Diretor do Corinthians promete novo técnico até sábado pré-Derby

cori-A3973F138329

Corinthians perdeu para o Ceará e Loss perdeu o cargo (Foto: Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians)

O diretor de futebol do Corinthians, Duílio Monteiro Alves, prometeu na noite desta quarta-feira que o Corinthians não vai demorar para anunciar um novo técnico. Na mesma entrevista em que comunicou o rebaixamento de Osmar Loss mais uma vez ao cargo de auxiliar, ele esclareceu que a ideia da diretoria é ter um novo nome para o cargo no máximo até o sábado, véspera do Derby, no Allianz Parque.

“Isso foi uma decisão agora, no vestiário. Não existe nada em andamento, começamos a trabalhar agora. Sobre perfil temos que ver agora, o mercado, filosofia do clube, profissionais que estão aqui. Mas tem que ser rápido, lógico. A gente pretende na sexta-feira, no mais tardar sábado, já ter um treinador trabalhando para já estar presente no jogo”, comentou, justificando com simplicidade a troca.

“A gente espera ter uma melhor, pra isso a troca. O time não vem rendendo o esperado. A gente tem certeza que tem que trabalhar bastante, falta uma semana, o Corinthians tem todas as condições de conseguir a classificação”, avaliou, exaltando a capacidade de Loss apesar da decisão.

“A gente não vê a evolução necessária, mas sabemos do grande profissional que o Osmar é, como conhece a função. Volta a ser auxiliar, é jovem, podemos até ter queimado etapas. Infelizmente a gente acha que não dá pra extrair mais, não dá pra colocar só na conta dele, tem os atletas, diretoria. O time pode render mais, a posição na tabela não é boa”, concluiu.

O resultado em Fortaleza mantém o Timão com 30 pontos na tabela de classificação, cada vez mais longe da disputa por uma vaga na Copa Libertadores da América e mais perto da zona de rebaixamento, local onde está justamente o Vozão, agora dono de 23 tentos na competição.

 

 

Gazeta Esportiva – São Paulo, SP

Palmeiras quebra tabu, vence Furacão e se aproxima do líder no Brasileiro

O Palmeiras luta pelo título do Campeonato Brasileiro. Nesta quarta-feira, o Verdão recebeu o Atlético-PR no Allianz Parque e venceu por 2 a 0, triunfo que o aproximou do líder do São Paulo e de quebra ainda derrubou a invencibilidade de nove jogos do Furacão. Willian marcou o primeiro e Moisés, de pênalti, ainda encerrou uma série de cinco penalidades consecutivas desperdiçadas.

O início de jogo foi melhor para o Atlético-PR. Se aproveitando da dificuldade na saída de bola palestina, o Furacão controlou o ímpeto dos mandantes e teve a primeira grande oportunidade, aos 23 minutos, quando o Rubro-Negro achou espaço nas costas de Victor Luis, Marcinho cruzou para a área, e Nikão, sozinho, mandou para fora.

Na noite fria paulistana, com os termômetros marcando 13 graus, o primeiro tempo não chegou a ser morno. A maior vibração das arquibancadas veio com os anúncios de gols do Ceará na derrota, então parcial, do rival Corinthians.

Repetindo a dupla de volantes que escalou contra a Chapecoense, Felipão montou o meio-campo do Palmeiras com Thiago Santos, Felipe Melo e Moisés. Apesar de seguro defensivamente, o setor teve muitos problemas na criação. Com o camisa 5 fixo na marcação, coube ao Pitbull auxiliar Moisés na armação, mas ele teve dificuldades claras em cumprir o papel, inclusive em termos de posicionamento.

pal-fd_palxatl_0509-1077-1024x681
Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press

Para a etapa final, então, Felipão não teve dúvidas: sacou Thiago Santos, recuou Felipe Melo para sua posição habitual e colocou Bruno Henrique em campo. A alteração mudou a postura da equipe de Luiz Felipe Scolari, e o anúncio de um gol do Atlético-MG contra o São Paulo fez explodir as arquibancadas do Allianz Parque.

Em campo, os atletas, sabendo de que precisavam de apenas um gol para ficar a três pontos do líder do Campeonato Brasileiro, se lançaram ao ataque. Bem ao estilo Felipão, o Alviverde conseguiu abafar o adversário sem sofrer grandes sustos na defesa. Aos poucos, o gol do Maior Campeão do Brasil foi amadurecendo.

Com 19 jogados da etapa final, Felipão colocou Deyverson na vaga de Borja e o Palmeiras ganhou o jogo. O centroavante já entrou em campo alucinado, como de costume, e perseguindo os adversários com a bola. Em uma das pressões do camisa 16, o goleiro Santos quase chutou em cima do palmeirense.

E com seis minutos em campo, Deyverson recebeu lindo passe de Dudu, que teve nova atuação espetacular, e deu ótima enfiada para Willian ficar na cara do gol. Na velocidade, o atacante não foi alcançado por Jonathan e tocou na saída de Santos para balançar as redes e anotar o primeiro gol do jogo.

Até o apito final, o Palmeiras apenas administrou o resultado, mas com direito a demonstrações de categoria. Felipe Melo, pelo segundo jogo consecutivo, aplicou chapéu no adversário, e Dudu também fez drible de efeito sobre os atleticanos.

No minuto final, ainda houve tempo para o Palmeiras quebrar o tabu de pênaltis desperdiçados. Bruno Henrique ganhou dividida e a bola sobrou para Willian, que foi derrubado na área pelo goleiro Santos. Na cobrança, Moisés mandou para as redes e encerrou a sequência de cinco pênaltis consecutivos desperdiçados.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 2 X 0 ATLÉTICO-PR

Local: Estádio Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data: 05 de setembro de 2018, quarta-feira
Horário: 21 horas (de Brasília)
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Assistentes: Michael Correia e Silbert (RJ) Faria Sisquim (RJ)
Público: 24.601 torcedores
Renda: R$1.263.083,14

Cartões amarelos: Dudu (PALMEIRAS); Renan Lodi, Santos e Wellington (ATLÉTICO-PR)

GOLS
PALMEIRAS: Willian, aos 25, e Moisés, aos 49 minutos do segundo tempo

PALMEIRAS: Fernando Prass; Mayke, Antônio Carlos, Edu Dracena e Victor Luis; Thiago Santos (Bruno Henrique), Felipe Melo e Moisés; Willian, Dudu (Jean) e Borja (Deyverson)
Técnico: Luiz Felipe Scolari

ATLÉTICO-PR: Santos; Jonathan (Rony), Zé Ivaldo, Léo Pereira e Renan Lodi (Márcio Azevedo); Wellington, Lucho González e Bruno Nazário (Guilherme); Nikão, Marcinho e Pablo.
Técnico: Tiago Nunes

 
Bruno Calió
Gazeta Esportiva – São Paulo, SP

São Paulo perde a liderança no Horto por causa de novo gol contra

Domingo passado, o São Paulo conseguiu evitar uma derrota no Morumbi depois do gol contra de Anderson Martins diante do Fluminense. Nessa quarta-feira, porém, não teve jeito. Dessa vez o vilão foi Régis, com grande colaboração de Sidão. A repetição do lance inusitado definiu a vitória do Atlético-MG por 1 a 0 no estádio Independência, em Belo Horizonte, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Para piorar a noite dos tricolores, o Internacional não desperdiçou a oportunidade, venceu o Flamengo no Beira-Rio e tomou a liderança dos paulistas. Agora, ambos somam 46 pontos, com 13 triunfos cada. A diferença está no saldo de gols, 17 a 16 a favor dos gaúchos. Os atleticanos se mantêm na sexta posição, com 38 pontos.

A queda são-paulina representou o fim da uma invencibilidade de oito rodadas no nacional, sete jogos ao todo, contando a Copa Sul-Americana. A boa sequência ganhou uma cara negativa, já que o time conquistou apenas uma vitória nos últimos quatro compromissos. O sinal de alerta foi ligado, afinal, o Palmeiras também venceu na rodada e pode até superar o rival regional na tabela no próximo fim de semana.

spfc-1307-1024x655

De volta ao Horto, onde não deixou saudades e sofreu com a impaciência da diretoria mineira, Diego Aguirre contou com os retornos de Jucilei e Nenê, e manteve Reinaldo na vaga de Everton, na ponta esquerda. Régis herdou o lugar e Bruno Peres, machucado. Tréllez, autor do gol salvador diante do Flu, ganhou nova oportunidade no ataque.

O que talvez o técnico uruguaio não esperava é que uma falha conjunta de seu setor defensivo dificultasse tanto o trabalho nessa quarta. Com apenas oito minutos de jogo, Matheus Galdezani teve espaço para cruzar, os zagueiros são-paulinos não acompanharam Ricardo Oliveira e Sidão errou o tempo de bola, apesar de ter se recuperado com uma defesa a queima roupa. O desvio na trave, no entanto, traiu Régis, que mandou para as próprias redes.

Pouco antes, o Inter abriu o placar no beira-Rio. Inevitavelmente, a informação chegou ao Horto, e o que se viu foi um nervosismo incomum entre os jogadores paulistas. Não só pelos resultados, mas muito pelos erros de posicionamento.

Ao estilo ‘Galo doido’, a partida seguiu em ritmo acelerado. O erro deixou Sidão inseguro, e por pouco o goleiro não entregou mais uma. Sorte dele que Tomás Andrade não teve tranquilidade dentro da área. Do outro lado, Vitor espalmou a melhor oportunidade dos visitantes, em chute forte de Nenê.

No intervalo, Aguirre decidiu sacar Edimar e mandar Liziero a campo. O resultado foi uma melhora considerável do São Paulo na saída de bola e nas disputadas no meio de campo.

Assim como na primeira etapa, o jogo seguiu corrido, mas dessa vez sem o famoso ‘lá e cá’. O São Paulo partiu para cima, principalmente depois de Gonzalo Carneiro entrar na vaga de Régis e Shaylon substituir Jucilei. O cenário se transformou em ataque contra defesa, pois o Galo se limitou a postar nos contra-ataques, que raramente apareciam.

Assim, teve reclamação de pênalti em toca com o braço na bola de Leonardo Silva, teve mais defesas de Vitor, Reinaldo aparecendo bem e uma chance incrível de Tréllez no fim, mas, nada de gols. O Atlético-MG, com o apoio de sua empolgante, mas cabreira torcida em alguns momentos, foi feliz na estratégia de segurar o resultado e evitou que o São Paulo disparasse na ponta, em relação a distância de um para o outro.

Na próxima rodada, o São Paulo terá a chance de buscar uma reação e, quem sabe, recuperar o posto de líder no duelo contra o Bahia, no Morumbi, agendado para às 19h de sábado. O Galo jogará mais uma vez em casa, segunda-feira, às 20h, frente ao xará paranaense.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG 1 X 0 SÃO PAULO

Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG)
Data: 5 de setembro de 2018, quarta-feira
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Anderson Daronco (RS)
Assistentes: Alessandro Rocha de Matos (BA) e Michael Stanislau (RS)
Cartões amarelos: Matheus Galdezani, Luan, Emerson (CAM); Reinaldo (SP)
Renda: R$ 312.455,00.
Público: 20.852 torcedores.

GOL:
Atlético-MG: Régis (contra), aos 8 minutos do 1T

ATLÉTICO-MG: Victor; Emerson, Leonardo Silva, Maidana e Fábio Santos; Adilson, Matheus Galdezani (Zé Welison), Cazares e Tomás Andrade (Leandrinho); Luan (David Terans) e Ricardo Oliveira
Técnico: Thiago Larghi

SÃO PAULO: Sidão, Régis (Carneiro), Bruno Alves, Anderson Martins e Edimar (Liziero); Hudson, Jucilei (Shaylon) e Nenê; Reinaldo, Joao Rojas e Tréllez.
Técnico: Diego Aguirre

 

Tiago Salazar
Gazeta Esportiva – São Paulo, SP

Ibope: Bolsonaro tem 22% das intenções de voto; Ciro e Marina, 12%

Alckmin aparece com 9% e Haddad com 6%

O Ibope divulgou nesta quarta-feira (5) nova pesquisa de intenção de votos a candidato a presidente .

De acordo com a pesquisa, o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) tem 22% das intenções de voto. Empatados em segundo lugar aparecem Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede) com 12% cada um. Geraldo Alckmin (PSDB) tem 9% e Fernando Haddad (PT) tem 6% das intenções de votos.

Ainda segundo a pesquisa do Ibope, Alvaro Dias (Podemos) e João Amoêdo (Novo) obtiveram 3% das intenções de voto cada um. Henrique Meirelles (PMDB) foi indicado por 2% dos eleitores. Guilherme Boulos (PSOL), Vera Lúcia Salgado (PSTU) e João Goulart Filho (PPL) registraram 1% cada um. Cabo Daciolo (Patriota) e José Maria Eymael (DC) não atingiram 1%.

Dos entrevistados, 20% declararam a intenção de anular ou votar em branco; 7% disseram não saber ou preferiram não declarar.

A pesquisa foi contratada pelo jornal O Estado de S. Paulo e pela TV Globo. O levantamento ouviu 2.002 eleitores, em 142 municípios, entre os dias 1º e 3 de setembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais e para menos. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número BR‐05003/2018.

O questionário aplicado na pesquisa não incluiu o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Não foram divulgados resultados de intenção de voto espontânea, isto é sem apresentação dos nomes dos candidatos em cartela.

Na madrugada do dia 1º, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) indeferiu o registro da candidatura de Lula. “Diante disso, na manhã de sábado, antes da realização da pesquisa, e para estar de acordo com o julgamento e as determinações do TSE, o Ibope não pesquisou o cenário com Lula”, expôs o instituto em nota.

Pesquisa anterior

Na pesquisa anterior, divulgada no dia 20 de agosto, Jair Bolsonaro (PSL) tinha 18%. Marina Silva, candidata da Rede, 6% das intenções; Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB), com 5% cada um; Alvaro Dias (Podemos), 3%. Com 1% das intenções dos votos, apareciam Guilherme Boulos (PSOL), Henrique Meirelles (MDB), João Amoêdo (Novo) e José Maria Eymael (DC). Os candidatos Cabo Daciolo (Patriota), Vera Lúcia (PSTU) e João Goulart Filho (PPL) não atingiram 1%.

Naquele levantamento, a intenção de votos em branco e nulos era de 29%; e 9% declararam não saber ou não quiseram responder.

Rejeição

A pesquisa, divulgada hoje, também verificou a taxa de rejeição das candidaturas, quando o eleitor aponta em qual candidato não votaria. O resultado é: Bolsonaro com 44%; Marina, 26%; Haddad, 23%; Alckmin, 22%; Ciro, 20%; Meirelles, 14%; Cabo Daciolo, 14%; Eymael, 14%; Alvaro Dias, 13%; Boulos, 13%; Vera, 13%; Amoêdo, 12% e João Goulart Filho, 11%.

2º turno

O Ibope ainda testou quatro cenários de disputa do segundo turno com a presença de Jair Bolsonaro e outro candidato.

Conforme o instituto, em eventual segundo turno, Ciro Gomes obteria 44% dos votos e Bolsonaro, 33% (branco/nulo: 19%; não sabe/não respondeu: 4%).

Se a disputa fosse com Alckmin, o tucano atingiria 41% e Bolsonaro 32% (branco/nulo: 23%; não sabe/não respondeu: 4%).

Se a concorrência fosse com a candidata da Rede, Marina teria 43% e Bolsonaro, 33% (branco/nulo: 20%; não sabe/não respondeu: 3%).

Na simulação com Haddad, a diferença fica dentro da margem de erro, o petista receberia 36% e Bolsonaro, 37% (branco/nulo: 22%; não sabe/não respondeu: 5%).

 

 

Por Agência Brasil Brasília

STF pode decidir hoje sobre legalidade de ensino domiciliar

O Supremo Tribunal Federal (STF) remarcou para a sessão desta quinta-feira (6) o julgamento sobre a possibilidade de pais darem aula a seus filhos em casa, sem matriculá-los numa escola, o que é conhecido também como homeschooling.

O processo sobre o assunto chegou a entrar na pauta de 30 de agosto, mas teve seu julgamento adiado pela presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, pois naquela data a sessão plenária acabou tomada pela discussão de outras ações.

sssss-stf_jose_cruz2_0
Estátua da Justiça em frente ao Supremo Tribunal Federal – José Cruz/Agência Brasil

Relatado pelo ministro Luís Roberto Barroso, o processo em discussão no Supremo deve estabelecer uma diretriz válida para todos os casos do tipo que tramitam na Justiça brasileira – a chamada repercussão geral.

Inconstitucional

A controvérsia opõe pais que desejam dar aulas aos próprios filhos e órgãos públicos que alegam que a prática é inconstitucional.

Desde 2015, o tema aguarda uma determinação do STF. A disputa coloca em lados opostos pais que desejam educar seus filhos em casa e o Poder Público, que defende a obrigatoriedade da matrícula e a frequência escolar de crianças e adolescentes.

De acordo com Associação Nacional de Educação Domiciliar (Aned), o número de famílias que optam pela educação em casa tem crescido no Brasil.

Em 2018, chegou a 7,5 mil famílias, mais que o dobro das 3,2 mil famílias identificadas em 2016. A estimativa é de que 15 mil crianças recebam educação domiciliar no país atualmente.

AGU é contra

A Advocacia-Geral da União (AGU) se posicionou contrária à autorização desse modelo de educação. Para a AGU, as normas brasileiras estabelecem que a educação deve ser oferecida de forma gratuita e obrigatória pelo Poder Público.

A AGU entende que nenhum núcleo familiar será capaz de propiciar à criança ou ao adolescente o convívio com tamanha diversidade cultural, como é próprio dos ambientes escolares.

A Procuradoria-Geral da República considera que a educação familiar não encontra amparo na Constituição. Há oito anos, o Conselho Nacional de Educação (CNE) emitiu um parecer orientando que as crianças e os adolescentes sejam matriculados em escolas devidamente autorizadas.

A Aned e famílias que defendem o homeschooling argumentam que a educação domiciliar garante o direito à dignidade e ao respeito, assegurando uma educação mais individualizada e, portanto, mais efetiva. Dizem ainda que a própria Constituição dá margem para que os pais e responsáveis eduquem os filhos quando assegura a educação como direito de todos “e dever do Estado e da família”.

Entenda o caso

O caso que será julgado pelo STF e servirá de parâmetro para os demais foi levado ao Supremo pelo microempresário Moisés Dias e sua mulher, Neridiana Dias. Em 2011, o casal decidiu tirar a filha de 11 anos da escola pública em que estudava no município de Canela (RS), a aproximadamente 110 kms de Porto Alegre, e passar a educá-la por conta própria.

Os pais da menina alegaram que a metodologia da escola municipal não era adequada por misturar, na mesma sala, alunos de diferentes séries e idades, fugindo do que consideravam um “critério ideal de sociabilidade”. O casal disse que queria afastar sua filha de uma educação sexual antecipada por influência do convívio com colegas mais velhos.

A família argumentou ainda que, por ser cristã, acredita no criacionismo – crença segundo a qual o homem foi criado por Deus à sua semelhança – e, por isso, “não aceita viável ou crível que os homens tenham evoluído de um macaco, como diz a Teoria Evolucionista [de Charles Darwin]”, ensinada na escola.

Em resposta, recebeu um comunicado da Secretaria de Educação de Canela, ordenando a “imediata matrícula” da menina em uma escola. O Conselho Municipal de Educação também deu parecer contra o ensino domiciliar, “por não se encontrar regulamentado no Brasil”.

O casal recorreu à Justiça, mas teve negado um mandado de segurança em primeira e segunda instâncias.

Em sua sentença, o juiz Franklin de Oliveira Neto, titular da Comarca de Canela, escreveu que a escola é “ambiente de socialização essencial” e que privar uma criança do contato com as demais prejudica sua capacidade de convívio.

“O mundo não é feito de iguais”, disse o juiz. “Uma criança que venha a ser privada desse contato possivelmente terá dificuldades de aceitar o que lhe é diferente. Não terá tolerância com pensamentos e condutas distintos dos seus”, finalizou.

 

 

Da Agência Brasil Brasília