Polícia Civil prende homem que matou major aposentado durante assalto

Da Redação

A Polícia Civil esclareceu o latrocínio – roubo seguido de morte – do major reformado da Polícia Militar Lupércio Alessi, de 57 anos, ocorrido no dia 22 de outubro. O autor dos disparos confessou o crime e foi preso nesta quinta-feira (4), na região de Cidade Ademar, zona sul da Capital.

A.M.S., de 24 anos, apresentou um documento falso quando foi abordado por uma equipe do 43º Distrito Policial (Cidade Ademar). Levado à delegacia, o suspeito admitiu que, acompanhado de um comparsa, atirou no major quando tentava roubar o carro dele.

Durante investigações, uma equipe da 2ª Delegacia da Divisão de Homicídios, do Departamento Estadual de Investigações Criminais (DHPP), apreenderam imagens de câmeras de segurança do local do crime. As cenas mostravam o acusado falando ao celular enquanto fugia em um Corsa vermelho, que era roubado.

Ainda pelas imagens analisadas, o assaltante parecia usar luvas cirúrgicas e colete balístico sob a roupa. Na tarde do mesmo dia, policiais localizaram o veículo utilizado no crime, na região da Vila Clementino. O mecânico F.F.L., de 32 anos, que dirigia o automóvel, foi preso por receptação.

O mecânico negou envolvimento no crime e disse que levaria o Corsa para um desmanche.

A prisão

Por volta das 16 horas de ontem, A.M.S. foi detido. Após admitir que usava documento falso, disse ainda que possui antecedentes por roubo e porte de arma, e que é procurado pela Justiça.

A.M.S. contou que, no dia do crime, saiu com um comparsa para roubar veículos com as características do Strada da vítima. Na ocasião, saiu do Corsa para abordar o major, mostrando a arma que levava em sua cintura.

De acordo com o acusado, em vez de entregar a chave do automóvel, o major, que descarregava objetos na casa de sua mãe, pegou a arma que carregava consigo e apontou para A.M.S. Em seguida, se desequilibrou e deixou a arma cair. O assaltante se aproveitou desse momento e atirou.

A.M.S. falou à polícia que a arma utilizada no crime e a da vítima ficaram com o comparsa. O homem, que disse estar arrependido, foi indiciado por uso de documento falso e latrocínio.

As roupas que o assaltante usava no dia do delito foram apreendidas. A Polícia Civil pediu a prisão preventiva de A.M.S.
Com informações da Secretaria da Segurança Pública do Estado de SP