COPA SUL-AMERICANA:Junior Barranquilla jogará final com Atlético-PR

Time colombiano venceu o Santa Fé na semi

O Junior Barranquilla confirmou seu favoritismo em cima do Santa Fe e garantiu vaga na grande final da Copa Sul-Americana. Depois de vencer em Bogotá por 2 a 0 no confronto de ida, o Junior voltou a se impor na noite dessa quinta-feira e fez a festa da sua torcida com um placar por 1 a 0, cravando uma superioridade de 3 a 0 no agregado.

A vitória no clássico colombiano credenciou o Junior Barranquilla a ser o adversário do Atlético-PR. Na quarta, o Furacão despachou o Fluminense e se manteve vivo na briga pela taça.

 

attt-201805162243483167Yimmi Chara em ação pelo Junior Barranquilla (Foto: Newton Menezes / Futura Press)

A primeira final está marcada para o dia 5 de dezembro, em Barranquilla. No dia 12 o campeão será conhecido na Arena da Baixada, em Curitiba. É a chance de um título inédito para ambas as equipes. O Junior, aliás, fará sua estreia em uma final de torneio internacional. Os rubro-negros, por outro lado, já foram vice da Libertadores, em 2005.

A vantagem que já era grande ficou ainda maior para o Junior com apenas 23 minutos de jogo nessa quinta. Téo Gutiérrez aproveitou cruzamento e, de barriga, mandou para as redes. O VAR foi acionado e apontou posição legal do atacante.

Dez minutos depois, a estrela do Junior de novo foi protagonista ao sofrer pênalti. Arboleda puxou Téo pela camisa e deu aos mandantes e oportunidade de ampliar o placar. James, Sánchez, porém, parou na defesa do goleiro Solís.

Os torcedores do Atlético-PR, a essa altura, já estavam conformados com o rival que teriam pela frente. Mas, de repente, um lance certamente fez muitos brasileiros vibrarem em Curitiba. Téo Gutiérrez, grande nome e capitão do Junior Barranquilla, acertou uma cotovelada em seu marcado e foi expulso de forma direta. Assim, o experiente jogador já é desfalque certo para a primeira final.

No segundo tempo, com um jogador a mais, o Santa Fe até apertou mais, criou algumas chances, reclamou de um pênalti. A situação, porém, era bem controlada pelo Junior, até que Fluentes resolveu atrapalhar Arboleda em uma cobrança de lateral. O árbitro novamente não titubeou e mostrou o cartão vermelho.

Nem mesmo com dois jogadores a mais em campo o Santa Fe conseguiu reagir. Pior, ainda teve Rodríguez e Guastavino Bentancourt expulsos. Com menos problemas do que poderia imaginar, o Junior se defendeu e esperou até o apito final para comemorar a classificação.

 

 

Gazeta Esportiva

PCC planeja assassinar ex-secretário do governo de SP

Polícia descobriu o plano após interceptar mensagens trocadas pela cúpula da facção

SÃO PAULO - A cúpula do Primeiro Comando da Capital (PCC) planeja assassinar o ex-secretário da segurança Pública Antonio Ferreira Pinto para ameaçar o governo de São Paulo, com o objetivo de impedir a transferência de líderes da facção criminosa de penitenciárias estaduais para o sistema prisional federal.

O plano para matar o ex-secretário foi descoberto há cerca de 20 dias quando comunicações entre integrantes da organização foram detectadas pela Polícia Militar. Desde então, Ferreira Pinto está sob proteção policial. Procurador de Justiça, ele havia dirigido a secretaria entre 2009 e 2012 – antes foi secretário da Administração Penitenciária de 2006 a 2009.

secc-age20121029233142101

O ex-secretário de Segurança Pública de SP, Antonio Ferreira Pinto, acompanhado de policiais militares
Foto: Nilton Fukuda / Estadão Conteúdo

A Segurança Pública não revelou quantos homens estão fazendo a proteção do secretário. Também não informou se outras autoridades estão sob a mira da facção. A escolha de Ferreira Pinto como alvo é simbólica.

Foi ele quem decidiu pela primeira vez enviar ao sistema prisional federal líderes da facção envolvidos em assassinatos de agentes públicos em São Paulo.

Para lá foram Roberto Soriano, o Tiriça, e Francisco Antônio Cesário da Silva, o Piauí. Em 2016, foi a vez de o Estado mandar para o sistema federal outro líder do grupo: Abel Pacheco de Andrade, o Vida Loka, sob a acusação de ele ter ordenado a rebelião no Centro de Detenção de São José dos Campos.

Na semana passada, parte do segundo escalão do PCC teve a transferência a prisões federais deferida pela Justiça com base em dados da Operação Echelon, em que o Ministério Público Estadual investigou a atuação da chamada Sintonia dos Estados e outros países, setor responsável pelo controle da facção fora de São Paulo. O grupo era acusado de ordenar dezenas de homicídios de bandidos rivais e atentados contra agentes penitenciários federais.
Outro pedido de transferência da cúpula da facção está sendo preparado pelo Ministério público Estadual, que quer mandar o líder máximo do PCC, Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, para o sistema federal. Nas unidades mantidas pela União, de segurança máxima, estão os chefes das demais facções do País – a única exceção é Marcola. A decisão de mandá-lo ao sistema federal enfrenta resistência dentro do governo do Estado. A atual gestão da Segurança Pública acredita poder controlar melhor a facção se a cúpula do PCC continuar no sistema prisional paulista.

Planos

O atentado contra Ferreira Pinto não é o primeiro plano terrorista que estava sendo preparado pela facção e foi descoberto pela polícia este ano. Antes do 1º turno das eleições, a Polícia Federal havia interceptado comunicações da cúpula do PCC. As gravações mostravam que os bandidos planejavam ações contra autoridades, órgãos públicos e integrantes do sistema penitenciário federal. O motivo era a suspensão de visitas íntimas de membros das organizações criminosas detidos nas penitenciárias federais.

Depois, no início de outubro, nova ameaça foi descoberta: o plano de resgate de parte da cúpula da facção, detida na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau, na região oeste de São Paulo. É lá que está presa a cúpula do PCC. Temendo endurecimento no tratamento após a posse do presidente eleito, Jair Bolsonaro, os bandidos teriam contratado mercenários para atacar a prisão e retirar Marcola de lá. O grupo usaria um avião para levar o bandido ao exterior, provavelmente a Bolívia.

Para impedir isso a Segurança Pública fechou a pista do aeroporto de Presidente Venceslau e enviou à cidade homens das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) e do Comando de Operações Especiais (COE). Especialistas em salvamento em selvas e em luta antiguerrilha, homens do COE levaram metralhadoras MAG, de calibre 7,62 mm, para proteger o perímetro da prisão, além de blindados da tropa de choque. No começo do mês, a Rota detectou o sobrevoo de um drone na área e o perseguiu. A prisão continua cercada pela tropa de choque.

 
Marcelo Godoy
Estadão Conteúdo

Cássio deseja sorte a dupla e brinca: “Eu ainda tenho uma estrada boa”

corinthians_0-12-1024x682Foto:Djalma Vassão Gazeta Press

O goleiro Cássio vai perder dois companheiros históricos de Corinthians ao final do Campeonato Brasileiro, com a aposentadoria do atacante Emerson Sheik e a não renovação de contrato do meia Danilo, mas não se vê traçando esse caminho tão em breve. Surpreso ao ser questionado se espera homenagens do nível das que foram feitas à dupla quando sair do Timão, ele brincou com o tema.

“Pô, eu tenho 31 anos? Tem uma estrada boa ainda antes disso (risos)”, comentou o camisa 12, que chegou ao clube em 2012, dois anos após Danilo e um após Sheik. À época ainda um jovem que não conseguiu triunfar no PSV-HOL, o gigante corintiano mostrou todo o seu agradecimento à dupla.

“Esses caras são fáceis de falar, ajudaram o Corinthians a estar nesse patamar, são duas pessoas que fizeram muito pelo Corinthians dentro e fora de campo. Desejo sucesso a eles, vou participar do jogo do Sheik, mostra o respeito que a gente tem por ele. Ao Danilo vou desejar sorte onde ele for porque ele é um cara muito vitorioso. Tomara que não faça gol em mim”, brincou.

 

Na avaliação do ídolo corintiano, ambos só terão a noção exata do que fizeram pelo clube a partir desse momento. Confiante de que isso vai acontecer consigo também, Cássio disse que espera dividir a responsabilidade de liderar o elenco com outros nomes a partir de agora.

“Vale tanto para o Danilo quanto para o Sheik. Isso (idolatria) vai aparecer mais por ele ter parado de jogar ou sair. No meu caso vai ser a mesma coisa, quando eu parar de jogar vou ver o que eu fiz. Corinthians é muito grande para um jogar só ser referência. Acredito que devam chegar novos jogadores. Esses próximos jogadores que possam chegar vão se adaptar rapidamente”, concluiu.

corinthians_0-2-1024x681 cor_x_cha_2-12-e1543271840168

 

 

 

Tomás Rosolino
Da Gazeta Esportiva – São Paulo, SP

Preso no Rio, Pezão tinha esquema próprio de corrupção, diz PGR

pee-942045-posse 0002A pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (MDB), foi preso na manhã de hoje (28) no Palácio Laranjeiras, residência oficial do governo fluminense. De acordo com a PGR, são nove os alvos da Operação Boca de Lobo, que, além de Pezão, mira assessores e um sobrinho. As ações são execuradas pela Polícia Federal.

Entre os nomes estão José Iran Peixoto Júnior, secretário de Obras; Affonso Henriques Monnerat Alves da Cruz, secretário de Governo; Luiz Carlos Vidal Barroso, servidor da secretaria da Casa Civil e Desenvolvimento Econômico, e Marcelo Santos Amorim, sobrinho do governador.

Também estão entre os alvos Cláudio Fernandes Vidal, sócio da J.R.O Pavimentação; Luiz Alberto Gomes Gonçalves, sócio da J.R.O Pavimentação; Luis Fernando Craveiro de Amorim e César Augusto Craveiro de Amorim, ambos sócios da High Control.

“Existe uma verdadeira vocação profissional ao crime, com estrutura complexa, tracejando um estilo de vida criminoso dos investigados, que merece resposta efetiva por parte do sistema de defesa social”, disse a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, no pedido das prisões.

Fato novo

A procuradora Raquel Dodge afirmou que ficou “demonstrado ainda que, apesar de ter sido homem de confiança de Sérgio Cabral e assumido papel fundamental naquela organização criminosa, inclusive sucedendo-o na sua liderança, Luiz Fernando Pezão operou esquema de corrupção próprio, com seus próprios operadores financeiros”. As conclusões se sustentam em informações decorrentes de uma colaboração premiada homologada no Supremo Tribunal Federal e documentos apreendidos na residência de um dos investigados na Operação Calicute.

A partir daí foram realizadas diligências que permitiram aos investigadores complementarem as provas. Foram analisadas provas documentais como dados bancários, telefônicos e fiscais.

Na petição enviada ao STJ, a procuradora-geral explicou que a análise do material revelou que o governador Pezão e assessores integraram a operação da organização criminosa de Sérgio Cabral (preso há mais de dois anos e já condenado judicialmente) e que o atual governador sucedeu Cabral na liderança do esquema criminoso.

Segundo a procuradora, cabia a Pezão dar suporte político aos demais membros da organização que estão abaixo dele na estrutura do poder público. De acordo com Dodge, Pezão recebeu “valores vultosos, desviados dos cofres públicos e que foram objeto de posterior lavagem”.

Prisões

Além de apresentar a existência de provas, segundo as quais o esquema criminoso estruturado pelo ex-governador Sérgio Cabral continua ativo, o Ministério Público Federal sustentou na petição que, solto, Luiz Fernando Pezão poderia dificultar ainda mais a recuperação dos valores, além de dissipar o patrimônio adquirido em decorrência da prática criminosa.

Há registros documentais, nos autos, do pagamento em espécie a Pezão de mais de R$ 25 milhões no período 2007 e 2015. Valor absolutamente incompatível com o patrimônio declarado pelo emedebista à Receita Federal. Em valores atualizados, o montante equivale a pouco mais de R$ 39 milhões (R$ 39.105.292,42) e corresponde ao total que é objeto de sequestro determinado pelo ministro relator.

Em relação ao sequestro de bens, a procuradora-geral destacou que “é dever do titular da ação penal postular pela indisponibilidade de bens móveis e imóveis para resguardar o interesse público de ressarcimento ao Erário e também aplacar os proventos dos crimes”.

Desdobramentos

De acordo com a PGR, a ação de hoje é mais uma uma operação decorrente dos desdobramentos da Lava Jato. Resultados de petição apresentada pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, ao relator do caso do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Félix Fisher.

No total são 30 mandados cumpridos pela Polícia Federal nas cidades do Rio de Janeiro, Piraí, Juiz de Fora, Volta Redonda e Niterói. Além das prisões, o ministro Felix Fischer, autorizou buscas e apreensões em endereços ligados a 11 pessoas físicas e jurídicas, bem como o sequestro de bens dos envolvidos até o valor de R$ 39,1 milhões.

Investigações

De acordo com as investigações que embasaram as medidas cautelares, o governador integra o núcleo político de uma organização criminosa que, ao longo dos últimos anos, cometeu vários crimes contra a Administração Pública, com destaque para a corrupção e lavagem de dinheiro.
Ao apresentar os pedidos, a procuradora Raquel Dodge ressaltou que a organização criminosa desviou verbas federais e estaduais, inclusive, com a remessa de vultosas quantias para o exterior –, vem sendo desarticulada de forma progressiva, com o avanço das investigações.

A procuradora enfatizou ainda que Luiz Fernando Pezão foi secretário de Obras e vice- governador de Sergio Cabral, entre 2007 e 2014, período em que já foram comprovadas práticas criminosas como a cobrança de um percentual do valor dos contratos firmados pelo Executivo com grandes construtoras, a título de propina.

Entrevista

Raquel Dodge e integrantes da equipe darão detalhes do caso em entrevista coletiva às 9h na Procuradoria-Geral da República, em Brasília.

 

 

Da Agência Brasil 

TJ-SP determina realização de novo júri sobre Massacre do Carandiru

caa-carandiru_-_cruzes

A 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) manteve hoje (27), em novo julgamento de embargos infringentes do caso do Massacre do Carandiru, a determinação de que os policiais militares condenados sejam submetidos a um novo júri popular.

Por por 4 votos a 1, a maioria dos desembargadores entendeu que o caso deve ser novamente analisado pelo Tribunal do Júri, em respeito à soberania do júri, prevista na Constituição Federal. No julgamento da apelação deste caso, ocorrido em 2016, a 4ª Câmara decidiu, por unanimidade, anular os júris por entender que as decisões dos jurados foram manifestamente contrárias às provas dos autos.

Conforme o TJ-SP, os embargados infringentes do julgamento de hoje discutiram se os réus deveriam ser submetidos a novo julgamento ou se haveria a extensão da absolvição de três réus – ocorrida em primeiro grau – aos demais policiais acusados, ponto que causou divergência na ocasião do julgamento da apelação. Embargados infringentes são um tipo de recurso cabível quando a decisão não é unânime.

Participaram do julgamento os desembargadores Luis Soares de Mello Neto (relator), Euvaldo Chaib Filho, Camilo Léllis dos Santos Almeida e Edison Aparecido Brandão acompanharam o voto do relator para realização de novo júri, além de Ivan Ricardo Garisio Sartori, que votou pela extensão da absolvição sem realização de novo julgamento.

Julgamentos

Após o julgamento da apelação, em setembro de 2016, a 4ª Câmara Criminal também já havia julgado outros dois recursos sobre o caso Carandiru: Embargados de Declaração (novembro de 2016) e os Embargos Infringentes (abril de 2017). No entanto, o Ministério Público (MP) entrou com outro recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ), sob o argumento de que, no julgamento dos Embargados de Declaração, o TJ-SP teria deixado de se pronunciar sobre aspectos apresentados no recurso.

Em abril deste ano, o STJ acolheu o pedido do MP e determinou que o tribunal paulista realizasse novo julgamento dos embargos. Os Embargos de Declaração foram então novamente analisados em maio, sendo rejeitados, e hoje foi refeito o julgamento dos embargos infringentes.

 

 

Da  Agência Brasil  São Paulo

Para Brasil, prioridades no G20 são comércio, clima e trabalho

bbbb-636789375635232120

O comércio internacional, as mudanças climáticas e o futuro do trabalho são as prioridades para o Brasil durante as negociações da Cúpula do G20, que vai reunir os líderes das 20 maiores economias do mundo, entre 30 de novembro e 1º de dezembro, em Buenos Aires.

O presidente Michel Temer desembarcará na Argentina com uma comitiva de ministros e chegou a convidar o presidente eleito, Jair Bolsonaro, para acompanhá-lo.

O diretor do Departamento de Assuntos Financeiros e Serviços do Ministério das Relações Exteriores, ministro Luiz Cesar Gasser, destacou a importância dos temas escolhidos pelo Brasil. “Comércio internacional é um tema que preocupa o governo brasileiro. É de extrema relevância”, disse na semana passada.

Umas das preocupações é em relação à Organização Mundial do Comércio (OMC). Desde o ano passado, os Estados Unidos têm resistido a liberar a nomeação de novos juízes para o Órgão de Apelação da OMC, composto por sete membros. Atualmente, o tribunal tem apenas quatro juízes, o que acarreta atrasos na análise de disputas comerciais entre os países.

Há cerca de um mês o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, alertou para os riscos de paralisação do mecanismo de solução de controvérsias do organismo multilateral. O Brasil foi um dos 12 países convidados pelo Canadá para discutir o futuro da organização.

Segundo o Itamaraty, o G20 tem importância central para o Brasil por se tratar de um foro de governança global que reúne as principais economias do mundo, em formato flexível, que facilita o debate e a formação de consensos, o que se torna especialmente relevante no momento atual em que o multilateralismo é questionado.

Da Agência Brasil Brasília

Temer edita MP para socorrer santas casas e hospitais filantrópicos

O Diário Oficial da União publicou hoje (27) o texto da medida provisória (MP) 859/2018 que socorre com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) as santas casas de misericórdia e os hospitais filantrópicos que atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Na prática, a MP complementa uma outra, a 848/18, que cria linha de crédito de R$ 4,7 bilhões para o setor. O texto está na pauta de votações da Câmara.

santa_casa (1)

Medida provisória socorre com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço santas casas de misericórdia e hospitais filantrópicos que atendem pelo Sistema Único de Saúde (Arquivo/Tomaz Silva/Agência Brasil)

Segundo a nova MP, as aplicações do FGTS nessa ajuda ocorrerão até o fim de 2022. O risco das operações de crédito ficará a cargo dos agentes financeiros – Caixa, Banco do Brasil e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O Conselho Curador do FGTS poderá definir o percentual da taxa de risco, limitado a 3%, que ainda será acrescido à taxa de juros efetiva, que, por sua vez, não poderá ser maior que a cobrada na modalidade pró-cotista dos financiamentos habitacionais.

Histórico

A primeira MP de socorro às santas casas já havia passado pela Câmara e seguido para a apreciação dos senadores, mas como sofreu mudanças no Senado, precisou retornar à Câmara. Se aprovada, irá à sanção presidencial.

Pelo Projeto de Lei de Conversão da MP, 5% do programa anual de aplicações do FGTS serão destinados a essa linha de financiamento. Segundo dados do governo, as santas casas acumulam dívidas de R$ 21 bilhões.

 
Da Agência Brasil Brasília

Nenê perde pênalti, São Paulo só empata com Sport e não entra no G4

spfc-fd_spxvit_2611-565-1024x681Foto: Fernando Dantas/ Gazeta Press

O São Paulo ficou mais distante da vaga direta na Copa Libertadores de 2019 na noite desta segunda-feira. Em sua despedida do Morumbi no ano, o time tricolor até se esforçou, mas perdeu chances, incluindo um pênalti, e não passou de um empate por 0 a 0 com o ameaçado Sport, pela 37ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O São Paulo, que poderia finalmente retornar ao G4, permanece atrás do Grêmio, empatado em pontuação (63), mas atrás no número de vitórias (17 a 16). O Sport, por sua vez, segue ameaçado no 18º lugar, com 39 pontos, dois a menos que a Chapecoense, primeiro clube fora da zona de rebaixamento.

Pela 38ª e última rodada do Campeonato Brasileiro, o São Paulo enfrenta a Chapecoense, no próximo domingo, às 17 horas (de Brasília), em Santa Catarina. No mesmo dia e horário, o Sport tenta o milagre de escapar da degola diante do Santos, na Ilha do Retiro. O Grêmio, rival direto do Tricolor paulista, recebe o Corinthians em Porto Alegre.

O Jogo – Apoiado por pouco mais de 15 mil pessoas, o São Paulo começou ligado e criou a primeira chance de gol do jogo. Aos dois minutos, Everton recebeu na esquerda e cruzou na segunda trave. Helinho ajeitou para o meio e Diego Souza cabeceou no susto, rente à trave.

Com mais de 70% de posse de bola, o Tricolor continuou com o domínio das ações. Após rebote da zaga, Nenê arriscou de fora da área e por pouco não acertou o alvo. Em sua melhor chance no primeiro tempo, Reinaldo tabelou com Liziero e saiu na cara de Maílson, mas simulou pênalti ao tentar driblar o goleiro e ainda levou cartão amarelo.

Aos poucos, o Sport começou a se sentir mais à vontade em campo e ameaçar nos contra-ataques. Em um deles, Gabriel recebeu cruzamento de Mateus Gonçalves na direita e bateu forte, mas a bola desviou na zaga e saiu em escanteio. No fim, após boa trama entre Helinho e Liziero, o São Paulo chegou com perigo, mas Maílson pegou chute de Nenê.

Após ouvir as instruções de André Jardine no intervalo, o Tricolor voltou aceso para a etapa final. Após lançamento, Everton ajeitou de peito para Liziero, que tocou de calcanhar para Nenê. Dentro da área, o camisa 10 bateu de primeira, exigindo boa defesa de Maílson.

Com a torcida mais animada, o time da casa seguiu em cima. Aos dois minutos, após rebote da zaga, Helinho soltou a bomba de fora da área e viu a bola tirar tinta da trave. Pouco depois, o jovem atacante voltou a experimentar de longe e novamente levou perigo à meta rubro-negra.

Aos 29 minutos, o São Paulo desperdiçaria sua melhor chance na partida. Cobrando pênalti discutível sobre Everton, Nenê bateu mal, e Maílson fez a defesa. Na tentativa de tornar o time mais ofensivo, Jardine tirou Araruna e Nenê (vaiado pela torcida) para colocar Igor Gomes e Tréllez.

Nos minutos finais, Cláudio Winck ainda seria expulso por cotovelada em Liziero. Com um a mais, o São Paulo partiu para cima. Aos 46, após cruzamento de Everton, Tréllez testou na trave. O Tricolor, contudo, não aproveitou a vantagem numérica nem o tropeço do Grêmio contra o Vitória e só empatou com o Sport, permanecendo fora do G4.

SÃO PAULO 0 X 0 SPORT

Local: Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: Segunda-feira, 26 de novembro de 2018
Horário: 20 horas (de Brasília)
Árbitro: André Luiz de Freitas Castro (GO)
Assistentes: Cristhian Passos (GO) e Leone Carvalho Rocha (GO)
Público: 15.235 torcedores
Renda: R$ 454.321,00
Cartão Amarelo: Reinaldo (São Paulo); Mateus Gonçalves, Jair e Matheus Peixoto (Sport)
Cartão Vermelho: Cláudio Winck (Sport)
Gol: –

SÃO PAULO: Jean; Araruna (Igor Gomes), Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Jucilei, Liziero e Nenê (Tréllez); Helinho (Antony), Everton e Diego Souza
Técnico: André Jardine

SPORT: Maílson; Cláudio Winck, Ernando, Adryelson e Raul Prata; Marcão (Deivid), Jair, Michel Bastos (Hernane Brocador), Gabriel e Mateus Gonçalves; Matheus Peixoto (Marlone)
Técnico: Milton Mendes

 

 

José Victor Ligero
Gazeta Esportiva – São Paulo, SP

Estimativa para a inflação deste ano cai de 4,13% para 3,94%

A estimativa de instituições financeiras para a inflação este ano caiu pela quinta vez seguida.

De acordo com pesquisa do Banco Central (BC), divulgada hoje (26), em Brasília, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA – a inflação oficial do país) deve ficar em 3,94%. Na semana passada, a projeção estava em 4,13%.

inff-0122
Redução da inflação estimula o consumo (Arquivo/Agência Brasil)

Para 2019, a projeção da inflação passou de 4,20% para 4,12%. Não houve alteração na estimativa para 2020: 4%. Para 2021, passou de 3,90% para 3,86%.

A meta de inflação, que deve ser perseguida pelo BC, é 4,5% este ano. Essa meta tem limite inferior de 3% e superior de 6%.

Para 2019, a meta é 4,25% com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%. Já para 2020, a meta é 4%, e, para 2021, 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para os dois anos (2,5% a 5,5% e 2,25% a 5,25%, respectivamente).

Taxa básica de juros
Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como instrumento a taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 6,5% ao ano.

Para o mercado financeiro, a Selic deve permanecer em 6,5% ao ano até o fim de 2018.

Em 2019, a expectativa é de aumento da taxa básica, terminando o período em 7,75% ao ano. A previsão anterior era 8% ao ano. Para o término de 2020 e 2021, a expectativa segue em 8% ao ano.

Quando o Comitê de Política Monetária (Copom) aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Quando o Copom diminui a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação.

A manutenção da taxa básica de juros, como prevê o mercado financeiro este ano, indica que o Copom considera as alterações anteriores suficientes para chegar à meta de inflação.

Crescimento econômico
As instituições financeiras ajustaram a estimativa para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, de 1,36% para 1,39% em 2018.

Para os próximos três anos, a estimativa segue em 2,50% nos próximos três anos.

Dólar a R$ 3,70
A expectativa para a cotação do dólar segue em R$ 3,70 no fim deste ano, e passou R$ 3,76 para R$ 3,78, no término de 2019.

 
a Agência Brasil Brasília

Sul-Americana x Libertadores: Santos e Atlético-MG se enfrentam na Vila

sfc-4327881728Santos e Atlético-MG voltam a se enfrentar (Foto: Bruno Cantini / Atlético)

Com objetivos distintos para a reta final do Campeonato Brasileiro, Santos e Atlético-MG se enfrentarão neste sábado, às 20h (de Brasília), na Vila Belmiro, pela penúltima rodada da competição nacional.

O Peixe precisa vencer o Atlético-MG para garantir presença na Sul-Americana em 2019 depois de quatro derrotas consecutivos e o fim do sonho da Libertadores.

O Galo sacramentaria a vaga na Libertadores se vencesse o Alvinegro na Baixada Santista. Primeiro no G6, o time mineiro tem 56 pontos, três a mais que o Atlético-PR.

O técnico Cuca, perto da despedida no Peixe, contará com os retornos de Bryan Ruiz, Carlos Sánchez e Derlis González, que estavam com as seleções da Costa Rica, Uruguai e Paraguai, respectivamente. Vanderlei é dúvida por conta de uma virose.

Renato, ídolo do Alvinegro, fará a sua despedida na Vila Belmiro. O contrato se encerra no dia 31 de dezembro e, a partir de 2019, ele desempenhará, oficialmente, a função de executivo de futebol.

O Atlético-MG de Levir Culpi terá os retornos de Elias e Fábio Santos, ambos suspensos na rodada anterior, diante do Internacional. Eles voltam ao time nos lugares de Matheus Galdezani e Patric. O Galo, porém, tem desfalque na zaga. Iago Maidana, suspenso, não vai para o confronto – Gabriel atuará.

No primeiro turno, em Belo Horizonte, o Atlético-MG venceu o Santos por 3 a 1, pela 18ª rodada.

FICHA TÉCNICA
Santos x Atlético-MG

Local: Vila Belmiro, em Santos (SP)
Data: 24 de novembro de 2018 (sábado)
Horário: 20h (de Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Assistentes: Rafael da Silva Alves e Jorge Eduardo Bernardi

SANTOS: Vanderlei, Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique (Kaique Rocha) e Dodô; Alison (Renato), Diego Pituca e Carlos Sánchez; Gabigol, Rodrygo e Felippe Cardoso
Técnico: Cuca

ATLÉTICO-MG: Victor, Emerson, Léo Silva, Gabriel e Fábio Santos; Adilson, Elias e Cazares; Luan, Chará e Ricardo Oliveira
Técnico: Levir Culpi

 

Da Gazeta Esportiva