Confira os últimos resultados dos jogos do Campeonato Brasileiro Série A

Da Redação
Veja os resultados da 24ª rodada Campeonato Brasileiro Série A

SÁB – 08/09/2018

Brasileiro Série A
24ª Rodada
16H00-Sport 0 X 0 Cruzeiro-ILHA DO RETIRO
19H00-São Paulo 1 X 0 Bahia-MORUMBI
21H00-Flamengo 2 X 0 Chapecoense-MARACANÃ

DOM – 09/09/2018
16H00-América-MG 0 X 0 Ceará-INDEPENDÊNCIA
16H00-Palmeiras 1 X 0 Corinthians COR ALLIANZ PARQUE •PÓS-JOGO
16H00-Fluminense 1 X 0 Botafogo BOT MARACANÃ •PÓS-JOGO
16H00-Internacional 1 X 0 Grêmio GRE BEIRA RIO •PÓS-JOGO
19H00-Paraná 0 X 2 Santos SAN DURIVAL DE BRITTO •PÓS-JOGO
19H00-Vitória 1 X 0 Vasco VAS BARRADÃO •PÓS-JOGO

SEG – 10/09/2018
20H00-Atlético-MG X Atlético-PR-INDEPENDÊNCIA

 

Santos vence o Parana por 2 a 0 em Curitiba

sant-538564-santosparana-1024x682Foto: Divulgação

Pela 24ª rodada, neste domingo (9), Peixe supera o Tricolor por 2 a 0 em Curitiba e, com 31 pontos, sobe para a oitava colocação
O Santos levou a melhor para cima do Paraná pela 24ª rodada do Brasileirão 2018. Neste domingo (9), o Peixe venceu por 2 a 0 no estádio Durival Britto, em Curitiba, e ampliou o jejum do Tricolor. Com 31 pontos, o alvinegro paulista subiu para a oitava posição. Já a equipe paranaense amargou o décimo jogo sem vencer na Série A e continua na lanterna com 16 pontos.

As redes não balançaram na primeira etapa. Na melhor chance de gol criada, o Paraná emplacou uma blitz aos 23 minutos, mas Nadson acertou a trave e, na sequência, Carlos cabeceou por cima.

No segundo tempo, o Santos contou com o faro de gol apurado de Gabriel para conquistar os três pontos fora de casa. Aos seis minutos, o artilheiro do Brasileirão mostrou oportunismo, pegou o rebote do goleiro Richard e abriu o placar, 1 a 0. Aos 32 minutos, o atacante repetiu a dose e marcou o 12º gol dele no campeonato. Fim de jogo: 2 a 0

A 24ª rodada se encerra neste segunda-feira (10) com o duelo entre Atlético-MG e Atlético-PR.
Da CBF

Suspensa a comercialização de 26 planos de saúde a partir de hoje

A decisão da ANS é temporária e decorre de queixas dos usuários

A partir desta segunda-feira (10) passa a valer a suspensão temporária da comercialização de 26 planos de saúde de 11 operadoras definida pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A medida foi tomada a partir das elevadas queixas relativas à cobertura assistencial. Os 26 planos, juntos, têm 75.500 beneficiários.

A ANS informou, há cinco dias, que os usuários terão a assistência regular garantida. No entanto, para que os planos voltem a ser comercializados para novos clientes, as operadoras deverão comprovar melhorias no atendimento.

Paralelamente, houve a reativação de 20 planos de 11 operadoras, que ficarão liberados para comercialização a partir de hoje (10).

Monitoramento

As operadoras são avaliadas por meio do Monitoramento da Garantia de Atendimento partir das reclamações registradas pelos beneficiários nos canais da ANS. Nessa etapa, foram consideradas as queixas sobre cobertura e demoras de atendimento no segundo trimestre de 2018.

De acordo com a ANS, o objetivo da suspensão é também estimular que as operadoras qualifiquem o atendimento prestado aos consumidores.

Queixas

No trimestre compreendido entre 1º de abril a 30 de junho de 2018, a ANS recebeu 17.171 reclamações de natureza assistencial. Desse total, 16.189 foram consideradas para análise pelo Programa de Monitoramento.

No período, 93,2% das queixas foram resolvidas pela mediação feita pela ANS via Notificação de Intermediação Preliminar (NIP), garantindo respostas aos problemas dos consumidores.

Lista

A lista completa dos 26 planos que serão suspensos está disponível no site da ANS.

 
Por Agência Brasil Brasília

Iniciativas do Judiciário combatem e reparam violência contra a mulher

O estado de São Paulo chegou este mês ao milésimo julgamento de crime de feminicídio na Justiça brasileira, desde a edição da Lei nº 13.104/15, que introduziu o feminicídio – perseguição e morte intencional de pessoas do sexo feminino – como qualificação de homicídio, segundo dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

O número foi alcançado durante a 11ª edição da “Semana Justiça pela Paz em Casa”, uma iniciativa nacional para incentivar o julgamento de crimes contra a vida de mulheres.

mani-988493-_dsc4716

Manifestações pelo fim de todas as formas de violência contra a mulher crescem no Brasil (Arquivo/Fernando Frazão/Agência Brasil)

“O número de mil julgamentos é bastante significativo. A violência contra a mulher sempre aconteceu, não é uma novidade, mas o fato de os casos estarem chegando ao conhecimento do sistema de Justiça significa que a política pública para isso está acontecendo e tem sido eficaz”, disse Teresa Cristina Cabral, juíza do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) e integrante da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Poder Judiciário do estado (Comesp).

“Obviamente, precisamos combater a violência, lutar para diminuir os índices e os acontecimentos, mas como a subnotificação sempre foi muito grande, é uma notícia boa nesse sentido, de que a política pública está funcionando, elas [as vítimas]estão procurando ajuda”, acrescentou.

Segundo a juíza, os julgamentos demonstram que algo está sendo feito em relação à violência contra a mulher e combatem a naturalização desses crimes.

Além dos julgamentos, o sistema judiciário oferece apoio na prevenção e reparação às mulheres que sobrevivem à violência.

O Projeto Fênix, parceria do tribunal paulista com a Secretaria da Saúde e a Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) Turma do Bem, viabiliza cirurgias reparadoras para vítimas de violência doméstica e de gênero.

Desde 2016, o projeto oferece procedimentos gratuitos de reparação estética, ortopédica e odontológica para essas mulheres. O encaminhamento da paciente ao programa é feito por juízes, integrantes do Ministério Público e da Defensoria Pública, além das delegacias de polícia. As vítimas também podem solicitar a reparação das lesões ocasionadas por agressões diretamente na Comesp.

Respeito e dignidade

“A agressão decorrente da violência de gênero, doméstica e familiar atinge a mulher em partes muito visíveis do corpo e tem uma finalidade muito específica, que é exatamente acabar ou diminuir a autoestima dessa mulher. Dependendo da extensão dessa lesão, inviabiliza inclusive o exercício de atividades profissionais. A ideia [do projeto Fênix]é proporcionar a melhoria da autoestima e reinserção dessa mulher em uma atividade social que seja minimamente respeitosa e digna”, disse Teresa.

O crime de feminicídio é identificado por meio de indícios e elementos de prova, segundo explicou a juíza do TJ-SP Maria Domitila Manssur.

“Os crimes praticados contra as mulheres muitas vezes se caracterizam por um alto número de golpes, atingem as mulheres em locais que podem machucar de forma íntima ou causar um dano muito grave, que não leve à morte, mas cause dor e que a mutile, que deixe uma marca muito constrangedora no caso de tentativa de feminicídio ou, no caso de morte, um sofrimento”, explicou.

“Os crimes acontecem em todas as faixas e camadas sociais, não há nível financeiro, não há escolha pelo grau de intelecto da vítima ou do agressor. O Brasil infelizmente se encontra no ranking de violência contra mulher ruim, é o 5º país [no ranking]. É um dado de violência muito forte e muito ruim. Não há idade, não há nível social”, acrescentou a juíza.

Mais projetos

Rio Branco, capital do Acre, vai receber em novembro deste ano o Workshop dos Direitos da Mulher Indígena, para prevenir e enfrentar a violência doméstica e familiar contra a mulher indígena no estado.

A inciativa do Tribunal de Justiça do Acre (TJ-AC) e da Organização de Mulheres Indígenas do Acre Sul, do Amazonas e Noroeste de Rondônia (Sitoakore), apresentará a Lei Maria da Penha às participantes.

Para Eva Evangelista, juíza do TJ-AC, o Judiciário tem o dever de contribuir para evitar a violência contra a mulher.

“Primeiro, resgatando a sensação de punibilidade das vítimas com o julgamento de processos sejam os de violência doméstica, sejam aqueles de feminicídio. E também trabalhar com a prevenção, que é muito importante”, disse.

“Ano passado eu fiz uma visita à aldeia Morada Nova, em Feijó [AC], e me pediram para falar dos direitos das mulheres indígenas. Eu disse ali naquela oportunidade que o Judiciário estava em atraso com as aldeias indígenas do Acre há 517 anos [desde a chegada dos portugueses ao Brasil], porque jamais naquela aldeia indígena tinha ido algum desembargador”, disse Eva Evangelista, que é também coordenadora das mulheres em situação de violência doméstica e familiar do tribunal.

Na cidade baiana de Feira de Santana, o Tribunal de Justiça (TJ-BA) presta atendimento psicossocial aos agressores responsáveis por violência doméstica e de gênero, em parceria com a prefeitura, com o objetivo de romper esse ciclo de violência.

“O projeto surgiu da necessidade de atendermos também os agressores. Nós já tínhamos os projetos destinados ao atendimento das mulheres, mas nós não estávamos conseguindo uma resposta na diminuição da violência porque não estávamos atendendo os agressores. Tivemos essa ideia, fizemos o projeto e teve um resultado muito bom desde maio de 2015 para cá”, disse Wagner Ribeiro Rodrigues, juiz da Vara da Justiça pela Paz em Casa, de Feira de Santana.

Reincidência

Ao longo do projeto, foram feitos 665 atendimentos, dos quais apenas três homens foram reincidentes e voltaram a praticar novamente ato de violência doméstica contra a mulher.

“O restante não praticou mais nenhum ato nesse período, então temos uma resposta extremamente positiva”, destacou o juiz.

A participação no projeto é obrigatória na cidade. Quando há pedido da medida protetiva pela mulher agredida, a liminar já obriga o agressor a comparecer ao serviço de atendimento no tribunal. O agressor então recebe atendimento do psicólogo e da assistente social.

“Ali é feita uma orientação quanto à conduta, que esse comportamento é inadequado, busca-se saber quais as razões dessa agressão, por que ele está agindo dessa forma e feita toda a orientação quanto à parte psicológica e, se necessário também, a parte de assistência social, o que estaria faltando naquele lar efetivamente”, contou Rodrigues.

Como o atendimento é obrigatório, já que é uma das condições da medida protetiva, se o homem não comparecer, ele pode ser preso.

 

 

Da Agência Brasil São Paulo

Diretor do Corinthians promete novo técnico até sábado pré-Derby

cori-A3973F138329

Corinthians perdeu para o Ceará e Loss perdeu o cargo (Foto: Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians)

O diretor de futebol do Corinthians, Duílio Monteiro Alves, prometeu na noite desta quarta-feira que o Corinthians não vai demorar para anunciar um novo técnico. Na mesma entrevista em que comunicou o rebaixamento de Osmar Loss mais uma vez ao cargo de auxiliar, ele esclareceu que a ideia da diretoria é ter um novo nome para o cargo no máximo até o sábado, véspera do Derby, no Allianz Parque.

“Isso foi uma decisão agora, no vestiário. Não existe nada em andamento, começamos a trabalhar agora. Sobre perfil temos que ver agora, o mercado, filosofia do clube, profissionais que estão aqui. Mas tem que ser rápido, lógico. A gente pretende na sexta-feira, no mais tardar sábado, já ter um treinador trabalhando para já estar presente no jogo”, comentou, justificando com simplicidade a troca.

“A gente espera ter uma melhor, pra isso a troca. O time não vem rendendo o esperado. A gente tem certeza que tem que trabalhar bastante, falta uma semana, o Corinthians tem todas as condições de conseguir a classificação”, avaliou, exaltando a capacidade de Loss apesar da decisão.

“A gente não vê a evolução necessária, mas sabemos do grande profissional que o Osmar é, como conhece a função. Volta a ser auxiliar, é jovem, podemos até ter queimado etapas. Infelizmente a gente acha que não dá pra extrair mais, não dá pra colocar só na conta dele, tem os atletas, diretoria. O time pode render mais, a posição na tabela não é boa”, concluiu.

O resultado em Fortaleza mantém o Timão com 30 pontos na tabela de classificação, cada vez mais longe da disputa por uma vaga na Copa Libertadores da América e mais perto da zona de rebaixamento, local onde está justamente o Vozão, agora dono de 23 tentos na competição.

 

 

Gazeta Esportiva – São Paulo, SP

Palmeiras quebra tabu, vence Furacão e se aproxima do líder no Brasileiro

O Palmeiras luta pelo título do Campeonato Brasileiro. Nesta quarta-feira, o Verdão recebeu o Atlético-PR no Allianz Parque e venceu por 2 a 0, triunfo que o aproximou do líder do São Paulo e de quebra ainda derrubou a invencibilidade de nove jogos do Furacão. Willian marcou o primeiro e Moisés, de pênalti, ainda encerrou uma série de cinco penalidades consecutivas desperdiçadas.

O início de jogo foi melhor para o Atlético-PR. Se aproveitando da dificuldade na saída de bola palestina, o Furacão controlou o ímpeto dos mandantes e teve a primeira grande oportunidade, aos 23 minutos, quando o Rubro-Negro achou espaço nas costas de Victor Luis, Marcinho cruzou para a área, e Nikão, sozinho, mandou para fora.

Na noite fria paulistana, com os termômetros marcando 13 graus, o primeiro tempo não chegou a ser morno. A maior vibração das arquibancadas veio com os anúncios de gols do Ceará na derrota, então parcial, do rival Corinthians.

Repetindo a dupla de volantes que escalou contra a Chapecoense, Felipão montou o meio-campo do Palmeiras com Thiago Santos, Felipe Melo e Moisés. Apesar de seguro defensivamente, o setor teve muitos problemas na criação. Com o camisa 5 fixo na marcação, coube ao Pitbull auxiliar Moisés na armação, mas ele teve dificuldades claras em cumprir o papel, inclusive em termos de posicionamento.

pal-fd_palxatl_0509-1077-1024x681
Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press

Para a etapa final, então, Felipão não teve dúvidas: sacou Thiago Santos, recuou Felipe Melo para sua posição habitual e colocou Bruno Henrique em campo. A alteração mudou a postura da equipe de Luiz Felipe Scolari, e o anúncio de um gol do Atlético-MG contra o São Paulo fez explodir as arquibancadas do Allianz Parque.

Em campo, os atletas, sabendo de que precisavam de apenas um gol para ficar a três pontos do líder do Campeonato Brasileiro, se lançaram ao ataque. Bem ao estilo Felipão, o Alviverde conseguiu abafar o adversário sem sofrer grandes sustos na defesa. Aos poucos, o gol do Maior Campeão do Brasil foi amadurecendo.

Com 19 jogados da etapa final, Felipão colocou Deyverson na vaga de Borja e o Palmeiras ganhou o jogo. O centroavante já entrou em campo alucinado, como de costume, e perseguindo os adversários com a bola. Em uma das pressões do camisa 16, o goleiro Santos quase chutou em cima do palmeirense.

E com seis minutos em campo, Deyverson recebeu lindo passe de Dudu, que teve nova atuação espetacular, e deu ótima enfiada para Willian ficar na cara do gol. Na velocidade, o atacante não foi alcançado por Jonathan e tocou na saída de Santos para balançar as redes e anotar o primeiro gol do jogo.

Até o apito final, o Palmeiras apenas administrou o resultado, mas com direito a demonstrações de categoria. Felipe Melo, pelo segundo jogo consecutivo, aplicou chapéu no adversário, e Dudu também fez drible de efeito sobre os atleticanos.

No minuto final, ainda houve tempo para o Palmeiras quebrar o tabu de pênaltis desperdiçados. Bruno Henrique ganhou dividida e a bola sobrou para Willian, que foi derrubado na área pelo goleiro Santos. Na cobrança, Moisés mandou para as redes e encerrou a sequência de cinco pênaltis consecutivos desperdiçados.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 2 X 0 ATLÉTICO-PR

Local: Estádio Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data: 05 de setembro de 2018, quarta-feira
Horário: 21 horas (de Brasília)
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Assistentes: Michael Correia e Silbert (RJ) Faria Sisquim (RJ)
Público: 24.601 torcedores
Renda: R$1.263.083,14

Cartões amarelos: Dudu (PALMEIRAS); Renan Lodi, Santos e Wellington (ATLÉTICO-PR)

GOLS
PALMEIRAS: Willian, aos 25, e Moisés, aos 49 minutos do segundo tempo

PALMEIRAS: Fernando Prass; Mayke, Antônio Carlos, Edu Dracena e Victor Luis; Thiago Santos (Bruno Henrique), Felipe Melo e Moisés; Willian, Dudu (Jean) e Borja (Deyverson)
Técnico: Luiz Felipe Scolari

ATLÉTICO-PR: Santos; Jonathan (Rony), Zé Ivaldo, Léo Pereira e Renan Lodi (Márcio Azevedo); Wellington, Lucho González e Bruno Nazário (Guilherme); Nikão, Marcinho e Pablo.
Técnico: Tiago Nunes

 
Bruno Calió
Gazeta Esportiva – São Paulo, SP

São Paulo perde a liderança no Horto por causa de novo gol contra

Domingo passado, o São Paulo conseguiu evitar uma derrota no Morumbi depois do gol contra de Anderson Martins diante do Fluminense. Nessa quarta-feira, porém, não teve jeito. Dessa vez o vilão foi Régis, com grande colaboração de Sidão. A repetição do lance inusitado definiu a vitória do Atlético-MG por 1 a 0 no estádio Independência, em Belo Horizonte, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Para piorar a noite dos tricolores, o Internacional não desperdiçou a oportunidade, venceu o Flamengo no Beira-Rio e tomou a liderança dos paulistas. Agora, ambos somam 46 pontos, com 13 triunfos cada. A diferença está no saldo de gols, 17 a 16 a favor dos gaúchos. Os atleticanos se mantêm na sexta posição, com 38 pontos.

A queda são-paulina representou o fim da uma invencibilidade de oito rodadas no nacional, sete jogos ao todo, contando a Copa Sul-Americana. A boa sequência ganhou uma cara negativa, já que o time conquistou apenas uma vitória nos últimos quatro compromissos. O sinal de alerta foi ligado, afinal, o Palmeiras também venceu na rodada e pode até superar o rival regional na tabela no próximo fim de semana.

spfc-1307-1024x655

De volta ao Horto, onde não deixou saudades e sofreu com a impaciência da diretoria mineira, Diego Aguirre contou com os retornos de Jucilei e Nenê, e manteve Reinaldo na vaga de Everton, na ponta esquerda. Régis herdou o lugar e Bruno Peres, machucado. Tréllez, autor do gol salvador diante do Flu, ganhou nova oportunidade no ataque.

O que talvez o técnico uruguaio não esperava é que uma falha conjunta de seu setor defensivo dificultasse tanto o trabalho nessa quarta. Com apenas oito minutos de jogo, Matheus Galdezani teve espaço para cruzar, os zagueiros são-paulinos não acompanharam Ricardo Oliveira e Sidão errou o tempo de bola, apesar de ter se recuperado com uma defesa a queima roupa. O desvio na trave, no entanto, traiu Régis, que mandou para as próprias redes.

Pouco antes, o Inter abriu o placar no beira-Rio. Inevitavelmente, a informação chegou ao Horto, e o que se viu foi um nervosismo incomum entre os jogadores paulistas. Não só pelos resultados, mas muito pelos erros de posicionamento.

Ao estilo ‘Galo doido’, a partida seguiu em ritmo acelerado. O erro deixou Sidão inseguro, e por pouco o goleiro não entregou mais uma. Sorte dele que Tomás Andrade não teve tranquilidade dentro da área. Do outro lado, Vitor espalmou a melhor oportunidade dos visitantes, em chute forte de Nenê.

No intervalo, Aguirre decidiu sacar Edimar e mandar Liziero a campo. O resultado foi uma melhora considerável do São Paulo na saída de bola e nas disputadas no meio de campo.

Assim como na primeira etapa, o jogo seguiu corrido, mas dessa vez sem o famoso ‘lá e cá’. O São Paulo partiu para cima, principalmente depois de Gonzalo Carneiro entrar na vaga de Régis e Shaylon substituir Jucilei. O cenário se transformou em ataque contra defesa, pois o Galo se limitou a postar nos contra-ataques, que raramente apareciam.

Assim, teve reclamação de pênalti em toca com o braço na bola de Leonardo Silva, teve mais defesas de Vitor, Reinaldo aparecendo bem e uma chance incrível de Tréllez no fim, mas, nada de gols. O Atlético-MG, com o apoio de sua empolgante, mas cabreira torcida em alguns momentos, foi feliz na estratégia de segurar o resultado e evitou que o São Paulo disparasse na ponta, em relação a distância de um para o outro.

Na próxima rodada, o São Paulo terá a chance de buscar uma reação e, quem sabe, recuperar o posto de líder no duelo contra o Bahia, no Morumbi, agendado para às 19h de sábado. O Galo jogará mais uma vez em casa, segunda-feira, às 20h, frente ao xará paranaense.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG 1 X 0 SÃO PAULO

Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG)
Data: 5 de setembro de 2018, quarta-feira
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Anderson Daronco (RS)
Assistentes: Alessandro Rocha de Matos (BA) e Michael Stanislau (RS)
Cartões amarelos: Matheus Galdezani, Luan, Emerson (CAM); Reinaldo (SP)
Renda: R$ 312.455,00.
Público: 20.852 torcedores.

GOL:
Atlético-MG: Régis (contra), aos 8 minutos do 1T

ATLÉTICO-MG: Victor; Emerson, Leonardo Silva, Maidana e Fábio Santos; Adilson, Matheus Galdezani (Zé Welison), Cazares e Tomás Andrade (Leandrinho); Luan (David Terans) e Ricardo Oliveira
Técnico: Thiago Larghi

SÃO PAULO: Sidão, Régis (Carneiro), Bruno Alves, Anderson Martins e Edimar (Liziero); Hudson, Jucilei (Shaylon) e Nenê; Reinaldo, Joao Rojas e Tréllez.
Técnico: Diego Aguirre

 

Tiago Salazar
Gazeta Esportiva – São Paulo, SP

Ibope: Bolsonaro tem 22% das intenções de voto; Ciro e Marina, 12%

Alckmin aparece com 9% e Haddad com 6%

O Ibope divulgou nesta quarta-feira (5) nova pesquisa de intenção de votos a candidato a presidente .

De acordo com a pesquisa, o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) tem 22% das intenções de voto. Empatados em segundo lugar aparecem Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede) com 12% cada um. Geraldo Alckmin (PSDB) tem 9% e Fernando Haddad (PT) tem 6% das intenções de votos.

Ainda segundo a pesquisa do Ibope, Alvaro Dias (Podemos) e João Amoêdo (Novo) obtiveram 3% das intenções de voto cada um. Henrique Meirelles (PMDB) foi indicado por 2% dos eleitores. Guilherme Boulos (PSOL), Vera Lúcia Salgado (PSTU) e João Goulart Filho (PPL) registraram 1% cada um. Cabo Daciolo (Patriota) e José Maria Eymael (DC) não atingiram 1%.

Dos entrevistados, 20% declararam a intenção de anular ou votar em branco; 7% disseram não saber ou preferiram não declarar.

A pesquisa foi contratada pelo jornal O Estado de S. Paulo e pela TV Globo. O levantamento ouviu 2.002 eleitores, em 142 municípios, entre os dias 1º e 3 de setembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais e para menos. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número BR‐05003/2018.

O questionário aplicado na pesquisa não incluiu o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Não foram divulgados resultados de intenção de voto espontânea, isto é sem apresentação dos nomes dos candidatos em cartela.

Na madrugada do dia 1º, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) indeferiu o registro da candidatura de Lula. “Diante disso, na manhã de sábado, antes da realização da pesquisa, e para estar de acordo com o julgamento e as determinações do TSE, o Ibope não pesquisou o cenário com Lula”, expôs o instituto em nota.

Pesquisa anterior

Na pesquisa anterior, divulgada no dia 20 de agosto, Jair Bolsonaro (PSL) tinha 18%. Marina Silva, candidata da Rede, 6% das intenções; Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB), com 5% cada um; Alvaro Dias (Podemos), 3%. Com 1% das intenções dos votos, apareciam Guilherme Boulos (PSOL), Henrique Meirelles (MDB), João Amoêdo (Novo) e José Maria Eymael (DC). Os candidatos Cabo Daciolo (Patriota), Vera Lúcia (PSTU) e João Goulart Filho (PPL) não atingiram 1%.

Naquele levantamento, a intenção de votos em branco e nulos era de 29%; e 9% declararam não saber ou não quiseram responder.

Rejeição

A pesquisa, divulgada hoje, também verificou a taxa de rejeição das candidaturas, quando o eleitor aponta em qual candidato não votaria. O resultado é: Bolsonaro com 44%; Marina, 26%; Haddad, 23%; Alckmin, 22%; Ciro, 20%; Meirelles, 14%; Cabo Daciolo, 14%; Eymael, 14%; Alvaro Dias, 13%; Boulos, 13%; Vera, 13%; Amoêdo, 12% e João Goulart Filho, 11%.

2º turno

O Ibope ainda testou quatro cenários de disputa do segundo turno com a presença de Jair Bolsonaro e outro candidato.

Conforme o instituto, em eventual segundo turno, Ciro Gomes obteria 44% dos votos e Bolsonaro, 33% (branco/nulo: 19%; não sabe/não respondeu: 4%).

Se a disputa fosse com Alckmin, o tucano atingiria 41% e Bolsonaro 32% (branco/nulo: 23%; não sabe/não respondeu: 4%).

Se a concorrência fosse com a candidata da Rede, Marina teria 43% e Bolsonaro, 33% (branco/nulo: 20%; não sabe/não respondeu: 3%).

Na simulação com Haddad, a diferença fica dentro da margem de erro, o petista receberia 36% e Bolsonaro, 37% (branco/nulo: 22%; não sabe/não respondeu: 5%).

 

 

Por Agência Brasil Brasília

STF pode decidir hoje sobre legalidade de ensino domiciliar

O Supremo Tribunal Federal (STF) remarcou para a sessão desta quinta-feira (6) o julgamento sobre a possibilidade de pais darem aula a seus filhos em casa, sem matriculá-los numa escola, o que é conhecido também como homeschooling.

O processo sobre o assunto chegou a entrar na pauta de 30 de agosto, mas teve seu julgamento adiado pela presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, pois naquela data a sessão plenária acabou tomada pela discussão de outras ações.

sssss-stf_jose_cruz2_0
Estátua da Justiça em frente ao Supremo Tribunal Federal – José Cruz/Agência Brasil

Relatado pelo ministro Luís Roberto Barroso, o processo em discussão no Supremo deve estabelecer uma diretriz válida para todos os casos do tipo que tramitam na Justiça brasileira – a chamada repercussão geral.

Inconstitucional

A controvérsia opõe pais que desejam dar aulas aos próprios filhos e órgãos públicos que alegam que a prática é inconstitucional.

Desde 2015, o tema aguarda uma determinação do STF. A disputa coloca em lados opostos pais que desejam educar seus filhos em casa e o Poder Público, que defende a obrigatoriedade da matrícula e a frequência escolar de crianças e adolescentes.

De acordo com Associação Nacional de Educação Domiciliar (Aned), o número de famílias que optam pela educação em casa tem crescido no Brasil.

Em 2018, chegou a 7,5 mil famílias, mais que o dobro das 3,2 mil famílias identificadas em 2016. A estimativa é de que 15 mil crianças recebam educação domiciliar no país atualmente.

AGU é contra

A Advocacia-Geral da União (AGU) se posicionou contrária à autorização desse modelo de educação. Para a AGU, as normas brasileiras estabelecem que a educação deve ser oferecida de forma gratuita e obrigatória pelo Poder Público.

A AGU entende que nenhum núcleo familiar será capaz de propiciar à criança ou ao adolescente o convívio com tamanha diversidade cultural, como é próprio dos ambientes escolares.

A Procuradoria-Geral da República considera que a educação familiar não encontra amparo na Constituição. Há oito anos, o Conselho Nacional de Educação (CNE) emitiu um parecer orientando que as crianças e os adolescentes sejam matriculados em escolas devidamente autorizadas.

A Aned e famílias que defendem o homeschooling argumentam que a educação domiciliar garante o direito à dignidade e ao respeito, assegurando uma educação mais individualizada e, portanto, mais efetiva. Dizem ainda que a própria Constituição dá margem para que os pais e responsáveis eduquem os filhos quando assegura a educação como direito de todos “e dever do Estado e da família”.

Entenda o caso

O caso que será julgado pelo STF e servirá de parâmetro para os demais foi levado ao Supremo pelo microempresário Moisés Dias e sua mulher, Neridiana Dias. Em 2011, o casal decidiu tirar a filha de 11 anos da escola pública em que estudava no município de Canela (RS), a aproximadamente 110 kms de Porto Alegre, e passar a educá-la por conta própria.

Os pais da menina alegaram que a metodologia da escola municipal não era adequada por misturar, na mesma sala, alunos de diferentes séries e idades, fugindo do que consideravam um “critério ideal de sociabilidade”. O casal disse que queria afastar sua filha de uma educação sexual antecipada por influência do convívio com colegas mais velhos.

A família argumentou ainda que, por ser cristã, acredita no criacionismo – crença segundo a qual o homem foi criado por Deus à sua semelhança – e, por isso, “não aceita viável ou crível que os homens tenham evoluído de um macaco, como diz a Teoria Evolucionista [de Charles Darwin]”, ensinada na escola.

Em resposta, recebeu um comunicado da Secretaria de Educação de Canela, ordenando a “imediata matrícula” da menina em uma escola. O Conselho Municipal de Educação também deu parecer contra o ensino domiciliar, “por não se encontrar regulamentado no Brasil”.

O casal recorreu à Justiça, mas teve negado um mandado de segurança em primeira e segunda instâncias.

Em sua sentença, o juiz Franklin de Oliveira Neto, titular da Comarca de Canela, escreveu que a escola é “ambiente de socialização essencial” e que privar uma criança do contato com as demais prejudica sua capacidade de convívio.

“O mundo não é feito de iguais”, disse o juiz. “Uma criança que venha a ser privada desse contato possivelmente terá dificuldades de aceitar o que lhe é diferente. Não terá tolerância com pensamentos e condutas distintos dos seus”, finalizou.

 

 

Da Agência Brasil Brasília