10 e 17, com mandos ainda a serem sorteados, a equipe de Jair Ventura enfrentará o Cruzeiro pela taça da competição por mata-mata. Os mineiros eliminaram o Palmeiras no Mineirão e confirmaram a reedição da final do Brasileirão de 1998, ano que os corintianos comemoraram o título sobre a Raposa.

A festa proporcionada pela Fiel, com direito a mosaico e muitos fogos, além do apoio passado no treino de véspera, encorajaram o Corinthians nos minutos iniciais. O time do Parque São Jorge ocupou o campo de ataque e centralizou as jogadas no cérebro da equipe: Jadson. O prêmio pela postura não demorou a vir. Justamente dos pés do camisa 10 corintiano saiu um lindo lançamento nas costas de Pará. Danilo Avelar não desperdiçou a chance e fez explodir a Arena, muito graças ao desapego de Éverton Ribeiro na marcação.

Fotos: Sergio Barzaghi/Gazeta PressCOPA DO BRASIL 2018: CORINTHIANS X FLAMENGOcori-foto-1156634-1024x616COPA DO BRASIL 2018: CORINTHIANS X FLAMENGO

cori-26091849-1024x681 corii-260918cori43-1024x681

A partir daí os donos da casa passaram a encontrar mais dificuldades. Aos poucos, os visitantes foram impondo seu futebol de toque de bola e forçando os paulistas a recuar. Apesar disso, o lance do gol de empate pode-se dizer que teve muita participação da sorte, ou do acaso, talvez.

Willian Arão, revelado pelo Corinthians enfiou a bola para Pará entre Clayson e Avelar. O lateral foi tentar o cruzamento para Henrique Dourado, mas viu o zagueiro corintiano, xará do centroavante flamenguista, mandar a bola para dentro do próprio gol, em desvio com o braço.

O incomodo das arquibancadas com o empate só aumentou quatro minutos depois, quando Fagner sentiu a coxa esquerda e pediu substituição. O lateral da Seleção Brasileira deu lugar a Gabriel. Mantuan, reserva imediato da posição, acabou preterido por Jair Ventura.

Na prática, foi justamente por aquele lado que o Flamengo criou suas melhores situações de ataque. Por isso, inclusive, não foram poucas as vezes que Romero discutiu com o sistema defensivo alvinegro na tentativa de acertar os posicionamentos.

Apesar dos times terem voltado para a etapa final sem alterações, o panorama da partida foi diferente. Mesmo diante de claras dificuldades técnicas de seus jogadores, o Corinthians voltou a frequentar o setor ofensivo, com o ajuste necessário feito na defesa. O problema é que os espaços começaram a aparecer para os contra-ataques do Flamengo.

Dessa forma, os cariocas tiveram duas oportunidades de testar Cássio. Primeiro com Paquetá e depois com Vitinho, atacante que entrou na vaga do lesionado Diego. Em ambas o goleiro corintiano garantiu a manutenção do empate.

Jair Ventura, então, aceitou as solicitações da torcida e mandou Pedrinho para o jogo. Bendita troca para os corintianos. Apenas 18 segundos depois, o jovem atacante correria para abraçar seu treinador após balançar as redes de Diego Alves.

O Flamengo tentou abafar a saída de bola da defesa do Corinthians e acabou pagando caro por isso. Mateus Vital precisou de duas tentativas, mas conseguiu achar Romero na ponta esquerda. O paraguaio trabalhou pelo meio e Jadson, em um simples toque de primeira, serviu Pedrinho. O camisa 38 não titubeou. Cortou e bateu seco, no contrapé do goleiro rubro-negro.

A Arena explodiu com o momento alvinegro. O cenário quase se desenhou perfeito pouco depois, quando Henrique subiu livre dentro da área e testou uma bola que raspou a trave de Diego Alves.

Como era de se imaginar, os minutos finais foram dramáticos, com o Flamengo tentando ao menos o empate a todo custo, mas já com Araos na vaga de Vital, o Timão se segurou, se livrou de uma bola na trave aos 47 e administrou sua vantagem e garantiu a festa de sua torcida com mais uma classificação à final de uma Copa do Brasil.

Sob pressão, os cariocas agora só terão o Campeonato Brasileiro pela frente. O desafio próximo será contra o Bahia, em Salvador, às 21h de sábado. No mesmo dia, um pouco mais cedo, às 19h, o Corinthians visitará o América, em Minas.

FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS X FLAMENGO

Local: Arena Corinthians, em São Paulo (SP)
Data: 26 de setembro de 2018, quarta-feira
Horário: 21h45 (Brasília)
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (Fifa-MG)
Assistentes: Bruno Boschilia (Fifa-PR) e Bruno Raphael Pires (Fifa-GO)
Árbitro de vídeo: Wilton Pereira Sampaio (Fifa-GO)
Cartões amarelos: Douglas (Corinthians); Lucas Paquetá, Willian Arão, Lincoln (Flamengo)
Público: 44.249 pagantes
Renda: R$ 3.663.322,30

GOLS:
Corinthians: Danilo Avelar, aos 14 minutos do primeiro, e Pedrinho, aos 24 minutos do segundo tempo
Flamengo: Henrique, contra, aos 18 minutos do primeiro tempo

CORINTHIANS: Cássio; Fagner (Gabriel), Léo Santos, Henrique e Danilo Avelar; Ralf e Douglas; Romero, Jadson, Mateus Vital (Araos) e Clayson (Pedrinho)
Técnico: Jair Ventura

FLAMENGO: Diego Alves; Pará, Léo Duarte, Réver e Trauco; Gustavo Cuéllar, Willian Arão (Lincoln), Lucas Paquetá, Diego (Vitinho) e Everton Ribeiro; Henrique Dourado (Marlos Moreno)
Técnico: Maurício Barbieri

 

 

 

Tiago Salazar e Tomás Rosolino – São Paulo, SP
Gazeta Esportiva SP

Barcos marca de novo, Cruzeiro elimina o Palmeiras e vai à final

O Cruzeiro está na final da Copa do Brasil. Em duelo na noite desta quarta-feira, no Mineirão, a Raposa empatou com o Palmeiras por 1 a 1 e se garantiu na decisão do torneio para enfrentar o Corinthians em busca do bicampeonato consecutivo após triunfo magro no Allianz Parque. Barcos aplicou novamente a Lei do Ex no primeiro tempo morno, Felipe Melo empatou na etapa final, mas o Verdão não conseguiu a virada que levaria para os pênaltis.

Antes de a bola rolar, a festa já era espetacular no Mineirão. Animada, a torcida do Palmeiras cantou sem parar desde o início do aquecimento de seus goleiros até o final dos trabalhos em campo, com cantos de “time da virada” e “Palestra Itália só tem um”. A torcida celeste, guardando os gritos para quando a bola começasse a rolar, e talvez prevendo o final feliz, pouco se manifestou.

Fugindo do habitual, a equipe de Luiz Felipe Scolari fez um longo aquecimento: entrou antes e deixou o gramado depois dos cruzeirenses. Tudo com o intuito de ‘sentir’ o jogo. Mas quando o árbitro Wagner Magalhães apitou o início da decisão, os alviverdes pareciam ainda não ter entendido a dinâmica da partida.

Fotos: Fernando Dantas/Gazeta Presspal-foto-1156620-1024x688pal--foto-1156621-1024x682pal--foto-1156623-1024x674pal-foto-1156840-1024x569

Precisando de ao menos um gol, o Verdão entrou receoso de ver sua defesa vazada e permitiu que o Cruzeiro acalmasse os ânimos no início. O desempenho ruim de Borja, Marcos Rocha e Willian, além de todo o setor de meio-campo, somado à linha defensiva baixa, fez com que a Raposa tivesse tranquilidade para se defender, retomar as segundas bolas e avançar com espaço.

E justamente em uma sequência de erros individuais, o Cruzeiro abriu o placar aos 26 minutos do primeiro tempo. Diogo Barbosa perdeu disputa no ataque, Antônio Carlos tentou deixar Barcos impedido, mas errou, e Weverton foi lento ao sair do gol e tentar abafar o argentino, que o driblou e mandou para as redes. Foi a nova ‘Lei do Ex’ na semifinal, já que o camisa 28 já havia marcado no Allianz Parque.

O Palmeiras não conseguia furar o bloqueio defensivo dos mandantes, e a primeira e única finalização da equipe na etapa inicial saiu apenas aos 39 minutos, com Moisés, que obrigou bela defesa de Fabio. O Cruzeiro ainda teve nova chance antes do intervalo, quando Rafinha se aproveitou de novo erro de Marcos Rocha, escolha de Felipão para a partida, mas bateu fraco. Apenas três chutes no total em 45 minutos iniciais de pouca inspiração dos dois lados.

Segundo tempo ganha em emoção, Palmeiras reage, mas não o suficiente
Ao apito final do primeiro tempo, a torcida visitante, muito barulhenta durante todo o jogo, se calou de preocupação. O Palmeiras de Felipão havia saído atrás no placar apenas três vezes, sem ter conseguido vencer em nenhuma destas (duas derrotas e um empate). Bastaram quatro minutos após o intervalo, porém, para a esperança e os gritos voltarem ao lado verde das arquibancadas.

Após reclamar muito com Borja durante todo o primeiro tempo, Felipão sacou o colombiano, junto com Bruno Henrique, e colocou Deyverson e Guerra em campo. E com quatro jogados, Dudu cobrou escanteio, Felipe Melo ganhou de Dedé pelo alto, mandou para as redes e fez renascer a esperança palestrina. Redenção para o camisa 30, único volante em campo e que havia acabado de levar um cartão amarelo.

O gol fez o Palmeiras adiantar suas linhas e pressionar o Cruzeiro, que permitiu o abafa na esperança de conseguir um contra-ataque para matar o jogo. Mano Menezes sacou Thiago Neves e Barcos para as entradas de Bruno Silva e Sassá. As alterações fecharam ainda mais a equipe, mas o centroavante deu muito trabalho em jogadas de pivô na frente.

O posicionamento ofensivo fez o Alviverde levar perigo, mas erros de passe, a falta de ritmo de jogo de Guerra, que se movimentou bem, mas esteve mal tecnicamente e o cansaço pelos mais de oito mil quilômetros de viagem em uma semana não permitiram o segundo gol visitante.

O Cruzeiro, por sua vez, melhor fisicamente, equilibrou as ações nos 15 minutos finais e quase balançou as redes em cabeçada de Dedé. A defesa de Weverton, porém, não fez falta para a Raposa, que com o empate por 1 a 1, se classificou à final da Copa do Brasil.

Após o apito final, a bonita festa no Mineirão se transformou em cenas lamentáveis. Um entrevero generalizado entre os atletas, com direito a socos desferidos dos dois lados causou a expulsão de Diogo Barbosa e Mayke pelo lado palestrino, e Sassá pelo time celeste.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 1 x 1 PALMEIRAS

Data: 26 de setembro de 2018, quarta-feira
Local: Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Wagner Magalhães (Fifa)
Assistentes: Rodrigo Correa (Fifa) e Kleber Lúcio Gil (Fifa)
Cartões amarelos: Egídio (CRU); Felipe Melo, Borja, Deyverson, Antônio Carlos e Willian (PAL)
Cartões vermelhos: Sassá (CRU); Mayke, Thiago Santos e Diogo Barbosa (PAL)
Gols:
CRUZEIRO: Barcos, aos 26 minutos do 1º Tempo
PALMEIRAS: Felipe Melo, aos 4 minutos do 2º Tempo

CRUZEIRO: Fábio; Lucas Romero, Léo, Dedé e Egídio; Henrique, Lucas Silva, Thiago Neves (Bruno Silva) e Robinho (Mancuello); Rafinha e Barcos (Sassá)
Técnico: Mano Menezes

PALMEIRAS: Weverton; Marcos Rocha, Antônio Carlos, Edu Dracena e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Bruno Henrique (Guerra) e Moisés (Jean); Dudu, Willian e Borja (Deyverson)
Técnico: Felipão

 

 
Bruno Calió – Belo Horizonte, MG
Gazeta Esportiva SP

Decreto amplia possibilidades de terceirização no serviço público

espl-8234

O governo federal editou uma nova regra – o Decreto nº 9.507 – para regulamentar a terceirização no serviço público. A norma, promulgada na última sexta-feira (21), abrange órgãos da administração direta, autarquias, fundações, empresas públicas e sociedades de economia mista controladas pela União. Segundo o texto, que substitui um decreto que estava em vigor desde 1997, caberá ao Ministério do Planejamento a definição de quais serviços poderão ser preferencialmente contratados de forma indireta. Até então, só podiam ser objeto de terceirização, em órgãos públicos, atividades como limpeza, segurança, transportes, informática, recepção, telecomunicações e manutenção de prédios e equipamentos. As novas regras entrarão em vigor em 120 dias a partir da data da publicação.

O Ministério do Planejamento informou que o objetivo do decreto “foi adequar uma legislação de 1997 à realidade atual, considerando regras mais rigorosas de fiscalização de contratos e da mão de obra alocada na prestação de serviço, além da adequação às boas práticas administrativas”, segundo nota enviada à Agência Brasil. Ainda de acordo com o órgão, as novas regras unificam os procedimentos de contratação indireta em todo o serviço público federal.

“Nesse novo decreto, não existe mais de forma expressa quais são os serviços que poderiam ser terceirizados. Antes, isso estava especificado e abrangiam as chamadas atividades-meio, como limpeza e segurança. Nesse sentido, a nova regra abre brecha para ampliação das possibilidades de terceirização nos serviços públicos”, aponta o advogado Marcelo Scalzilli, sócio e coordenador da área trabalhista do Scalzilli Althaus Advogados.

Em agosto, o Supremo Tribunal Federal (STF) já havia validado, por maioria, a constitucionalidade da terceirização da contratação de trabalhadores para a atividade-fim de empresas e outras pessoas jurídicas, como previsto na Lei da Terceirização (13.429/2017). Perguntado se o Decreto 9.507 já seria uma primeira consequência da decisão do STF, o Planejamento informou que não há vínculo entre a norma e a Lei 13.429, que trata de trabalho temporário nas empresas urbanas, sem relação com a contratação de serviços pela administração pública.

Vedações
O novo decreto proíbe a terceirização de serviços que envolvam a tomada de decisão e nas áreas de planejamento, coordenação, supervisão e controle dos órgãos e aqueles considerados estratégicos e que possam colocar em risco o controle de processos e de conhecimentos e tecnologia. Também não podem ser contratadas de forma indireta as funções que estejam relacionadas ao poder de polícia ou que sejam inerentes às categorias inseridas no plano de cargos do órgão. No entanto, a medida permite a terceirização de serviços auxiliares a essas funções, com exceção dos serviços auxiliares de fiscalização e relacionados ao poder de polícia do Estado.

Em relação às empresas públicas e sociedades de economia mista controladas pelo governo, o decreto proíbe a terceirização de serviços inerentes aos dos cargos do plano de carreira da empresa, mas possibilita quatro tipos de exceção, como, por exemplo, a contratação indireta para demandas de caráter temporário ou se houver a impossibilidade de competir no mercado em que a empresa está inserida.

Para sindicalistas, o decreto vai concretizar a terceirização no serviço público. “Esse decreto não veio para reduzir a terceirização, mas justamente na linha de ampliar esse processo”, critica Sérgio Rolando da Silva, secretário-geral da Confederação dos Trabalhadores do Serviço Público Federal (Condsef). Ele teme que a medida afete a realização de concursos públicos, forma de contratação prevista na Constituição. “Tende a reduzir, já que alguns cargos, que hoje são preenchidos por concurso, poderão ser considerados serviços auxiliares às funções de decisão e planejamento”, argumenta.

Precarização
Segundo o Ministério do Planejamento, as novas regras previstas no decreto coíbem a prática de nepotismo nas contratações públicas e estabelece padrões de qualidade na prestação dos serviços. Além disso, para evitar a precarização trabalhista, o pagamento da fatura mensal pelos serviços, por parte do órgão público, só será autorizado após a comprovação, pela empresa terceirizada, do cumprimento das obrigações contratuais, incluindo o pagamento de férias, 13º salário e verbas rescisórias de seus funcionários.

Na opinião do presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Guilherme Feliciano, o decreto reforça o temor da ampliação da terceirização no serviço público, que tende a ser desfavorável aos trabalhadores. “O modelo de terceirização usualmente adotado no Brasil não é o modelo que privilegia o conhecimento técnico, mas aquele em que se ganha por meio do achatamento dos direitos sociais do trabalhador terceirizado. Isso já acontece em atividades-meio das estatais, como a Petrobras, onde os trabalhadores que mais sofrem acidentes são justamente os terceirizados”, explica. O magistrado diz que a Anamatra ainda está avaliando os impactos do decreto para melhor se posicionar.

 

Da Agência Brasil Brasília

Presidenciáveis gastam R$ 130,4 milhões na campanha eleitoral

Metade da verba foi para a produção de programas do horário gratuito

A 12 dias do primeiro turno das eleições, os candidatos a presidente da República já gastaram R$ 130,4 milhões, segundo dados disponíveis no portal do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Pelo menos R$ 64,8 milhões foram destinados à produção de vídeos para a internet e dos programas eleitorais gratuitos, o que representa 49,7% do total.

Nesse montante estão incluídas as despesas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que teve a candidatura rejeitada pelo TSE, por causa da Lei da Ficha Limpa. Lula foi condenado em segunda instância por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá (SP). Está preso na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, desde abril.

sede_do_tribunal_superior_eleitoral_-_divulgacao_tse
Sede do Tribunal Superior Eleitoral – Divulgação/TSE
A campanha de Lula declarou gastos de R$ 19,1 milhões e arrecadação de R$ 20,6 milhões. Foram aplicados R$ 13,5 milhões na produção dos programas de rádio e televisão. No último dia 11 de setembro, o ex-presidente foi substituído por Fernando Haddad (PT), que já aparecia nos programas iniciais do horário eleitoral gratuito. A campanha de Haddad declarou despesas de R$ 450 mil, com impulsionamento de conteúdo na internet.

Maiores gastos

Até agora, o candidato que mais gastou foi Henrique Meirelles, do MDB. Meirelles financia a sua própria campanha: destinou R$ 45 milhões para as eleições. Ao TSE, a campanha de Meirelles declarou despesas de 43,3 milhões, sendo R$ 24, 8 milhões para a produção dos programas de rádio e televisão, mais R$ 5,8 milhões para criação e inclusão de páginas na internet.

O candidato que mais arrecadou foi o tucano Geraldo Alckmin, que concorre por uma coligação de nove partidos. Conforme declaração publicada no portal do TSE, Alckmin recebeu R$ 51 milhões, 97,8% do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), constituído de recursos orçamentários para o processo eleitoral.

A campanha tucana gastou R$ 42,9 milhões, sendo R$ 15,2 milhões destinados à produção dos programas de rádio e televisão, bem como de vídeos. Outros R$ 14,6 milhões foram repassados para candidatos aliados, R$ 6,9 milhões financiaram a confecção de material impresso e R$ 2,5 milhões custearam os deslocamentos do candidato e assessores pelo país.

Na outra ponta está o Cabo Daciolo (Patri). Ele foi o candidato que declarou a menor arrecadação e o menor gasto: R$ 9.100 arrecadados do financiamento coletivo e R$ 738 pagos para a empresa de arrecadação como taxa de administração. Daciolo quase não tem feito campanha. Optou por se recolher e rezar.

Fundo especial

Líder nas pesquisas de intenção de votos, Jair Bolsonaro (PSL), hospitalizado desde o dia 6 de setembro, quando levou uma facada na barriga em Juiz de Fora (MG), arrecadou R$ 998 mil, mas declarou à Justiça Eleitoral despesas de R$ 1,1 milhão.

Segundo os dados do TSE, R$ 347,5 mil foram destinados ao pagamento de serviços de terceiros, R$ 345 mil repassados a outros candidatos do PSL e R$ 240 mil para produção dos programas eleitorais.

A campanha de Ciro Gomes (PDT) recebeu R$ 20,2 milhões – 99% do fundo especial – e gastou R$ 8,4 milhões. Foram destinados R$ 2,4 milhões para impressão de propaganda eleitoral e R$ 2,2 milhões para produção dos programas de rádio e televisão. Marina Silva (Rede) arrecadou R$ 7,2 milhões e gastou a metade desse total na campanha.

Conforme prestação de contas à Justiça Eleitoral, o PSOL conseguiu R$ 6 milhões para a campanha de Guilherme Boulos, 99% do fundo especial. O presidenciável gastou R$ 3,6 milhões no processo eleitoral, sendo R$ 1,1 milhão na contratação de serviços de terceiros.

O candidato do Podemos, Alvaro Dias, declarou R$ 5,3 milhões arrecadados e R$ 5,7 milhões de despesas. Pouco mais de 80% desse total foram usados na produção dos programas do horário eleitoral gratuito. A campanha de Dias informou ainda gastos de R$ 1 milhão no deslocamento do candidato pelo país.

A campanha do partido Novo arrecadou R$ 2,8 milhões, sendo que R$ 100 mil doados pelo candidato João Amoêdo. Até agora, o partido declarou despesas de R$ 887,3 milhões. José Maria Eymael recebeu R$ 828 mil e gastou R$ 215,4 mil.

O fundo especial é a principal fonte de financiamento das campanhas do PSTU e do PPL. João Goulart Filho (PPL) arrecadou R$ 317,8 mil – 99% do fundo especial – e gastou R$ 209 mil, a maior parte na produção do horário eleitoral. Vera Lúcia (PSTU) recebeu R$ 402,8 mil – 99,3% do fundo especial – e gastou R$ 248,7 mil.

 

Da Agência Brasil Brasília

Por final, Palmeiras tenta reverter vantagem do Cruzeiro em BH

weverton-780x1024

Às 21h45 (de Brasília) desta quarta-feira, no Estádio do Mineirão, Palmeiras e Cruzeiro decidem uma vaga na final da Copa do Brasil. Para avançar à decisão do torneio nacional, o time alviverde precisa reverter a vantagem da equipe da casa, que ganhou por 1 a 0 no Allianz Parque.

Na última rodada do Campeonato Brasileiro, Luiz Felipe Scolari descansou a maioria de seus titulares e usou uma formação alternativa diante do Sport. Para tentar reverter a vantagem do Cruzeiro, o comandante não tem desfalques no time considerado ideal. O zagueiro Gustavo Gomez, como não foi inscrito, não pode jogar a Copa do Brasil.

“Sabemos a forma que o Cruzeiro atua e temos a nossa maneira de jogar. E não é porque estamos atrás que vamos sair como loucos e oferecer o que eles gostam, que é o contra-ataque. Não podemos dar espaços. Vamos fazer nosso jogo, mas sem nenhuma loucura”, afirmou Moisés.

Em sua terceira passagem pelo Palmeiras, Felipão acumula um retrospecto de 10 vitórias, dois empates e duas derrotas, ambas sofridas dentro do Allianz Parque. Fora de casa, ainda invicto, o experiente treinador gaúcho contabiliza cinco triunfos e duas igualdades.

Fabio-780x1024

Incertezas em Belo Horizonte

No Cruzeiro, o técnico Mano Menezes tem algumas dúvidas, já que Arrascaeta e Thiago Neves sofrem com problemas físicos. O primeiro sentiu lesão na coxa esquerda na 22º rodada do Campeonato Brasileiro, enquanto o segundo deixou o jogo contra o Boca Juniors com dores na coxa direita.

Sem ambos, Mano pode mudar o esquema. Robinho seria deslocado para jogar centralizado, ocupando a vaga de Thiago Neves. Na vaga de Arrascaeta, como tem sido de costume, Rafinha deve ser escalado. O treinador definiu ainda que Lucas Romero será a opção para a vaga de Edilson, suspenso.

“Estou pronto. Não sei se o Mano vai me colocar ali caso eles não joguem, porque o nosso lado direito está legal”, disse Robinho, misterioso. “Acho que eles vão jogar. Espero, na verdade. Se eles não jogarem, quem entrar vai ter que dar conta do recado”, completou.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO X PALMEIRAS

Data: 26 de setembro de 2018, quarta-feira
Local: Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Wagner Magalhães (Fifa)
Assistentes: Rodrigo Correa (Fifa) e Kleber Lúcio Gil (Fifa)

CRUZEIRO: Fábio; Lucas Romero, Léo, Dedé e Egídio; Henrique, Lucas Silva, Thiago Neves e Robinho; Rafinha e Barcos
Técnico: Mano Menezes

PALMEIRAS: Weverton; Mayke, Antônio Carlos, Edu Dracena e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Bruno Henrique e Moisés; Dudu, Willian e Borja
Técnico: Felipão

 

Da Gazeta Esportiva São Paulo, SP

Corinthians recebe o Flamengo na busca por mais uma decisão no ano

CAMPEONATO BRASILEIRO 2018: CORINTHIANS X GRÊMIO

Arena Corinthians será o palco do embate nesta quarta-feira (Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press)

Corinthians e Flamengo se enfrentam na noite desta quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), na Arena Corinthians, em São Paulo, pelo confronto de volta das semifinais da Copa do Brasil. Como as duas equipes empataram sem gols na ida, quem ganhar agora avança e qualquer outro empate forçará a disputa de pênaltis. A partir dessa temporada, os tentos anotados como visitante não valem para critério de desempate.

Os donos da casa

cori-67543

Foto:Divulgação

O Corinthians, campeão paulista em abril, joga as suas fichas por mais uma conquista na temporada no duelo de mata-mata, principalmente com a distância já estabelecida em relação aos líderes do Brasileiro. A três jogos de erguer a segunda taça no ano, tudo isso em meio a um desmanche de mais da metade da equipe titular no título nacional do ano passado, o Alvinegro confia na força vencedora dos últimos anos para chegar ao seu objetivo.

“Sobre a classificação para a final, a gente sabe da importância para o clube. Sabemos da dificuldade do jogo. Estamos jogando ao lado da nossa torcida, com 39 mil pessoas. Esperamos dar essa classificação para o clube. Vamos entrar sabendo da importância. Vamos ter muito controle e equilíbrio emocional para conseguir essa classificação”, disse o técnico Jair Ventura, prevendo um time bem mais ofensivo do que no empate sem gols no jogo de ida, no Maracanã.

“Espero que seja completamente ao contrário, mas vai depender do jogo. Nossa postura vem mudando, é só pegar o jogo do Internacional. Nós tivemos mais posse, mais chances claras, controle do jogo contra uma grande equipe também, lógico que jogando em casa a gente vai ter um pouco mais”, avaliou o comandante, que deve mandar a campo uma equipe semelhante à do fim de semana, apenas com a volta de Ralf no lugar de Gabriel.

Os que querem estragar a festa

Do outro lado, em meio a um momento errante na temporada, mas vindo de uma vitória por 2 a 1 sobre o Atlético-MG, dentro de casa, o Flamengo confia na sua capacidade de desempenhar bons jogos como visitante para surpreender o Timão. Para o técnico Maurício Barbieri, a equipe terá muito mais espaço do que o visto dentro de casa.

“Nós fizemos bons jogos fora de casa nesta temporada, enfrentando estádios lotados, e conseguimos bons resultados. Foi assim contra o Cruzeiro em Minas Gerais por exemplo, quando ganhamos o jogo da volta na Libertadores, mas acabamos eliminados. Temos que trabalhar por uma vitória, pois é isso que nos leva para a final”, disse Barbieri, que mantém algumas dúvidas na escalação.

O meia Diego, que cumpriu suspensão na vitória de 2 a 1 sobre o Atlético-MG, também pelo Brasileirão, volta a ficar à disposição, mas não tem presença assegurada. O treinador gostou muito do esquema com dois volantes fixos na marcação (Cuellar e Willian Arão). aso isso ocorra, Willian Arão seguiria na equipe, com Lucas Paquetá atuando de maneira mais adiantada.. Mal novamente diante do Galo, Vitinho pode seguir no banco de reservas, perdendo o posto para Matheus Savio.

FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS X FLAMENGO

Local: Arena Corinthians, em São Paulo (SP)
Data: 26 de setembro de 2018 (Quarta-feira)
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (Fifa-MG)
Assistentes: Bruno Boschilia (Fifa-PR) e Bruno Raphael Pires (Fifa-GO)

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Léo Santos, Henrique e Danilo Avelar; Ralf (Gabriel) e Douglas; Ángel Romero, Jadson, Mateus Vital e Clayson
Técnico: Jair Ventura

FLAMENGO: Diego Alves; Rodinei, Réver, Léo Duarte e Renê; Gustavo Cuéllar, Willian Arão (Diego), Lucas Paquetá, Everton Ribeiro e Matheus Savio (Vitinho); Fernando Uribe
Técnico: Maurício Barbieri

 
Tomás Rosolino e Gazeta Press – São Paulo, SP

 

Vasco mira reação no Campeonato Brasileiro diante do Bahia

vas-1865Alberto Valentim teve uma semana para treinar o Vasco para o confronto contra o Bahia, na segunda-feira (Foto: Rafael Ribeiro/Vasco)

Na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, o Vasco busca a recuperação nesta segunda-feira, contra o Bahia, em São Januário. Os cruz-maltinos vêm de sequência de cinco jogos sem vitória, enquanto os baianos não querem se aproximar da degola.

Mesmo sem vencer nos últimos cinco jogos, os vascaínos estão otimistas para esta partida. A boa atuação no empate com o Flamengo na rodada passada trouxe a esperança de que a equipe possa sair da situação em que se encontra na Série A.

“Com a semana cheia, começamos vendo nosso jogo anterior. Vi muitas coisas que fizemos bem e o importante é repetir as coisas que fizemos contra o Flamengo. Acredito muito nos treinos, estamos aproveitando muito essa semana, procurando aproveitar muito esses dias de treinos. Precisamos levar muitas coisas para esse jogo contra o Bahia. Precisamos dar um salto de qualidade”, disse o técnico Alberto Valentim.

Para o goleiro Martín Silva, o Vasco tem que aproveitar os jogos em casa para pontuar. Por conta disso, o uruguaio espera que a torcida compareça em peso para ajudar a equipe. “São Januário tem que pesar a favor, condicionar o rendimento em casa. Temos que ter a cabeça fria para conseguir um resultado positivo. Contamos com o apoio da torcida”, declarou.

Em relação ao time, Alberto Valentim manteve o mistério. O treinador conta com os retornos do volante Leandro Desábato e do meia Yago Pikachu. O argentino deve ocupar o lugar de Raúl, que se lesionou no clássico, e Pikachu pode voltar na vaga de Bruno Silva, que deixou o confronto contra os rubro-negros na ambulância após sofrer uma concussão. No restante, a formação deve ser a mesma da rodada passada.

baa-44003708762_9579e2aa85_o-1024x683
Por outro lado, os comandados de Enderson Moreira tiveram pouco tempo de recuperação após a vitória para o Botafogo pela Sul-Americana, na última quinta-feira (Foto: Felipe Oliveira/ECB)

No Bahia, o momento é de tensão. Com 29 pontos, os baianos estão próximos da zona de rebaixamento e podem terminar entre os últimos dependendo dos resultados da rodada. Por isso, um bom resultado diante de um rival direto é fundamental para o prosseguimento da temporada.

A equipe baiana teve pouco tempo para trabalhar, pois atuou na quinta-feira contra o Botafogo, pela Sul-Americana. Mesmo com a vitória, o técnico Enderson Moreira admitiu que o Bahia não teve boa atuação.

“Tem dia que a coisa não acontece do jeito que a gente imagina. A gente está atento a isso, vamos tentar conversar, reavaliar algumas coisas”, comentou. Para esta partida, Enderson Moreira deve repetir a formação que empatou com o Palmeiras na rodada passada.

FICHA TÉCNICA
VASCO x BAHIA

Local: São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 24 de setembro de 2018 (segunda-feira)
Hora: 20h (de Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Assistentes: Jorge Eduardo Bernardi (RS) e Lucio Beiersdorf Flor (RS)

VASCO: Martín Silva, Lennon, Leandro Castán, Luiz Gustavo e Ramon; Leandro Desábato, Andrey, Yago Pikachu e Fabrício; Andrés Rios e Maxi López
Técnico: Alberto Valentim

BAHIA: Douglas, Nino Paraíba, Douglas Grolli, Lucas Fonseca e Léo; Gregore, Elton, Zé Rafael e Ramires; Gilberto e Júnior Brumado
Técnico: Enderson Moreira

 

Gazeta Press – Rio de Janeiro, RJ

Confira os últimos jogos do Campeonato Brasileiro Série A

Da Redação
Veja os jogos da 26ª rodada do Brasileiro Série A

SÁB – 22/09/2018

Brasileiro Série A
26ª Rodada
16H00-São Paulo 1x 1 América-MG-MORUMBI

DOM – 23/09/2018

11H00-Grêmio 3 x 2 Ceará-GRÊMIO ARENA
16H00-Atlético-PR 3 x 0 Paraná-ARENA DA BAIXADA
16H00-Flamengo 2 x 1 Atlético-MG-MARACANÃ
16H00-Corinthians 1 x 1 Internacional-ARENA CORINTHIANS
18H00-Vitória 3 x 4 Botafogo-BARRADÃO
18H00-Sport 0 x 1 Palmeira-ILHA DO RETIRO
19H00-Cruzeiro 2 x1 Santos-MINEIRÃO

SEG – 24/09/2018
20H00-Chapecoense x Fluminense FLU ARENA CONDÁ
20H00-Vasco x Bahia BAH SÃO JANUÁRIO

Corinthians e Internacional empataram em 1 a 1 na Arena Corinthians

Pela 26ª rodada do Brasileirão, Colorado pulou à frente no placar, no fim do primeiro tempo; Timão respondeu no início da etapa final e igualou o marcador

Neste domingo (23), Corinthians e Internacional empataram em 1 a 1, na Arena, em jogo válido pela 26ª rodada do Brasileirão. O gol colorado foi marcado por Leandro Damião, ainda no primeiro tempo. Na etapa final, Douglas empatou para o Timão. O resultado deixa o Inter na vice-liderança da competição, com 50 pontos. O Corinthians, por sua vez, subiu para a sétima posição, com 34 somados.

O Timão iniciou a partida ligado, abrindo o placar quase no primeiro lance. Após vacilo da zaga do Inter, Douglas por pouco não encobre o goleiro Marcelo Lomba. Sete minutos mais tarde, outra chance, dessa vez com Fagner parando em defesa de Lomba. Mas o Corinthians acabou esfriando um pouco o jogo. Até que, aos 44 minutos, o Internacional abriu o placar com Leandro Damião.

Na volta do intervalo, o Timão rapidamente chegou ao empate. Douglas pegou rebote de escanteio cobrado por Jadson e mandou para o fundo da rede. O Inter demorou a se recuperar, e o Corinthians tentou pressionar em busca da virada. Mas as duas defesas se saíram bem e não levaram mais gols.

cori-20180924001918_72

Foto: Divulgação

 

Com informações da CBF