Corinthians recepciona Cristóvão Borges com vitória sobre o Botafogo

Em: Botafogo, Campeonato Brasileiro Série A, Corinthians, Futebol

corri-00883653-1024x681

Cristóvão recebeu votos de sucesso de Rose, esposa de Tite, antes do jogo (foto: Djalma Vassão/Gazeta Press)

No dia em que se despediu de Tite, novo técnico da Seleção Brasileira, e recepcionou o substituto Cristóvão Borges em Itaquera, o Corinthians conquistou uma importante e suada vitória por 3 a 1 sobre o Botafogo. O resultado positivo deste domingo foi o primeiro do currículo do interino Fábio Carille em quatro partidas disputadas pelo clube.

Apesar do triunfo, Cristóvão teve com o que se preocupar de um camarote de Itaquera. O treinador que será oficialmente apresentado na segunda-feira viu um desorganizado Corinthians abrir o placar com Bruno Henrique, mas também ser vazado em um chute cruzado de Leandrinho – defensável, segundo o próprio Cássio. Já sem o goleiro, que acusou um mal-estar e foi substituído por Caique França, os donos da casa melhoraram e alcançaram a vitória com gols de Marquinhos Gabriel e, outra vez, Bruno Henrique no segundo tempo.

Os três pontos levaram o Corinthians a 16 na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro, três atrás dos líderes Palmeiras e Internacional, e garantiram a reação após as derrotas por 1 a 0 para o grande rival e para o Fluminense. Já o Botafogo, que vinha de uma vitória por 3 a 1 sobre o América-MG, permaneceu com 8.

Os times alvinegros de São Paulo e do Rio de Janeiro voltarão a campo na quarta-feira. Enquanto o Corinthians visitará o Atlético-MG no Mineirão, na estreia de Cristóvão Borges, o Botafogo buscará a sua reabilitação diante do Figueirense, em Juiz de Fora.

O jogo – Meia hora após o técnico Tite ser ovacionado por torcedores e antigos colegas de trabalho, na última vez em que pisou no gramado de Itaquera antes de assumir a Seleção Brasileira, já não havia mais motivos para aplausos na Zona Leste de São Paulo. O Corinthians de Fábio Carille se mostrou ainda mais descoordenado do que eu seus últimos tropeços.

As mudanças que o interino prometeu – a contragosto e por vontade própria – não surtiam efeito. Cássio estava inseguro. Pedro Henrique ficava exposto a cada avanço de Uendel. Como volante, Rodriguinho tinha as mesmas dificuldades criativas de quando era escalado como armador. Lucca (substituiu Giovanni Augusto, lesionado de última hora) parecia empenhado em chutar a bola para fora do estádio. E Romero, como centroavante, tornou-se presa fácil para a marcação do Botafogo.

A equipe carioca, para sorte do Corinthians, também não era das mais virtuosas. Logo na primeira participação botafoguense na partida, Sassá e o argentino Gervásio Núñez trombaram na lateral esquerda e provocaram risadas em um grupo de torcedores até então mais animado para degustar os seus lanches e refrigerantes, no setor oeste de Itaquera.

Apesar de o Botafogo ter parado de bater cabeça com o passar do tempo, foi o Corinthians que abriu o placar. Aos 23 minutos, Fagner fez boa jogada pela direita e cruzou rasteiro para trás. Bruno Henrique dominou a bola na entrada da área, clareou e bateu colocado para vencer o goleiro Sidão – o mesmo que havia sido algoz corintiano nas semifinais do Campeonato Paulista, pelo Grêmio Osasco Audax.

A torcida do Corinthians teve três minutos para comemorar, eufórica. Aos 27, Leandrinho recebeu enfiada de bola de Sassá na ponta direita e tirou proveito da fragilidade defensiva corintiana para chutar alto e cruzado. Cássio aceitou, e a bola tocou no travessão antes de entrar.

O gol deu confiança ao Botafogo e desestabilizou o Corinthians. A virada quase veio nos minutos finais do primeiro tempo. Só não ocorreu aos 40 porque Neílton, livre de marcação dentro da área, desperdiçou ao concluir torto, de canela. No lance seguinte, Gervásio Núñez recebeu de Sassá com liberdade pela esquerda e bateu cruzado. Na trave.

“Olha o que o Botafogo está fazendo com a gente!”, berrou um torcedor do Corinthians, no intervalo. Já os jogadores se dirigiram para o vestiário com semblantes fechados. E voltaram de lá sem Cássio, que assumiu a falha no gol de empate, reclamou de tontura e dor de cabeça e acabou substituído pelo jovem Caique França. Na equipe visitante, Ricardo Gomes trocou Sassá por Ribamar.

Menos tonto, o Corinthians diminuiu a dor de cabeça dos seus torcedores no princípio do segundo tempo. Embora Lucca ainda chutasse e cruzasse como se estivesse em um jogo de futebol americano, o time ganhou mobilidade com Romero mais recuado, participativo. Marquinhos Gabriel também parecia disposto a apagar a má impressão deixada na etapa inicial.

Aos sete minutos, a receita corintiana para vencer funcionou. Marquinhos Gabriel recebeu a bola de Romero e arrancou pela direita, passando entre dois marcadores para invadir a área e finalizar cruzado, com o pé esquerdo, para a rede. Na comemoração, o meia correu em direção à principal torcida organizada do Corinthians e simulou uma pescaria, como se trouxesse o público para dentro de campo.

Os torcedores corresponderam com muita gritaria. Como o Corinthians já ameaçava dominar a partida, Ricardo Gomes agiu, na esperança de fazer com que o Botafogo enfim testasse o novato Caique França. Trocou Gervásio Núñez por Victor Luis. Fábio Carille esperou um pouco para contra-atacar com o contestado André na vaga do apático Guilherme.

Com as mudanças, a partida ficou mais pegada, com bastante discussão. O Botafogo se lançou desesperadamente ao ataque para tentar empatar no final, porém a melhor oportunidade de gol foi criada pelo Corinthians. Aos 36 minutos, Sidão defendeu bem um chute cruzado de Marquinhos Gabriel e ainda pegou a conclusão de Romero no rebote, com o pé.

A bola entraria não muito tempo mais tarde. Aos 43, Fagner fez o levantamento em cobrança de falta da direita, e Balbuena escorou de cabeça para Bruno Henrique sacramentar o resultado positivo do Corinthians que foi de Tite, é de Fábio Carille e será de Cristóvão Borges.

FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS 3 X 1 BOTAFOGO

Local: Estádio de Itaquera, em São Paulo (SP)
Data: 19 de junho de 2016, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Rodolpho Toski Marques (PR)
Assistentes: Ivan Carlos Bohn e Rafael Trombeta (ambos do PR)
Público: 34.747 pagantes (total de 35.024)
Renda: R$ 2.023.396,50
Cartões amarelos: Balbuena e André (Corinthians); Fernandes e Victor Luis (Botafogo)
Gols: CORINTHIANS: Bruno Henrique, aos 23 minutos do primeiro tempo e aos 43 minutos do segundo tempo, e Marquinhos Gabriel, aos 7 minutos do segundo tempo; BOTAFOGO: Leandrinho, aos 27 minutos do primeiro tempo

CORINTHIANS: Cássio (Caique França); Fagner, Balbuena, Pedro Henrique e Uendel; Bruno Henrique, Rodriguinho (Willians), Marquinhos Gabriel, Guilherme (André) e Lucca; Romero
Técnico: Fábio Carille

BOTAFOGO: Sidão; Luis Ricardo, Renan Fonseca, Emerson Silva e Diogo Barbosa; Fernandes, Bruno Silva, Gervasio Núñez (Victor Luis) e Leandrinho (Salgueiro); Neilton e Sassá (Ribamar)
Técnico: Ricardo Gomes

 

Helder Júnior 
Da Gazeta Esportiva – São Paulo, SP

 

Fotos: Djalma Vassão/Gazeta Press

corrr_cor_x_bota_0-8-1024x682

cor_cor_x_bota_0-6-1024x682corcor_x_bota_0-4-1024x682cori_cor_x_bota_0-10-1024x682corriii_cor_x_bota_1-3-1024x682