Cotia: Polícia prende casal acusado de matar duas jovens no bairro Rio Cotia em 2014

Da Redação: Um duplo homicídio ocorrido em fevereiro de 2014 na ponte do Rio Cotia, na altura do Km 28 da Raposo Tavares, finalmente foi elucidado pela polícia.

cot-rioc

Duas jovens moradoras do Parque Alexandre foram brutalmente assassinadas quando iam para o trabalho e, na época, um rapaz que teria tido um caso amoroso com uma das vítimas já era apontado como suspeito.

cot-rioc1-horz

Após investigações a polícia tem certeza que o rapaz e sua esposa foram os autores do crime, baseado em informações, imagens de câmeras e a quebra do sigilo telefônico.

Robson Pena e Elisabete Tavares estão presos no setor de homicídios da Seccional de Carapicuíba e autuados por homicídio duplamente qualificado e vão a júri popular ainda este ano.

Entenda o caso

As duas jovens moravam no Parque Alexandre e trabalhavam na mesma empresa, no Jardim Cláudio. Bruna era casada e mãe de três filhos. Andrea vivia no mesmo bairro que a amiga. Ela havia retornado ao trabalho havia pouco tempo, na volta da licença-maternidade do segundo filho, que na época tinha cinco meses.

cot-andreia-horz

Andreia e Bruna Andreia e Bruna

Bruna Veloso (na época com 27 anos) e Andreia Cobucci (30) estavam a caminho do trabalho no final da madrugada do dia 4 de fevereiro de 2014, quando foram atacadas por um homem armado com faca. Ele era Robson Pena, que separado por um tempo da esposa Elisabete, teve um relacionamento com Andreia, de onde tiveram um filho, mas, com o final do romance, passou a ameaça-la por telefone, redes sociais e pessoalmente.

Andreia chegou a fazer boletins de ocorrência relatando as ameaças.

Então, segundo a polícia, Robson resolveu se vingar da jovem e naquele dia abordou Andreia e a amiga Bruna. Ele então esfaqueou Andreia no pescoço e barriga e para não deixar testemunhas, matou Bruna.

Os dois corpos foram jogados na beira do Rio Cotia, debaixo da ponte do Km 28 da Raposo Tavares.

Na época, a suspeita caiu sobre Robson, que negou o crime e ainda teve como testemunha e álibi, a esposa Elisabete, que disse em depoimento que estava com ele dormindo no momento do crime. Três dias após o fato, a polícia pediu a quebra do sigilo telefônico de Robson e com isso, conseguiu a localização dele na hora do ocorrido. Elisabete tinha ciúmes do fato do marido ter um filho com a vítima e, segundo a polícia, junto com ele arquitetou o homicídio.

Porém, relatos de testemunhas e imagens de câmeras de segurança de uma empresa ao lado do local ajudaram na elucidação do crime. Os telefonemas feitos por Robson à época também foram cruciais para desvendar o autor.

cot-pena

Casal autor do crime

As imagens das câmeras mostram duas pessoas na ponte no momento do crime e a polícia não tem dúvidas que é o casal.

VEJA REPORTAGEM SOBRE O CASO CLICANDO AQUI.

 

Com informações do Cotia Agora e TV Band – Fotos dia do crime: Beto Kodiak