Palmeiras só empata com rebaixado Paraná, mas mantém vantagem na ponta

O Palmeiras entrou em campo no Estádio do Café lotado de alviverdes em Londrina, neste domingo, como líder do Campeonato Brasileiro com cinco pontos de vantagem sobre o segundo colocado, e apesar da atuação ruim e empate decepcionante por 1 a 1 com o rebaixado Paraná, a situação se manteve. Agora, o principal perseguidor do Palestra é o Flamengo, que venceu o Sport. O Inter, após derrota para o Botafogo, está seis pontos atrás do líder restando três jogos para o final do Campeonato Brasileiro.

O decacampeonato brasileiro pode vir já na próxima rodada, no Allianz Parque, contra o América-MG, na quarta-feira. Para isso, o Palmeiras precisa vencer e torcer para que o Flamengo não ganhe do Grêmio no Maracanã e o Inter não bata o Atlético-MG no Beira-Rio.

O duelo deste domingo foi entre um rebaixado e uma equipe que luta para garantir o título brasileiro, mas o futebol dos dois times não retratou a situação no primeiro tempo. Atrapalhado pelo vento e a forte chuva, o Verdão fez péssimos 45 minutos.

Mesmo jogando literalmente contra a forte ventania, o Alviverde teve o domínio da etapa inicial, mas finalizou apenas duas veze. As três, Dudu quase acertou o ângulo, mas mandou para fora, e aos 19, Gustavo Scarpa parou na defesa de Thiago Rodrigues.

Com 69% de posso de bola, mas sem assustar o adversário, o Palmeiras foi punido. Com 34 jogados, Juninho arrancou pela esquerda, deixou Antônio Carlos para trás e cruzou rasteiro para a área. Kessley se jogou na bola, antecipando Diogo Barbosa, Weverton tocou nela, mas aceitou.

Antes do intervalo, Weverton apareceu de novo, dessa vez para impedir o gol em chute de longe de Wesley Dias. A melhor chance do Palestra veio com Rafael Grampola, que quase marcou contra no minuto final do primeiro tempo.

Palmeiras escapa de levar o segundo e consegue o empate

pal-45220973524_32cc280b52_o-1024x651

Para a etapa final, Felipão colocou Willian em campo e sacou Lucas Lima, deixando Scarpa como meia articulador centralizado. E disposto a pressionar ainda mais, o Palmeiras quase viu os mandantes ampliarem a vantagem logo aos dois minutos, mas Kessley, após driblar Dracena, demorou muito para finalizar e foi travado por Antônio Carlos.

O jogo ganhou em emoção e os alviverdes pediram pênalti em Dudu em lance polêmico. A arbitragem mandou seguir, mas um minuto depois anotou penalidade de Johnny, que dentro da área, parou chute de Willian com o braço. Na cobrança, Gustavo Scarpa bateu no meio do gol e empatou.

Após nova chegada do Paraná, que não desempatou por conta do capricho de Alesson, Felipão mexeu de novo: Bruno Henrique entrou no lugar de Scarpa, que estava bem no jogo, enquanto Moisés, fazendo uma péssima atuação, ficou responsável por armar o Verdão.

As alterações – Borja ainda entrou no lugar de Deyverson – mantiveram o Palestra no ataque, mas tiraram a criatividade do time. Dudu assustou em chute de longe, que Thiago Rodrigues defendeu, e Willian perdeu chance claríssima sozinho dentro da área.

FICHA TÉCNICA
PARANÁ 1 X 1 PALMEIRAS

Local: Estádio do Café, Londrina (PR)
Data: 18 de novembro de 2018, domingo
Horário: 17 horas (de Brasília)
Árbitro: Bruno Arleu de Araujo (RJ)
Assistentes: Rodrigo Figueiredo Henrique Correa (RJ) e Luiz Claudio Regazone (RJ)
Público:25.076 pagantes
Renda: R$ 1.953,570,00

Cartões amarelos: Johnny, Igor, René e Keslley (PARANÁ); Borja e Gustavo Scarpa (PALMEIRAS)

GOLS
PARANÁ: Kessley, aos 34 minutos do primeiro tempo
PALMEIRAS: Gustavo Scarpa, aos oito minutos da etapa final

Paraná: Thiago Rodrigues; Wesley Dias, Jesiel, René e Igor; Leandro Vilela e Johnny; Alesson (Jean Lucas), Keslley e Juninho (Torito González); Rafael Grampola (Felipe Augusto)
Técnico: Dado Cavalcanti

Palmeiras: Weverton; Mayke, Edu Dracena e Antônio Carlos e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Moisés e Lucas Lima (Willian); Gustavo Scarpa (Bruno Henrique), Dudu e Deyverson (Borja)
Técnico: Luiz Felipe Scolari

 

Da Gazeta Esportiva SP

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida

inf-82567

A estimativa do IPCA passou de 4,23% para 4,13%

A estimativa de instituições financeiras para a inflação este ano caiu pela 4ª vez seguida. De acordo com pesquisa do Banco Central (BC), divulgada hoje (19), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve ficar em 4,13%. Na semana passada, a projeção estava em 4,23%.

Para 2019, a projeção da inflação foi ajustada de 4,21% para 4,20%. Não houve alteração na estimativa para 2020: 4%. Para 2021, passou de 3,95% para 3,90%.

A meta de inflação, que deve ser perseguida pelo BC, é 4,5% este ano. Essa meta tem limite inferior de 3% e superior de 6%. Para 2019, a meta é 4,25% com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%.

Já para 2020, a meta é 4% e 2021, 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para os dois anos (2,5% a 5,5% e 2,25% a 5,25%, respectivamente).

Taxa básica de juros

Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como instrumento a taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 6,5% ao ano.

Para o mercado financeiro, a Selic deve permanecer em 6,5% ao ano até o fim de 2018.

Em 2019, a expectativa é de aumento da taxa básica, terminando o período em 8% ao ano e permanecendo nesse patamar em 2020 e 2021.

Quando o Comitê de Política Monetária (Copom) aumenta a Selic, a finalidade é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação.

A manutenção da taxa básica de juros, como prevê o mercado financeiro este ano, indica que o Copom considera as alterações anteriores suficientes para chegar à meta de inflação.

Crescimento econômico

As instituições financeiras mantiveram a estimativa para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, em 1,36% em 2018, e em 2,50% nos próximos três anos.

Câmbio
A expectativa para a cotação do dólar segue em R$ 3,70 no fim deste ano, e em R$ 3,76, no término de 2019

 

 
Da Agência Brasil Brasília

Prefeitos devem conversar com Temer sobre mudanças no Mais Médicos

ttte-45731965672_58dc85508b_o

Eles participam do Encontro dos Municípios Brasileiros, em Brasília

O presidente Michel Temer participa hoje (19) à tarde do Encontro dos Municípios Brasileiros – Avanços da Pauta Municipalista, na sede da Confederação Nacional de Municípios (CNM), em Brasília. Participam também ministros, parlamentares e prefeitos. Uma das principais preocupações dos prefeitos e secretários municipais de Saúde são as mudanças no Programa Mais Médicos.

A CNM, na semana passada, divulgou notas em que demonstrou preocupação com a saída dos profissionais cubanos do programa. Segundo a nota de sexta-feira (16), foi feito um apelo ao Ministério da Saúde e à Presidência da República para novas medidas sejam apresentadas até sexta-feira (23).

A entidade protocolou ofício na Embaixada de Cuba solicitando a permanência dos profissionais cubanos até o fim do ano, bem como a abertura de negociação com a confederação e o governo brasileiro para que busquem alternativas para garantir o atendimento à população brasileira.

De acordo com a nota do CNM, entre os 1.575 municípios que têm somente médico cubano do programa, 80% possuem menos de 20 mil habitantes. O receio é que a ausência dos profissionais de Cuba leve à desassistência básica de saúde a mais de 28 milhões de pessoas.

O presidente eleito Jair Bolsonaro reiterou ontem (19) a decisão de manter as exigências aos profissionais de Cuba. Entre as medidas, estão fazer o Revalida – prova que verifica conhecimentos específicos na área médica, receber integralmente o salário e poder trazer a família para o Brasil. Também disse que sua decisão é baseada no fato de os médicos cubanos serem tratados como escravos pelo governo de Cuba que decidiu deixar o programa após as declarações de Bolsonaro.

PPPs municipais

No encontro com os prefeitos, o ministro do Planejamento, Esteves Colnago, vai apresentar o Programa Federal de Apoio às Concessões e PPPs Municipais. A política pública de apoio às concessões e PPPs tem como foco incentivar investimentos em infraestrutura e a melhoria na qualidade dos serviços nos municípios.

A disposição é para estimular a estruturação de projetos de parceria principalmente para os setores de saneamento básico (ênfase em abastecimento de água, esgotamento sanitário e resíduos sólidos urbanos), iluminação pública e mobilidade urbana.

Os programas são coordenados pelo Ministério do Planejamento, em parceria com o Ministério das Cidades, e executados pela Caixa.

Reuniões

Além de participar do encontro com os prefeitos, Temer coordena hoje reunião com três ministros e dois secretários, no Palácio do Planalto. Participam os ministros de Minas e Energia, Moreira Franco, dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Valter Casimiro, e da Secretaria de Governo da Presidência, Carlos Marun.

Também estarão presentes o secretário-geral do Ministério das Relações Exteriores, Marcos Abbott Galvão, o secretário-executivo do Gabinete de Segurança Institucional, General Stumpf, e o presidente da Eletrobrás, Wilson Ferreira Júnior.

O presidente também tem uma reunião marcada com a advogada-geral da União (AGU), Grace Mendonça, no Planalto.

 

 

Da Agência Brasil Brasília