Bolsonaro quer cobrar por ensino superior federal

Equipe do candidato dá medida como certa, mas não fala em público sobre o plano com medo do desgaste e possível estrago eleitoral

BRASÍLIA – A equipe que prepara o programa de governo do candidato Jair Bolsonaro (PSL) quer instituir a cobrança de mensalidades em universidades federais para alunos de maior renda. Pela proposta, recursos arrecadados formariam um fundo para ajudar no financiamento das vagas para estudantes carentes. Embora tenha aceitação maciça no grupo, a recomendação é falar pouco sobre o plano. O receio é de que a divulgação provoque polêmica e atrapalhe o desempenho eleitoral do candidato.

Integrantes da equipe, no entanto, dão como certa a implementação da medida. Como justificativa, citam o fato de que grande parte das vagas das universidades federais é ocupada por alunos que cursaram escolas particulares e, portanto, integrantes de famílias que podem arcar com mensalidades. Argumentam ainda que os recursos seriam importantes para reforçar o ensino básico.

educ-062015x31172z
Prédio principal da Universidade Federal do Paraná, em Curitiba
Foto: Pedro Ribas / Futura Press

O ensino público gratuito, no entanto, é garantido pela Constituição. O artigo 206 menciona a gratuidade como um dos princípios. Para mudá-lo, seria necessário aprovar um Projeto de Emenda Constitucional (PEC), o que exige o voto favorável de três quintos dos parlamentares, depois de duas discussões na Câmara e no Senado. Há ainda decisões semelhantes do Supremo Tribunal Federal que impediram cobrança até de taxas de matrícula em instituições públicas. “Esse não é um tema simples e hoje é inconstitucional”, diz a professora de Direito de Estado da Universidade de São Paulo (USP) Nina Ranieri.

A equipe de Bolsonaro toma por base estudos da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que mostram que o Brasil investe três vezes mais no ensino superior do que no ensino básico. Segundo dados do Ministério da Educação, são R$ 5,9 mil por aluno, por ano, no básico e R$ 21 mil, no superior.

A ideia é criticada pelo presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), Reinaldo Centoducatte. “Isso não vai resolver o problema. Para começar, a estratégia se baseia em conceitos errados”, afirma. Estudo da Andifes divulgado em 2016 mostra que dois em cada três estudantes de universidades federais são de classe D e E. O trabalho, feito com base em entrevistas de 2014 com graduandos, mostrava que 66,2% dos alunos vinham de famílias cuja renda não ultrapassava 1,5 salário mínimo per capita. E a desigualdade até vem diminuindo com os anos, segundo a Andifes.

Para ele, a medida pode reduzir o acesso ao ensino superior e, com isso, restringir as chances de o País se tornar competitivo. “As exigências no mercado de trabalho estão cada dia maiores. É preciso abrir, não fechar portas.”

Nina também diz que seria preciso fazer um plano complexo sobre quanto seria cobrado e como o dinheiro seria destinado. “Alguns estudos mostram que nem compensa cobrar, que o que vai vir de dinheiro não refresca nada, especialmente para as universidades que têm Medicina e Odontologia”, diz a especialista da USP. “Pode ser uma grande falácia, que não vai fazer frente ao custo das universidades. Teríamos de cobrar patamares de Harvard para fazer algum sentido.” A universidade americana tem hoje anuidade de cerca de US$ 70 mil (cerca de R$ 300 mil ao ano ou R$ 25 mil por mês).

A medida teria também como foco agradar a municípios, que aguardam reforços para o financiamento do ensino básico. Uma série de encontros da equipe de Bolsonaro já foi realizada com representantes locais. Além de obter recursos, a meta é influenciar o conteúdo do ensino básico. Uma das propostas é se inspirar em escolas militares. A ideia é começar por áreas consideradas prioritárias, como cidades de fronteira e com índices maiores de agressão contra professores.

Justificativa
Ano passado, em um documento batizado de “Um ajuste justo – propostas para aumentar eficiência e equidade do gasto público no Brasil”, o Banco Mundial já havia sugerido acabar com a gratuidade do ensino superior. “A recomendação permanece. O modelo atual é insustentável”, afirmou o coordenador da área de Desenvolvimento Humano do Banco Mundial, Pedro Olinto. No relatório, o Banco afirma que universidades públicas poderiam produzir o mesmo com 20% a menos de gastos. E afirma que o custo de um estudante de universidade privada variou entre 2013 e 2015 de R$ 12.600 a R$ 14.850. Em universidades federais, a média foi de R$ 40.900.

Na época da divulgação, a recomendação do Banco Mundial provocou uma grande polêmica. “Os dados são questionáveis. A começar pela produtividade”, afirma o presidente da Andifes. Ele observa que, no orçamento das universidades federais, é incluído o gasto com servidores aposentados. Algo que acaba consumindo cerca de 20% de todos os recursos.

“Isso não acontece com universidades particulares – os gastos são arcados pela Previdência”, argumentou o reitor. Ele observou também que as federais administram 46 hospitais universitários, além de museus e empresas incubadoras de base tecnológica. “A universidade não é apenas graduação. Há ensino, pesquisa e outras atividades que beneficiam a população como um todo.”

O formato defendido pelo Banco Mundial é inspirado na Austrália. Alunos graduados em universidades públicas empregados e que com determinada faixa de renda pagariam taxas mais elevadas, por exemplo, de Imposto de Renda. Os recursos iriam diretamente para o fundo que financiaria as universidades. Nessa proposta, o modelo jurídico das universidades precisaria ser alterado – o Banco Mundial sugere que isso ocorra por projeto de lei.

Nomes e até a lista tríplice para escolha de reitor estão sob revisão

A equipe que prepara o plano de governo do candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, também tem em mãos o calendário de escolhas dos reitores das universidades federais e um estudo sobre quem é quem nas instituições de ensino superior para servir de análise, em um eventual governo, das listas tríplices de escolhidos pelas comunidades acadêmicas. A escolha do reitor e do vice é feita pelo presidente com base na relação dos mais votados.

Os auxiliares de Bolsonaro propõem ao presidenciável que, uma vez eleito, não escolha o primeiro da lista automaticamente e aplique a fórmula de optar por nomes com experiência em “gestão” e “administração” e sem vínculos com partidos de esquerda. Para conselheiros da campanha na área, as universidades foram “aparelhadas” nos últimos anos.

O grupo de campanha do PSL recomenda ainda um “enfrentamento” no Congresso e uma campanha de convencimento da opinião pública para fazer, em um “segundo momento”, alterações na Lei 9.192, de 21 de dezembro de 1995, que estabelece que o presidente da República deve escolher o reitor e o vice com base em uma lista tríplice elaborada por um colegiado universitário com 70% de docentes. Pelo texto da norma assinada pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso, o dirigente escolhido deve ser professor titular ou associado 4, com título de doutor.

Em entrevista ao Estado, o deputado Mendonça Filho (DEM-PE) afirma que “conceitualmente” o setor precisa de uma “boa qualidade da gestão”. Ministro da Educação no governo Michel Temer, entre maio de 2016 e abril deste ano, ele já fez, em outros momentos, críticas ao que considerou uso do espaço universitário por partidos. “A gestão é fundamental para a legitimidade e a qualidade do ensino em todos os níveis, não apenas nas universidades.”

Por sua vez, o filósofo Renato Janine Ribeiro, professor de Ética e Filosofia da Universidade de São Paulo, avalia que as instituições precisam de líderes capazes de reunir bons gestores na sua equipe e não de “gestores de planilhas”. Ministro da Educação no governo Dilma Rousseff, entre abril e setembro de 2015, ele ressalta que casos recentes de imposição de reitores foram “desastrosos”.
“No meio acadêmico, que é lugar do pensamento, não adianta ter chefe. Um reitor não deve ser escolhido pela ideologia, mas pela sua qualidade e capacidade de ter apoio dentro da universidade”, ressaltou Ribeiro. “Um reitor deve pensar o futuro do ensino, da pesquisa e da extensão.”

Presidente do Sindicato dos Docentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andes), Antonio Gonçalves Filho afirma que vê com preocupação essa “possibilidade” de nomeação. “Eu espero que não seja essa a proposta, mas desconfio que esses interventores sejam indicados para calar a universidade, que é o ambiente da crítica”, avalia.

Ele observa que o artigo 207 da Constituição de 1988 estabelece que as instituições têm autonomia administrativa e de gestão financeira e patrimonial. Também ressalta que o problema “maior” enfrentado pelas universidade é da perda de recursos nos últimos anos. “Não se pode ferir ainda mais a autonomia, que foi uma conquista. Vai ter resistência.”

A proposta de mudar a lei da escolha de reitores também é vista com críticas pelo presidente da Andifes, Reinaldo Centoducatte. “Embora a regra atual já permita que o Ministério da Educação não escolha o primeiro colocado na lista, a pasta geralmente respeita a decisão da universidade”, observou. “A pessoa escolhida como reitora precisa de apoio da comunidade. Ela vai ficar à frente da instituição por um período razoável, não é nada interessante já começar com resistência.”

Proposta também foi defendida por outros candidatos

O tema da cobrança de mensalidades para alunos de classes altas em universidades públicas apareceu várias vezes durante o primeiro turno da campanha para Presidência da República. A ideia foi defendida por João Amoedo (Novo) e Henrique Meirelles (MDB) e chegou também a ser mencionada por Geraldo Alckmin (PSDB). Este, no entanto, recuou depois da declaração causar polêmica e disse que se referia apenas a pagamento de cursos de especialização em universidades.

Jair Bolsonaro (PSL), no entanto, não havia declarado essa intenção até agora. A proposta também não consta do plano de governo protocolado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O Chile, no começo deste ano, tomou o caminho contrário. Em janeiro, o Congresso do país aprovou a gratuidade do ensino superior público, que tinha até então algumas das mensalidades mais altas do mundo. O argumento foi o de que os pagamentos estavam deixando muitas famílias endividadas. Ainda está em discussão naquele país se a cobrança deve continuar para alunos mais ricos. /COLABOROU RENATA CAFARDO

 

Por Lígia Formenti, Leonencio Nossa e Adriana Fernandes

Quatro jogos do Brasileirão agitam o sábado por todo o país

América-MG, Atlético-PR, Bahia, Botafogo, Grêmio, São Paulo, Sport e Vasco prometem embates emocionantes na abertura da 30ª rodada do Brasileirão

bra-20181020080318_866Créditos: Vítor Silva/SSPress/Botafogo

Quatro jogos agitam neste sábado (20) a reta final do Brasileirão! América-MG, Atlético-PR, Bahia, Botafogo, Grêmio, São Paulo, Sport e Vasco prometem embates emocionantes na abertura da 30ª rodada do Brasileirão.

Duas partidas têm início às 16h. No Rio de Janeiro, o Botafogo recebe o Bahia no Estádio Nilton Santos. A briga promete ser boa, já que os times estão colados na tabela de classificação. O Alvinegro tem 35 pontos, em 12º, e o Tricolor vem logo atrás, na 13ª colocação, com 34 somados. O Botafogo está vem de cinco jogos sem sofrer derrotas, o Bahia está há três perder. No primeiro turno, Bahia e Botafogo empataram em 3 a 3 na Arena Fonte Nova.

Simultaneamente em Belo Horizonte, América-MG e Grêmio medem forças no Independência. Brigando para fugir do rebaixamento, o Coelho não pensa em outro resultado que não seja a vitória. Para isso, a equipe de Adilson Batista, que figura em 15º, com 33 pontos – a dois da zona – precisa encerrar o jejum de seis jogos sem triunfar. Em situação mais tranquila, o Tricolor busca manter-se na parte alta da tabela. A equipe de Renato Portaluppi está em quinto, com 51 pontos. No primeiro encontro dos times, vitória do Grêmio por 1 a 0 em Porto Alegre

Mais tarde, São Paulo e Atlético-PR duelam às 19h no Morumbi. O Tricolor, apesar de cinco jogos sem vencer, segue sonhando com o título. O time paulista figura em quarto, somando 52 pontos, a sete de distância do líder Palmeiras. Já o Furacão vem embalado de duas vitórias seguidas. Em oitavo na tabela, com 39 somados, o Rubro-Negro segue tentando beliscar uma vaga na Libertadores do ano que vem. No embate do primeiro turno, vitória do São Paulo por 1 a 0 na Arena da Baixada.

Fechando o sábado de jogos da 30ª rodada, Sport e Vasco protagonizam o duelo dos desesperados na Ilha do Retiro, às 19h. A situação do Leão é a mais complexa, figurando na penúltima posição, com 27 pontos, a cinco do primeiro time que aparece fora da zona. Já o Cruz-Maltino vem se recuperando. Os comandados de Alberto Valentim estão há cinco jogos sem derrotas, aparecendo agora na 14ª colocação, com 34 pontos, a apenas três do Z-4. Em São Januário, no primeiro turno, triunfo do time da casa por 3 a 2.

 
Da CBF

Confira os jogos do Campeonato Brasileiro Série A

Da Redação
Veja os jogos da 30ª rodada do Brasileirão de 2018

SÁB – 20/10/2018

Brasileiro Série A
30ª rodada
16H00-América-MG x Grêmio-INDEPENDÊNCIA
16H00-Botafogo x Bahia-NILTON SANTOS
SÁB-19H00-São Paulo x Atlético-PR-MORUMBI
SÁB-19H00-Sport x Vasco-ILHA DO RETIRO

DOM – 21/10/2018
16H00-Palmeiras x Ceará-PACAEMBU
16H0-Fluminense x Atlético-MG CAM NILTON SANTOS
17H00-Vitória x Corinthians -BARRADÃO
19H00-Cruzeiro x Chapecoense- INDEPENDÊNCIA
19H00-Paraná x Flamengo-DURIVAL DE BRITTO

SEG – 22/10/2018
20H00-Internacional x Santos-BEIRA RIO

 

 

Caixa anuncia isenção de taxa para investimentos no Tesouro Direto

caixa-1072440-cef,a82t2382

A Caixa anunciou hoje (19) a isenção da taxa de custódia para todos os seus clientes que aplicam no Tesouro Direto, programa do governo federal de compra e venda de títulos públicos. Até então, o banco cobrava um taxa de 0,4% ao ano para manter a aplicação.

Segundo o vice-presidente de Finanças e Controladoria do banco estatal, o objetivo é manter uma cesta de produtos e serviços competitivos, associada à solidez do banco. “Atenta às condições de mercado, a Caixa aprovou a isenção da taxa de custódia para todos os seus clientes, indistintamente. Assim, tornamos essa alternativa de investimento ainda mais rentável, fortalecendo o relacionamento com nossos clientes investidores”, comentou. A medida já está em vigor e vale para os clientes que possuem estes produtos e também os novos negócios.

A Caixa foi o último entre os maiores bancos do país a zerar a taxa de investimento para o Tesouro Direto. Bradesco, Itaú, Santander e Banco do Brasil já praticam a isenção. Foi a concorrência com corretoras independentes que fez com que os grandes bancos zerasssem suas taxas de aplicação nesse tipo de investimento.

Para aplicar no Tesouro Direto pela Caixa, o cliente deve realizar seu cadastramento no serviço de forma eletrônica, pelo Internet Banking. Todas as operações e acompanhamentos também são realizados eletronicamente pelo próprio cliente.

Tesouro Direto

O Tesouro Direto é um Programa do Tesouro Nacional desenvolvido em parceria com a Bolsa de Valores (denominada B3) para negociação (compra e venda) de títulos públicos federais para pessoas físicas, por meio da internet. O valor mínimo para investimento é de R$ 30, desde que seja múltiplo de 1% do valor do título a ser adquirido. Neste tipo de aplicação, o próprio cliente realiza a compra e venda de seus títulos de forma eletrônica, como desejar, com liquidez diária.

 

 
Da Agência Brasil Brasília

Ginástica Rítmica de Cotia garante duas medalhas de ouro nos Jogos Estaduais Infantil

Da Redação

Equipe cotiana já se prepara para participar dos Jogos Abertos do Interior, em São Carlos, no mês de novembro

A equipe infantil (9 a 11 anos) de ginástica rítmica da Secretaria de Esportes, Cultura e Lazer de Cotia desembarcou na quarta-feira (17/10) no município após a excelente participação nas finais do 1º Jogos Estaduais Infantil do Estado de São Paulo que aconteceu em Jundiaí, no último final de semana. A equipe foi vice-campeã no geral da competição, mas trouxe duas medalhas de ouro para casa, uma na categoria ‘conjunto’ e outra no individual, no aparelho bola, com a ginasta Ana Júlia Montezuma.

A equipe foi recebida com festa, mas a maratona de treinos já recomeçou para as próximas competições que encerrarão o ano. Entre os dias 13 e 18 de novembro, as ginastas participam dos Jogos Abertos do Interior, na cidade de São Carlos e, ainda este ano, devem competir no 2º Campeonato Panamericano e no Open Brasil de Ginastica Estética de Grupo.

Fotos: Divulgação

anajulia

GR GR_ grupoGR

GCM prende acusado de furto a uma residência no bairro do Gramado em Cotia

Da Redação

Um homem foi preso, na manhã desta quinta-feira (18/10), no bairro do Gramado em Cotia, pela Guarda Civil Municipal, suspeito de integrar um grupo que invadiu uma residência na avenida Doutor Altair Martins. Dois de seus comparsas conseguiram fugir se embrenhando pela mata sentido Rodoanel Mário Covas.

O crime foi percebido pelos próprios moradores da casa que chegavam na residência no momento em que um dos criminosos vigiava na parte externa, enquanto seus comparsas já estavam no interior do imóvel. O carro do ‘vigia’ estava estacionado do outro lado da rua, em frente à casa invadida. Os moradores estranharam o nervosismo do homem e a sua tentativa súbita de entrar no carro e o abordaram, impedindo que ele saísse do local.

Os comparsas do suspeito, que estavam no interior da casa, perceberam a movimentação na rua e saíram correndo pela mata, sem levar nada da residência.

O GCM Tadeu Santos passava pelo local, à paisana, e acionou a Central de Comunicação da GCM. Em poucos minutos uma guarnição chegou ao endereço e conduziu o suspeito ao 2º Distrito Policial de Cotia. No local, o delegado Marcos Alexandre Cattane determinou que ele fosse recolhido à cadeia pública. O suspeito vai responder por furto qualificado. Participaram da ocorrência os GC’s Meirelles e Lucas, além do comandante José Roberto, que prestou apoio.

gcm-cotia

GC’s que conduziram a ocorrência, Meirelles e Lucas (Foto: Divulgação GCM)

Projeto “Plantando Jardim Filtrante e Água Boa” incentiva a despoluição dos rios em comunidades

 
Da Redação
Em fase inicial, o programa passa por conscientização em escolas e unidades de Saúde

cotia-098

O bairro do Caputera, localizado entre os municípios Embu das Artes, Cotia e Itapecerica da Serra, na Região Metropolitana de São Paulo, recebe neste mês de outubro o projeto “Plantando Jardim Filtrante e Água Boa”, realizado pela Sociedade Ecológica Amigos de Embu (SEAE) para empoderar a comunidade local sobre como tratar corretamente o esgoto, mesmo na ausência dos serviços de coleta do governo.

O evento, que teve início no dia 16, vai até o próximo dia 24 e, nesta primeira fase, participam cerca de 350 alunos e professores, do sexto ao nono ano, da Escola Municipal do Caputera.

O público é introduzido ao tema com uma apresentação sobre os rios e nascentes da comunidade, causas de poluição, consequências para a saúde e soluções possíveis.

Em seguida, é conduzido à atividade cooperativa “Jogo das Calhas, Caminho das Águas”, onde aprendem brincando a diferenciar a água cinza (pias e chuveiro), preta (vaso sanitário) e pluvial (chuva), suas corretas destinações, bem como a importância de a comunidade atuar unida para alcançar o objetivo de despoluir seus rios e córregos. No encerramento, ocorre uma discussão e reflexão sobre o tema aplicado à realidade da comunidade.

O “Jogo das Calhas, Caminho das Águas”, consiste em conduzir bolinhas de cores cinza, preta e azul (que representam as diferentes águas) por calhas, até caixas que são maquetes de fossa ecológica, cisterna e natureza.

Para o diretor Odércio José, a ação na escola é positiva para toda a comunidade: “o projeto foi acolhido prontamente pela gestão e professores, tendo em vista a preocupação com a melhoria da qualidade de vida e a preservação dos meios. Os alunos envolveram-se no desenvolvimento do tema assim como as atividades. Seguramente estamos no caminho certo, debater com os jovens e conscientizar a comunidade no engajamento nessa batalha de cuidar do meio ambiente”, comenta.

Etapas e propostas do projeto

“Plantando Jardim Filtrante e Água Boa” nasceu com a missão de difundir técnicas de saneamento ecológico unifamiliar gratuitamente.

Para cumprir esse objetivo, pretende: conscientizar a população por intermédio das escolas, unidades de saúde e assistências sociais; instalar o tratamento de esgoto por jardins filtrante em três residências, para servir de modelos para a comunidade; realizar três cursos práticos para a capacitação e formação de 60 instaladores de saneamento ecológico; e publicar cartilha com instruções para que qualquer pessoa interessada possa fazer a instalação em casa.

O bairro Caputera foi um dos escolhidos por não ter serviço de coleta e tratamento de esgoto e por fazer parte da Bacia da Guarapiranga. Na região, o Ribeirão da Ressaca é um importante rio que deságua no Embu-Mirim. Este, por sua vez, fornece 33% de toda a água da Represa Guarapiranga, que abastece cerca de cinco milhões de pessoas da Região Metropolitana de São Paulo.

O tratamento por jardins filtrantes (também chamados de Zona de Raízes ou Wetlands) propõe a utilização de uma fossa séptica, onde bactérias se alimentam dos resíduos sólidos; e dois tanques com brita, semelhantes a um filtro com plantas (no caso macrófitas) que possuem raízes com alto poder de remoção das impurezas restantes. Enquanto a planta realiza sua função, ela se alimenta e se fortalece contra doenças e pragas. O resultado é um jardim bonito, sem odor ou insetos, e um efluente limpo que volta para a natureza sem poluir.

Sua arquitetura é uma importante modalidade de “Solução baseada na Natureza” (SbN), que são instalações que reproduzem o comportamento inteligente do ambiente natural para resolver determinadas questões urbanas, sem impactos negativos. É de baixo custo, tem padrão de eficiência aceito pela legislação e pode atender as pessoas da comunidade.

O projeto é realizado pela SEAE e conta com recursos do programa Casa Cidades, do Fundo Socioambiental Casa.

Sobre a SEAE

Criada por moradores na metade da década de 70, a SEAE atua na preservação ambiental de Embu e região para estimular e ampliar os processos de transformação socioambiental, cultural e econômica, por meio de processos educacionais participativos e inclusivos, fomentando a atuação em políticas públicas, visando a conservação, recuperação e defesa do meio ambiente.

 

Embu das Artes:1ª Mostra de Artes ABRASCI – Municípios em Foco

IMG_7521

Da Redação

A Academia Brasileira de Ciências, Artes, História e Literatura (ABRASCI) está promovendo a 1ª Mostra de Artes ABRASCI – Municípios em Foco: Embu das Artes, que acontece de 16/10 até 26/10, das 9h às 19h, no Instituto Federal de São Paulo (IFSP), que fica a rua Pedro Vicente, 625, Canindé, São Paulo, e é aberto ao púbico para visitação gratuita. A curadoria é de Robson Barbosa.

Estão expostas 73 obras de 33 artistas embuenses, entre eles: Ana Pinho; Davi Molinari; Sérgio Matukawa; Carlos Kahan; Adri Lag; Carlos Almeida; Jessé DC; Fábio Castro; Moro; Iuji; Fernando Madalena; Cleusa Masiero; Aldolphe; Hiromi; Jaime Mendoza; Jofe; José de Aquino (Vavá); Leônidas; Luan Ribeirovisk; Margarith Foga; Meire Lopes; Mônica Alvarenga; Olavo Camps; Paulo Moryama; Pedro Sérgio (S’Soublet); Ray; Rodrigo Ramos; Saul Franklin; Adelino Ramos; Agenor; Guto; Renata Barros; Raquel Galena e Mário Ramos.

O evento está sendo realizado numa parceria entre as ABRASCI e IFSP com o apoio da Secretaria de Cultura de Embu das Artes. No dia 19/10, às 19h, no mesmo local (auditório Aldo Ivo de Vicenza), acontecerá uma sessão solene para prestar homenagens, difundir os trabalhos e empossar novos acadêmicos da ABRASCI.

O secretário municipal de Cultura, Júlio Campanha, falou que a exposição é o resultado de um desafio do governo municipal de dar apoio e estrutura para que os artistas de Embu das Artes divulguem seus trabalhos fora das fronteiras do município. “Estamos de portas abertas para os ouvir os anseios e necessidades dos artistas com a intenção de fortalecer suas atividades”, declarou.

Um dos expositores e também coordenador da exposição, o escultor Mario Ramos exaltou a oportunidade como um meio de multiplicar a divulgação sobre a produção artística de Embu das Artes para um público maior. ”Veja essas pessoas que estão visitando aqui, serão 6 mil alunos e dezenas de professores e funcionários que olharão nosso material e levarão essa impressão a seus familiares e amigos, o que pode despertar o interesse e atrair mais pessoas para visitar a cidade e conhecer nossa arte”, disse. “E há ainda a possibilidade de levarmos essa mostra para outras 33 unidades da IFSP”, completou Mario.

Mario contou um pouco sobre a aproximação com a pasta de Cultura, após receber o convite para uma mostra individual no IFSP. “Eu propus para o Júlio ampliarmos e fazermos uma exposição com vários artistas embuenses, e ele topou, nos disponibilizando estrutura, transporte e pessoal para instalar as obras aqui”, contou ele. “Os artistas unidos para exibir suas obras, podem agregar muito à sua profissão, conversando com os visitantes e trocando ideias que irão fortalecer muito nossa atividade“, observou.

Mateus Yamashiro de Oliveira, 16 anos, estudante do curso técnico de eletrônica da IFSP, disse não entender porque há a tendência de se elitizar as artes plásticas, pois “o custo de um ingresso de um museu é tão baixo, que não justifica essa percepção”, avaliou. Yamashiro também destacou a diversidade das obras expostas e achou curioso a presença de imagens tão distintas com temas cristãos e ousados juntos.

Miguel Coecev Neto, 37 anos, estudante de Engenharia de Controle da Informação, conhece Embu das Artes mas não sabia nada sobre a arte do município. “Muito interessante, há muito colorido, gostei muito das esculturas em madeira, foi uma ótima chance de saber mais sobre o município”.

 

Cotia: Oficina de formação sobre o edital do “Pontos de Cultura”

Da Redação

Programa do Governo Estadual conta com o apoio da Prefeitura para capitanear projetos e iniciativas culturais que poderão receber incentivo financeiro

No dia 24/10, das 14h às 16h, a Secretaria de Esportes, Cultura e Lazer de Cotia vai promover uma “Oficina de Formação para o edital de Pontos de Cultura”. Projeto que irá contemplar iniciativas culturais habilitadas para receber incentivo financeiro ou kits de audiovisual e de música. A capacitação será no Departamento de Cultura, na Rua Jorge Caixe, 246, e são aguardados grupos, produtores ou coletivos culturais do município.

A oficina é gratuita e será comandada pelo agente mobilizador do projeto, Alessandro Azevedo. Na ocasião, Azevedo passará instruções sobre como participar do edital que vai contemplar 500 instituições da Sociedade Civil sem fins lucrativos e 44 Coletivos Culturais sem CNPJ, mas que tenham atuação reconhecida pelas boas práticas sociais no campo artístico cultural comprovada há pelo menos três anos.

Para saber mais sobre o Pontos de Cultura basta consultar o edita-retificado por meio do link https://bit.ly/2PFj0CB. O cadastro pode ser feito em https://bit.ly/2Cv7pSH.

pontosdecultura

 

 

Carreta Catavento visita Embu das Artes

Da Redação

O Museu Catavento Itinerante estará em Embu das Artes de 24 a 26/10 na Praça da Juventude.carreta

Serão apresentados, de forma simples, divertida e interativa, experimentos científicos, dentro de uma carreta com 9 instalações, que fazem parte do Museu localizado na cidade de São Paulo, com a presença de dois mediadores.

O “Museu Catavento – a ciência mais perto de você” é um projeto da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo desenvolvido pela Organização Social Catavento Cultural e Educacional. O objetivo desta mostra itinerante é levar um pouco do que é realizado no Museu Catavento – museu de ciências, a diversos municípios do Estado de São Paulo.

Serviço:
Carreta Catavento – Museu Itinerante
Praça da Juventude
Atividade gratuita
Rua Augusto de Almeida Batista, nº 350, Jardim São Marcos
De 24 a 26 de outubro , das 8 às 17h