Palmeiras quebra tabu, vence Furacão e se aproxima do líder no Brasileiro

O Palmeiras luta pelo título do Campeonato Brasileiro. Nesta quarta-feira, o Verdão recebeu o Atlético-PR no Allianz Parque e venceu por 2 a 0, triunfo que o aproximou do líder do São Paulo e de quebra ainda derrubou a invencibilidade de nove jogos do Furacão. Willian marcou o primeiro e Moisés, de pênalti, ainda encerrou uma série de cinco penalidades consecutivas desperdiçadas.

O início de jogo foi melhor para o Atlético-PR. Se aproveitando da dificuldade na saída de bola palestina, o Furacão controlou o ímpeto dos mandantes e teve a primeira grande oportunidade, aos 23 minutos, quando o Rubro-Negro achou espaço nas costas de Victor Luis, Marcinho cruzou para a área, e Nikão, sozinho, mandou para fora.

Na noite fria paulistana, com os termômetros marcando 13 graus, o primeiro tempo não chegou a ser morno. A maior vibração das arquibancadas veio com os anúncios de gols do Ceará na derrota, então parcial, do rival Corinthians.

Repetindo a dupla de volantes que escalou contra a Chapecoense, Felipão montou o meio-campo do Palmeiras com Thiago Santos, Felipe Melo e Moisés. Apesar de seguro defensivamente, o setor teve muitos problemas na criação. Com o camisa 5 fixo na marcação, coube ao Pitbull auxiliar Moisés na armação, mas ele teve dificuldades claras em cumprir o papel, inclusive em termos de posicionamento.

pal-fd_palxatl_0509-1077-1024x681
Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press

Para a etapa final, então, Felipão não teve dúvidas: sacou Thiago Santos, recuou Felipe Melo para sua posição habitual e colocou Bruno Henrique em campo. A alteração mudou a postura da equipe de Luiz Felipe Scolari, e o anúncio de um gol do Atlético-MG contra o São Paulo fez explodir as arquibancadas do Allianz Parque.

Em campo, os atletas, sabendo de que precisavam de apenas um gol para ficar a três pontos do líder do Campeonato Brasileiro, se lançaram ao ataque. Bem ao estilo Felipão, o Alviverde conseguiu abafar o adversário sem sofrer grandes sustos na defesa. Aos poucos, o gol do Maior Campeão do Brasil foi amadurecendo.

Com 19 jogados da etapa final, Felipão colocou Deyverson na vaga de Borja e o Palmeiras ganhou o jogo. O centroavante já entrou em campo alucinado, como de costume, e perseguindo os adversários com a bola. Em uma das pressões do camisa 16, o goleiro Santos quase chutou em cima do palmeirense.

E com seis minutos em campo, Deyverson recebeu lindo passe de Dudu, que teve nova atuação espetacular, e deu ótima enfiada para Willian ficar na cara do gol. Na velocidade, o atacante não foi alcançado por Jonathan e tocou na saída de Santos para balançar as redes e anotar o primeiro gol do jogo.

Até o apito final, o Palmeiras apenas administrou o resultado, mas com direito a demonstrações de categoria. Felipe Melo, pelo segundo jogo consecutivo, aplicou chapéu no adversário, e Dudu também fez drible de efeito sobre os atleticanos.

No minuto final, ainda houve tempo para o Palmeiras quebrar o tabu de pênaltis desperdiçados. Bruno Henrique ganhou dividida e a bola sobrou para Willian, que foi derrubado na área pelo goleiro Santos. Na cobrança, Moisés mandou para as redes e encerrou a sequência de cinco pênaltis consecutivos desperdiçados.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 2 X 0 ATLÉTICO-PR

Local: Estádio Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data: 05 de setembro de 2018, quarta-feira
Horário: 21 horas (de Brasília)
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Assistentes: Michael Correia e Silbert (RJ) Faria Sisquim (RJ)
Público: 24.601 torcedores
Renda: R$1.263.083,14

Cartões amarelos: Dudu (PALMEIRAS); Renan Lodi, Santos e Wellington (ATLÉTICO-PR)

GOLS
PALMEIRAS: Willian, aos 25, e Moisés, aos 49 minutos do segundo tempo

PALMEIRAS: Fernando Prass; Mayke, Antônio Carlos, Edu Dracena e Victor Luis; Thiago Santos (Bruno Henrique), Felipe Melo e Moisés; Willian, Dudu (Jean) e Borja (Deyverson)
Técnico: Luiz Felipe Scolari

ATLÉTICO-PR: Santos; Jonathan (Rony), Zé Ivaldo, Léo Pereira e Renan Lodi (Márcio Azevedo); Wellington, Lucho González e Bruno Nazário (Guilherme); Nikão, Marcinho e Pablo.
Técnico: Tiago Nunes

 
Bruno Calió
Gazeta Esportiva – São Paulo, SP