Peritos do INSS decidem continuar em greve

Categoria insiste para governo federal oficializar a jornada de trabalho de 30 horas semanais

 med-medicos

A paralisação completa nesta quarta-feira 102 dias / Divulgação

Os médicos peritos do INSS decidiram, na terça, manter a greve da categoria. A paralisação completa hoje 102 dias.

Segundo Samuel Abranques de Oliveira, vice-presidente da ANMP (Associação Nacional dos Médicos Peritos da Previdência Social), 94% dos delegados regionais optaram pela manutenção do movimento.

Ele conta que a categoria já informou a decisão ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, que faz as negociações salariais com os peritos e os servidores federais.

Os profissionais pedem a oficialização da jornada de trabalho de 30 horas semanais e o fim da perícia terceirizada. Porém, dizem que as negociações com o governo não avançaram. A proposta foi de criar um comitê para tratar sobre a reestruturação da carreira e debater a questão da jornada de trabalho, o que não foi aceito.

Os segurados que precisam passar por perícia médica no INSS devem esperar até o ano que vem para ser atendidos. Em simulação realizada pelo DIÁRIO, a data mais próxima para requerer o auxílio-doença é em 1 de fevereiro, na agência de Santa Marina, na Zona Oeste da capital. Depois, só em 29 de março, no posto do Glicério, na região central.

Os valores que o segurado têm direito serão pagos desde a data do primeiro agendamento, e não do atendimento.

O Ministério do Planejamento informou que o governo segue aberto ao diálogo, mas não há nova rodada de negociação prevista. Sobre a decisão dos médicos, a pasta disse que não iria se pronunciar.

Atrasados do INSS devem demorar para serem pagos

Os segurados que ganharam ações contra o INSS até 60 salários-mínimos (atualmente em R$ 47.280), autuados em novembro , têm chances de receber os valores com atraso.

No TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), que atende os estados do Sul, a informação é de que as RPVs (Requisições de Pequeno Valor), como são chamadas essas ações, que foram autorizadas em novembro e que deveriam ser pagas em janeiro, ficarão para fevereiro. Para aquelas em que o juiz mandou que os atrasados saíssem em dezembro, a previsão é também para fevereiro.

O TRF1, que atende estados do Norte e Nordeste, explicou que o Tesouro Nacional atrasou o repasse feito regularmente ao CJF (Conselho da Justiça Federal), responsável por destinar os valores aos tribunais. A expectativa é que os pagamentos de novembro e dezembro de 2015 sejam efetuados até 31 de janeiro de 2016.

O TRF3, responsável pelos estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, disse na terça que não tinha essa informação.

 Por: Thâmara Kaoru 
Diario SP