Empreiteira procurou Aécio para esvaziar CPI, indica anotação

 

A Operação Lava Jato apreendeu papéis com anotações em um escritório da UTC Participações, em São Paulo, que traçavam uma expectativa da empreiteira sobre os rumos da investigação na CPI do Petrobras no Congresso Nacional.

Segundo as anotações, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) teria sido “pressionado pela CNO para não aprofundar”, em provável referência à Construtora Norberto Odebrecht. Ao mesmo tempo, diz a anotação, o senador teria “escalado” dois colegas, Álvaro Dias (PR) e Mario Couto (PA), para “fazer circo”.

A assessoria do senador negou que ele tenha conversado ou sido procurado pela Odebrecht. Disse que “os fatos ocorridos desmentem as insinuações feitas”. Citou que Aécio foi “um dos parlamentares que lideraram no Congresso os trabalhos pela instalação da CPI mista.

“Os nomes que representam o PSDB na CPI, como previsto pelo regimento, foram indicados pelo líder do partido no Senado, senador Aloysio Nunes, e são dois dos mais combativos senadores do partido”, disse a assessoria.

Ela diz ainda que o PSDB e demais partidos da oposição conseguiram, “apesar da blindagem patrocinada pela base do governo”, aprofundar as investigações.

Ainda segundo as anotações apreendidas pela PF, a CPI não parecia ser um desafio sério para as empreiteiras. O manuscrito diz que a “CPI no Senado está esvaziada (apuração). Problema maior será no Judiciário”.

Para quem fez as anotações, a CPI “será agressiva, pois não querem apurar nada, só gerar noticiário”.

Tanto nos endereços da UTC quanto de outras empreiteiras alvos da Lava Jato, a PF apreendeu diversos indícios de como os empreiteiros se prepararam para acompanhar a comissão.

Na casa de um executivo da construtora OAS, Aldemário Pinheiro, a PF apreendeu um e-mail enviado por um funcionários da OAS que trata de requerimentos apresentados na CPI “que entendo devamos ficar atentos”.

“Observo que 90% dos requerimentos direcionados às empresas que celebraram contratos com a Petrobras são do deputado Rubens Bueno [PPS-PR]. Os outros 10% estão distribuídos entre Álvaro Dias (pediu a quebra de sigilo da Coesa), Carlos Sampaio (solicitou a convocação de Julio Camargo e Othon Zanoide) e João Magalhães (fez diversos requerimentos contra a empresa Schain)”, informou o dirigente da OAS.

George Gianni – 5.nov.14/PSD453832-970x600-1

O presidente do PSDB, senador Aécio Neves, participou de reunião da Executiva Nacional do partido, Auditório Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados, em Brasília, com a participação de partidos aliados

RUBENS VALENTE
GABRIEL MASCARENHAS
DE BRASÍLIA
DA FOLHA DE SÃO PAULO