Fifa divulga lista com selecionados à seleção da temporada

FBL-WC-2018-MATCH53-BRA-MEX

 Foto: Franck Fife/AFP

A Fifa divulgou nesta segunda-feira a lista com os 55 indicados à seleção da temporada e entre eles estão seis brasileiros. O prêmio, que se chama FIFA FIFPro World 2018, contemplará os 11 mais votados (um goleiro, quatro defensores, três meio-campistas e três atacantes) e será concedido no dia 24 de setembro, em Londres.

Os brasileiros escolhidos para compor a lista são Daniel Alves (Paris Saint-Germain), Marcelo (Real Madrid), Thiago Silva (Paris Saint-Germain), Casemiro (Real Madrid), Philippe Coutinho (Barcelona) e Neymar (Paris Saint-Germain). Todos eles, exceto Dani Alves por conta de lesão, estiveram com a Seleção Brasileira na Copa do Mundo.

A escolha dos 55 jogadores envolve votos de quase 25 mil jogadores profissionais distribuídos em 65 países. Durante a votação, cada um deles seleciona um goleiro, quatro defensores, três meio-campistas e três atacantes, assim como o público que irá votar. Algumas curiosidades são que França e Espanha são os países com mais representantes (nove e oito respectivamente) e o Real Madrid o clube com maior número de selecionados (onze). Cristiano Ronaldo e Gianluigi Buffon aparecem na lista desde 2004-05.

Além desses indicados, o Brasil ainda possui Marta entre as três finalistas a melhor do mundo no prêmio The Best. Em relação ao masculino, os escolhidos foram Luka Modric (Real Madrid), Cristiano Ronaldo (Juventus) e Mohamed Salah (Liverpool), que também concorrem à seleção da temporada.

Confira abaixo todos os 55 selecionados, com seu país de origem e clube de atuação:

Goleiros (5): Gianluigi Buffon (Itália/Paris Saint-Germain/Juventus), Thibaut Courtois (Bélgica/Real Madrid/Chelsea), David De Gea (Espanha/Manchester United), Keylor Navas (Costa Rica/Real Madrid), Marc-André ter Stegen (Alemanha/Barcelona).

Defensores (20): Jordi Alba (Espanha/Barcelona), Daniel Carvajal (Espanha/Real Madrid), Giorgio Chiellini (Itália/ Juventus), Dani Alves (Brasil/Paris Saint-Germain), Diego Godín (Uruguai/Atlético) Madrid), Mats Hummels (Alemanha/Bayern de Munique), Joshua Kimmich (Alemanha/Bayern de Munique) Dejan Lovren (Croácia/Liverpool), Marcelo (Brasil/Real Madrid), Yerry Mina (Colômbia/ Everton/Barcelona) Benjamin Pavard (França/Stuttgart), Gerard Pique (Espanha/Barcelona), Sergio Ramos (Espanha/Real Madrid), Thiago Silva (Brasil/Paris Saint-Germain), Kieran Trippier (Inglaterra/Tottenham Hotspur), Samuel Umtiti (França/Barcelona), Virgil van Dijk (Holanda/Liverpool), Raphael Varane (França/Real Madrid), Sime Vrsaljko (Croácia/Internazionale/Atlético de Madrid), Kyle Walker (Inglaterra/Manchester City).

Meio-campistas (15): Sergio Busquets (Espanha/Barcelona), Casemiro (Brasil/Real Madrid), Philippe Coutinho (Brasil/Barcelona), Kevin De Bruyne (Bélgica/Manchester City), Eden Hazard (Bélgica/Chelsea), Andres Iniesta (Espanha/Vissel Kobe/Barcelona), Isco (Espanha/Real Madrid), N’Golo Kante (França/Chelsea), Toni Kroos (Alemanha/Real Madrid), Nemanja Matic (Sérvia/Manchester United) Luka Modric (Croácia/Real Madrid), Paul Pogba (França/Manchester United), Ivan Rakitic (Croácia/Barcelona), David Silva (Espanha/Manchester City), Arturo Vidal (Chile/Barcelona/Bayern de Munique).

Atacantes (15): Karim Benzema (França/Real Madrid), Edinson Cavani (Uruguai/Paris Saint-Germain), Cristiano Ronaldo (Portugal/Juventus/Real Madrid), Paulo Dybala (Argentina/Juventus), Antoine Griezmann (França/Atlético de Madrid), Harry Kane (Inglaterra/Tottenham Hotspur), Robert Lewandowski (Polônia/Bayern de Munique), Romelu Lukaku (Bélgica/Manchester United), Mario Mandzukic (Croácia/Juventus), Sadio Mane (Inglaterra/Liverpool), Kylian Mbappe (França/Paris Saint-Germain), Lionel Messi (Argentina/Barcelona), Neymar (Brasil/Paris Saint-Germain), Mohamed Salah (Egito/Liverpool FC), Luis Suarez (Uruguai/Barcelona).

 

Da Gazeta Esportiva São Paulo, SP

Confira os últimos resultados dos jogos do Campeonato Brasileiro Série A

Da Redação
Veja os resultados da 24ª rodada Campeonato Brasileiro Série A

SÁB – 08/09/2018

Brasileiro Série A
24ª Rodada
16H00-Sport 0 X 0 Cruzeiro-ILHA DO RETIRO
19H00-São Paulo 1 X 0 Bahia-MORUMBI
21H00-Flamengo 2 X 0 Chapecoense-MARACANÃ

DOM – 09/09/2018
16H00-América-MG 0 X 0 Ceará-INDEPENDÊNCIA
16H00-Palmeiras 1 X 0 Corinthians COR ALLIANZ PARQUE •PÓS-JOGO
16H00-Fluminense 1 X 0 Botafogo BOT MARACANÃ •PÓS-JOGO
16H00-Internacional 1 X 0 Grêmio GRE BEIRA RIO •PÓS-JOGO
19H00-Paraná 0 X 2 Santos SAN DURIVAL DE BRITTO •PÓS-JOGO
19H00-Vitória 1 X 0 Vasco VAS BARRADÃO •PÓS-JOGO

SEG – 10/09/2018
20H00-Atlético-MG X Atlético-PR-INDEPENDÊNCIA

 

Santos vence o Parana por 2 a 0 em Curitiba

sant-538564-santosparana-1024x682Foto: Divulgação

Pela 24ª rodada, neste domingo (9), Peixe supera o Tricolor por 2 a 0 em Curitiba e, com 31 pontos, sobe para a oitava colocação
O Santos levou a melhor para cima do Paraná pela 24ª rodada do Brasileirão 2018. Neste domingo (9), o Peixe venceu por 2 a 0 no estádio Durival Britto, em Curitiba, e ampliou o jejum do Tricolor. Com 31 pontos, o alvinegro paulista subiu para a oitava posição. Já a equipe paranaense amargou o décimo jogo sem vencer na Série A e continua na lanterna com 16 pontos.

As redes não balançaram na primeira etapa. Na melhor chance de gol criada, o Paraná emplacou uma blitz aos 23 minutos, mas Nadson acertou a trave e, na sequência, Carlos cabeceou por cima.

No segundo tempo, o Santos contou com o faro de gol apurado de Gabriel para conquistar os três pontos fora de casa. Aos seis minutos, o artilheiro do Brasileirão mostrou oportunismo, pegou o rebote do goleiro Richard e abriu o placar, 1 a 0. Aos 32 minutos, o atacante repetiu a dose e marcou o 12º gol dele no campeonato. Fim de jogo: 2 a 0

A 24ª rodada se encerra neste segunda-feira (10) com o duelo entre Atlético-MG e Atlético-PR.
Da CBF

Suspensa a comercialização de 26 planos de saúde a partir de hoje

A decisão da ANS é temporária e decorre de queixas dos usuários

A partir desta segunda-feira (10) passa a valer a suspensão temporária da comercialização de 26 planos de saúde de 11 operadoras definida pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A medida foi tomada a partir das elevadas queixas relativas à cobertura assistencial. Os 26 planos, juntos, têm 75.500 beneficiários.

A ANS informou, há cinco dias, que os usuários terão a assistência regular garantida. No entanto, para que os planos voltem a ser comercializados para novos clientes, as operadoras deverão comprovar melhorias no atendimento.

Paralelamente, houve a reativação de 20 planos de 11 operadoras, que ficarão liberados para comercialização a partir de hoje (10).

Monitoramento

As operadoras são avaliadas por meio do Monitoramento da Garantia de Atendimento partir das reclamações registradas pelos beneficiários nos canais da ANS. Nessa etapa, foram consideradas as queixas sobre cobertura e demoras de atendimento no segundo trimestre de 2018.

De acordo com a ANS, o objetivo da suspensão é também estimular que as operadoras qualifiquem o atendimento prestado aos consumidores.

Queixas

No trimestre compreendido entre 1º de abril a 30 de junho de 2018, a ANS recebeu 17.171 reclamações de natureza assistencial. Desse total, 16.189 foram consideradas para análise pelo Programa de Monitoramento.

No período, 93,2% das queixas foram resolvidas pela mediação feita pela ANS via Notificação de Intermediação Preliminar (NIP), garantindo respostas aos problemas dos consumidores.

Lista

A lista completa dos 26 planos que serão suspensos está disponível no site da ANS.

 
Por Agência Brasil Brasília

Iniciativas do Judiciário combatem e reparam violência contra a mulher

O estado de São Paulo chegou este mês ao milésimo julgamento de crime de feminicídio na Justiça brasileira, desde a edição da Lei nº 13.104/15, que introduziu o feminicídio – perseguição e morte intencional de pessoas do sexo feminino – como qualificação de homicídio, segundo dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

O número foi alcançado durante a 11ª edição da “Semana Justiça pela Paz em Casa”, uma iniciativa nacional para incentivar o julgamento de crimes contra a vida de mulheres.

mani-988493-_dsc4716

Manifestações pelo fim de todas as formas de violência contra a mulher crescem no Brasil (Arquivo/Fernando Frazão/Agência Brasil)

“O número de mil julgamentos é bastante significativo. A violência contra a mulher sempre aconteceu, não é uma novidade, mas o fato de os casos estarem chegando ao conhecimento do sistema de Justiça significa que a política pública para isso está acontecendo e tem sido eficaz”, disse Teresa Cristina Cabral, juíza do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) e integrante da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Poder Judiciário do estado (Comesp).

“Obviamente, precisamos combater a violência, lutar para diminuir os índices e os acontecimentos, mas como a subnotificação sempre foi muito grande, é uma notícia boa nesse sentido, de que a política pública está funcionando, elas [as vítimas]estão procurando ajuda”, acrescentou.

Segundo a juíza, os julgamentos demonstram que algo está sendo feito em relação à violência contra a mulher e combatem a naturalização desses crimes.

Além dos julgamentos, o sistema judiciário oferece apoio na prevenção e reparação às mulheres que sobrevivem à violência.

O Projeto Fênix, parceria do tribunal paulista com a Secretaria da Saúde e a Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) Turma do Bem, viabiliza cirurgias reparadoras para vítimas de violência doméstica e de gênero.

Desde 2016, o projeto oferece procedimentos gratuitos de reparação estética, ortopédica e odontológica para essas mulheres. O encaminhamento da paciente ao programa é feito por juízes, integrantes do Ministério Público e da Defensoria Pública, além das delegacias de polícia. As vítimas também podem solicitar a reparação das lesões ocasionadas por agressões diretamente na Comesp.

Respeito e dignidade

“A agressão decorrente da violência de gênero, doméstica e familiar atinge a mulher em partes muito visíveis do corpo e tem uma finalidade muito específica, que é exatamente acabar ou diminuir a autoestima dessa mulher. Dependendo da extensão dessa lesão, inviabiliza inclusive o exercício de atividades profissionais. A ideia [do projeto Fênix]é proporcionar a melhoria da autoestima e reinserção dessa mulher em uma atividade social que seja minimamente respeitosa e digna”, disse Teresa.

O crime de feminicídio é identificado por meio de indícios e elementos de prova, segundo explicou a juíza do TJ-SP Maria Domitila Manssur.

“Os crimes praticados contra as mulheres muitas vezes se caracterizam por um alto número de golpes, atingem as mulheres em locais que podem machucar de forma íntima ou causar um dano muito grave, que não leve à morte, mas cause dor e que a mutile, que deixe uma marca muito constrangedora no caso de tentativa de feminicídio ou, no caso de morte, um sofrimento”, explicou.

“Os crimes acontecem em todas as faixas e camadas sociais, não há nível financeiro, não há escolha pelo grau de intelecto da vítima ou do agressor. O Brasil infelizmente se encontra no ranking de violência contra mulher ruim, é o 5º país [no ranking]. É um dado de violência muito forte e muito ruim. Não há idade, não há nível social”, acrescentou a juíza.

Mais projetos

Rio Branco, capital do Acre, vai receber em novembro deste ano o Workshop dos Direitos da Mulher Indígena, para prevenir e enfrentar a violência doméstica e familiar contra a mulher indígena no estado.

A inciativa do Tribunal de Justiça do Acre (TJ-AC) e da Organização de Mulheres Indígenas do Acre Sul, do Amazonas e Noroeste de Rondônia (Sitoakore), apresentará a Lei Maria da Penha às participantes.

Para Eva Evangelista, juíza do TJ-AC, o Judiciário tem o dever de contribuir para evitar a violência contra a mulher.

“Primeiro, resgatando a sensação de punibilidade das vítimas com o julgamento de processos sejam os de violência doméstica, sejam aqueles de feminicídio. E também trabalhar com a prevenção, que é muito importante”, disse.

“Ano passado eu fiz uma visita à aldeia Morada Nova, em Feijó [AC], e me pediram para falar dos direitos das mulheres indígenas. Eu disse ali naquela oportunidade que o Judiciário estava em atraso com as aldeias indígenas do Acre há 517 anos [desde a chegada dos portugueses ao Brasil], porque jamais naquela aldeia indígena tinha ido algum desembargador”, disse Eva Evangelista, que é também coordenadora das mulheres em situação de violência doméstica e familiar do tribunal.

Na cidade baiana de Feira de Santana, o Tribunal de Justiça (TJ-BA) presta atendimento psicossocial aos agressores responsáveis por violência doméstica e de gênero, em parceria com a prefeitura, com o objetivo de romper esse ciclo de violência.

“O projeto surgiu da necessidade de atendermos também os agressores. Nós já tínhamos os projetos destinados ao atendimento das mulheres, mas nós não estávamos conseguindo uma resposta na diminuição da violência porque não estávamos atendendo os agressores. Tivemos essa ideia, fizemos o projeto e teve um resultado muito bom desde maio de 2015 para cá”, disse Wagner Ribeiro Rodrigues, juiz da Vara da Justiça pela Paz em Casa, de Feira de Santana.

Reincidência

Ao longo do projeto, foram feitos 665 atendimentos, dos quais apenas três homens foram reincidentes e voltaram a praticar novamente ato de violência doméstica contra a mulher.

“O restante não praticou mais nenhum ato nesse período, então temos uma resposta extremamente positiva”, destacou o juiz.

A participação no projeto é obrigatória na cidade. Quando há pedido da medida protetiva pela mulher agredida, a liminar já obriga o agressor a comparecer ao serviço de atendimento no tribunal. O agressor então recebe atendimento do psicólogo e da assistente social.

“Ali é feita uma orientação quanto à conduta, que esse comportamento é inadequado, busca-se saber quais as razões dessa agressão, por que ele está agindo dessa forma e feita toda a orientação quanto à parte psicológica e, se necessário também, a parte de assistência social, o que estaria faltando naquele lar efetivamente”, contou Rodrigues.

Como o atendimento é obrigatório, já que é uma das condições da medida protetiva, se o homem não comparecer, ele pode ser preso.

 

 

Da Agência Brasil São Paulo