Na Bombonera, Palmeiras inicia briga por vaga na final contra o Boca

pal-31655870628_dc41269c8a_b-1024x601

(Foto: Divulgação)

O Palmeiras inicia a disputa por uma vaga na decisão da Copa Libertadores às 21h45 (de Brasília) desta quarta-feira. Na temida Bombonera, o time comandado pelo técnico Luiz Felipe Scolari entra em campo para enfrentar o Boca Juniors e sua fanática torcida.

Em Buenos Aires, o Palmeiras defende um retrospecto de 100% como visitante no torneio continental. Sob o comando de Roger Machado, o time alviverde ganhou de Junior Barranquilla (3 x 0), Boca Juniors (2 x 0) e Alianza Lima (3 x 1). Já com Felipão, bateu o Cerro Porteño (2 x 0) nas oitavas e o Colo-Colo (2 x 0) nas quartas.

“Não dá para falar em favoritismo. Em uma competição mata-mata, fica difícil o favoritismo entrar em campo”, disse Bruno Henrique, apesar do retrospecto palmeirense fora de casa. “O Boca é uma equipe muito grande, nós sabemos da grandeza do clube”, completou o volante.

Em busca da vaga na decisão, Felipão deve mexer no miolo da defesa. A tendência é que Luan e Gustavo Gomez sejam escalados como titulares diante do Boca Juniors, já que ambos descansaram na última rodada do Campeonato Brasileiro. Assim, Antônio Carlos e Edu Dracena ficariam na reserva.

FBL-ARGENTINA-SUPERLIGA-BOCA-ROSARIO
Zarate, com passagem pela Inter de Milão, é uma das novidades do Boca (Foto: Alejandro Pagni/AFP)

No Boca Juniors, o técnico Guillermo Schelotto praticamente confirmou sua escalação. Embora o goleiro boliviano Carlos Lampe tenha condições de jogo, Rossi seguirá como titular. Na direita, Jara deixa Buffarini no banco. Perez jogará no meio de campo e Zarate, no ataque.

“Temos muito tempo de trabalho e estamos chegando ao objetivo principal, que é a final da Libertadores. Faltam dois passos. A torcida sempre apoiou, apesar de alguns resultados. Não tenho dúvidas de que na quarta-feira e Bombonera vai explodir e vamos nos matar por essa camiseta”, disse Schelotto.

Com 15 pontos ganhos, cinco a menos do que o líder Racing, o Boca Juniors figura na quinta colocação do Campeonato Argentino. Na última rodada do torneio nacional, com alguns atletas poupados para o duelo com o Palmeiras, o time de Schelotto empatou por 0 a 0 com o Rosario Central, na Bombonera.

FICHA TÉCNICA
BOCA JUNIORS X PALMEIRAS

Data: 24 de outubro de 2018, quarta-feira
Local: Estádio La Bombonera, em Buenos Aires-ARG
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Roberto Tobar
Assistentes: Christian Schiemann e Claudio Rios

BOCA JUNIORS: Rossi; Jara, Izquierdoz, Magallan e Olaza; Barrios, Nandez e Perez; Pavon, Zarate e Ábila
Técnico: Guillermo Schelotto

PALMEIRAS: Weverton; Mayke, Luan, Gustavo Gomez e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Bruno Henrique e Moisés; Dudu, Willian e Borja
Técnico: Felipão

 

Gazeta Esportiva – São Paulo, SP

Grêmio bate River e está próximo de nova final da Libertadores

FBL-LIBERTADORES-RIVER-GREMIO grem-000_1A9358-1024x741(Fotos: APF)

O Grêmio derrotou nesta terça-feira o River Plate por 1 a 0 no Estádio Monumental de Nuñez pela primeira partida da semifinal da Libertadores. Superando os desfalques de Everton e Luan, o Tricolor Gaúcho adotou uma estratégia que não permitiu os argentinos de impor o seu toque de bola. A grande surpresa na escalação foi o volante Michel, que não atuava cinco meses e marcou o tento gremista.

Em vantagem, os gaúchos jogam pelo empate para chegar Na final da competição. Caso os argentinos vençam pelo mesmo placar, a decisão será nas penalidades. O River classifica se fizer 2 a 1 no tempo normal por causa do saldo qualificado.

A partida de volta pela semifinal da Libertadores entre Grêmio e River Plate será no dia 30, terça, às 21h45 (de Brasília), na Arena. Pelo Brasileirão, o Tricolor Gaúcho recebe no sábado o Sport, às 16h30 (de Brasília), em Porto Alegre.

O Jogo – Adotando uma escalação mais defensiva com a presença do volante Michel, o técnico Renato Portaluppi segurou o ímpeto dos argentinos. Os gaúchos tem uma postura de forte marcação o que dificultou as jogadas de velocidade do River.

Depois dos 10 minutos, os donos da casa se soltam para o ataque. Por sua vez, o Tricolor Gaúcho tentou explorar lances de bola aérea e jogadas de contra-ataque. Aos 17, Pity rolou para Palacios, que cruzou fechado. Marcelo Grohe tentou segurar, mas soltou e a bola quase entrou.

Apesar de ter mais posse de bola, o River não conseguiu furar o bloqueio defensivo gremista. Entretanto quem levou perigo foi o Grêmio, aos 24, Alisson tocou para Cícero que soltou a bomba. Armani espalmou e mandou para escanteio.

Com dificuldade de entrar na área, os argentinos levaram perigo em chute de fora da área. Aos 30, após troca de passes, Palacios recebeu na intermediária e soltou a bomba. Grohe espalmou para escanteio. Nove minutos depois, o River chegou perigosamente e obrigou o arqueiro gremista a trabalhar. Aos 39, Pity recebeu de Scocco e soltou a bomba. Marcelo Grohe faz milagre.

Na etapa inicial o Grêmio soube segurar o River Plate e não correu grandes riscos no sistema defensivo. As duas equipes arriscaram chutes de longe e os goleiros mostraram muita elasticidade para manter o zero no placar.

Mais agressivo, os anfitriões vão para cima em busca do primeiro gol nesse começo do segundo tempo. Aos 04, Quintero cobrou escanteio na cabeça de Maidana que, sozinho, mandou por cima do gol de Grohe. Já os visitantes marcam bem, porém não conseguem segurar a bola do meio pra frente.

Durante o jogo, o Tricolor Gaúcho soube explorar a deficiência na bola aérea dos argentinos e abriu o placar. Aos 16, Alisson cobrou escanteio no primeiro poste. Michel ganhou da zaga e estufou as redes de Armani.

Os comandados de Marcelo Gallardo nitidamente se abateram depois de ter levado o gol. Muito seguro na defesa, a equipe gremista tem procurado cavar faltas e fazer o tempo passar. Por outro lado, o River facilitou o trabalho da defesa do Grêmio porque começou a cruzar várias bolas altas.

Por pouco, os gaúchos não ampliaram o marcador. Aos 33, Jael bateu falta na barreira. Leonardo pegou o rebote e tirou tinta da trave de Armani. Impotentes na partida, o River não encontrou soluções em campo para chegar a igualdade.

Diferente do primeiro tempo, os donos da casa tomaram a iniciativa na etapa final, porém o Tricolor Gaúcho com muita maestria, inteligência e experiência amarrou taticamente o River. Na insistência os gaúchos tiram proveito da deficiência na bola alta da defesa argentina. Os pilares desse triunfo foram Geromel, Kannemann e Michel. A última tentativa de empate acabou parando nas mãos de Grohe. Aos 48, Quintero cobrou falta no canto esquerdo do goleiro gremista, que voou e faz grande defesa.

FICHA TÉCNICA
RIVER PLATE 0 X 1 GRÊMIO

Local: Estádio Monumental de Nuñez, em Buenos Aires
Data: 23 de Outubro (Terça-feira)
Horário: 21h45(de Brasília)
Árbitro: Victor Carrillo (Peru)
Assistentes: Jonny Bossio (Peru) e Victor Raez (Peru)
VAR: Leodan González (principal), auxiliado por Estebean Ostojich e Richard Trinidad (todos do Uruguai)
Cartões amarelo: Borré, Maidana, Ponzio (River Plate), Alisson, Kannemann (Grêmio)
Gol:
GRÊMIO: Michel (Grêmio), aos 16 minutos do segundo tempo.

RIVER PLATE: Armani; Montiel, Maidana, Pinola e Casco; Ponzio (Enzo Pérez), Quintero, Ezequiel Palacios (Ignacio Fernandez) e Pity Martínez; Borré e Scocco (Lucas Pratto)
Técnico: Marcelo Gallardo

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Leonardo, Geromel, Kannemann e Cortez; Michel, Maicon, Ramiro (Thaciano) e Cícero, Alisson e Jael (Thonny Anderson).
Técnico: Renato Portaluppi

 

Do correspondente Cesar Esteves – Porto Alegre, RS
Gazeta Esportiva

Veja o que Bolsonaro e Haddad propõem para ciência e tecnologia

Candidatos apontam caminhos diferentes para o setor

Os programas para a área de Ciência, Tecnologia e Inovação dos candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) apresentam ênfases diferentes no tocante às prioridades e ao papel do Estado e do governo federal. Nos dois planos de governo, há seções específicas para o tema, que aparecem junto com desafios de desenvolvimento econômico e à estruturação do ensino superior.

Jair Bolsonaro condena o que chama de “centralização em Brasília” e propõe o estímulo a polos descentralizados nos quais haveria parceria entre universidades e a iniciativa privada. Enquanto o programa de Haddad defende uma retomada de investimentos públicos em pesquisa, especialmente por meio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Em relação à estrutura responsável, os dois candidatos mencionam um ministério específico para a área. Fernando Haddad (PT) fala na recriação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), desmembrando o atual MCTIC, criado após a fusão da antiga pasta com a das Comunicações. No programa de Bolsonaro, há uma proposta de cortar o número de ministérios para 15. O documento não traz a listagem de quais seriam estes. Em entrevistas à imprensa, o candidato chegou a mencionar a indicação do astronauta Marcos Pontes para comandar o ministério.

banner_propostas_de_governo

Jair Bolsonaro (PSL)

O plano do candidato avalia que o modelo de pesquisa e inovação no Brasil está “esgotado”. A área não deveria ser baseada em uma estratégia centralizada, organizada por Brasília e centrada em recursos públicos. No lugar, defende o fomento de “hubs” tecnológicos nos quais universidades se aliam à iniciativa privada “para transformar ideias em produtos”. O texto cita experiências de países como Japão e Coreia do Sul, advogando por um foco nas ciências exatas.

O programa coloca a necessidade de se criar um ambiente favorável ao empreendedorismo no Brasil, com estímulo a que alunos busquem abrir negócios próprios. Quem deseja seguir carreira acadêmica deve fazê-lo em programas de mestrado e doutorado “sempre perto das empresas”. O documento defende que o campo da ciência não deve ser “estéril”. O texto indica a busca de especificidades em cada região, citando como exemplo a exploração de energia renovável solar e eólica no Nordeste.

Outra proposta é que o país invista na pesquisa e desenvolvimento em grafeno e nióbio. O primeiro é uma forma cristalina do carbono, forte, leve e bom condutor. O nióbio é usado em ligas de aço. No capítulo sobre economia, o programa prevê a abertura comercial para importação de equipamentos para a migração para a indústria 4.0, requalificação de mão-de-obra para tecnologias de ponta e apoio a startups (pequenas empresas de tecnologia).

Nas propostas para segurança, elenca investimento em equipamentos e tecnologia, entre outros itens. Ao tratar da Defesa Nacional, o texto prevê que as Forças Armadas precisam de equipamentos modernos diante das ameaças digitais. Essas instituições precisariam estar preparadas por meio de pesquisa e desenvolvimento tecnológico.

pro-924923-embrapa-9763Candidatos apontam caminhos diferentes para a ciência e tecnologia no país – Arquivo/Wilson Dias/Agência Brasil

Fernando Haddad (PT)

O programa do candidato tem como proposta principal o que chama de “remontagem do Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação” (CT&I), articulando universidades e centros de pesquisa e políticas públicas com ecossistemas de inovação para atuar em áreas produtivas com alto grau de conhecimento, como manufatura avançada, biotecnologia, nanotecnologia, energia e defesa nacional.

Para isso, a candidatura tem como intuito ampliar os investimentos na área de CT&I. O texto menciona o aumento das verbas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), duas principais responsáveis pelo custeio de projetos de pesquisa e bolsas de pós-graduação. No caso do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT), o objetivo é a majoração dos recursos com repasse do Fundo Social do Pré-sal.

O programa prevê também um plano de 10 anos de ampliação dos recursos no setor, incluindo verbas governamentais e empresariais. A meta é atingir 2% do Produto Interno Bruto em CT&I até o ano de 2030. Esse patamar é caracterizado pelos autores do texto como necessário assegurar condições de competição do Brasil no mercado mundial em transformação em razão de tecnologias digitais e áreas de conhecimento de ponta.

Além disso, a candidatura promete recriar o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), extinto na gestão de Michel Temer e fundido com o Ministério das Comunicações para criar o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

 

Da Agência Brasil Brasília

Polícia Federal investiga crimes eleitorais em SP, MG, PE e RS

Tendo por base acompanhamentos feitos nas redes sociais, a Polícia Federal deflagrou hoje (24) a Operação Olhos de Lince, com o objetivo de coibir crimes relacionados às eleições. Entre os crimes apurados estão os de violação do sigilo do voto e de incitação a homicídio.

Ao todo, nove ações estão sendo cumpridas de forma simultânea: quatro mandados de busca e apreensão nos municípios de São Paulo e Sorocaba/SP; em Uberlândia (MG) e em Caxias do Sul (RS).

pppp-policia_federal_generica
Operação da Polícia Federal é feita em quatro estados e envolve combate a crimes eleitorais (Imagem de Arquivo/Agência Brasil)

Também foram expedidos cinco Termos Circunstanciados de Ocorrência (registros de infração de menor potencial ofensivo), com a intimação de investigados em Juiz de Fora (MG), Varginha (MG), Recife (PE) e Caxias do Sul (RS).

“Para a identificação dos investigados foram utilizadas técnicas de reconhecimento facial, que, por meio de critérios científicos, permitem a realização de análises e comparações das características faciais, tais como cicatrizes, manchas e proporções, possibilitando a identificação de forma técnica e precisa dos suspeitos”, informou, por meio de nota, a PF.

Tais ações, implementadas no âmbito do Centro Integrado de Comando e Controle Eleitoral, decorrem do trabalho de acompanhamento, via redes sociais, com o objetivo de identificar e evitar possíveis crimes eleitorais e ameaças aos candidatos que concorrem ao pleito de 2018.

 

 

Da Agência Brasil Brasília